Meg Cabot – Insaciável

Este livro foi, para mim, uma surpresa e de certo modo, uma decepção. Meg Cabot, todo mundo sabe, é possivelmente a maior diva da literatura young adult da atualidade. Porém, senti que ela errou na mão ao escrever este livro. Talvez para as pessoas que estão cansadas de tantas visões diferentes de histórias de vampiro, não acharão nada de estranho em Insaciável. Eu, por outro lado, não pude deixar de sentir, principalmente no início da obra, que lia uma paródia de histórias de vampiros. A sensação que tinha a todo momento era de que a autora criticava duramente as obras onde o vampiro é bonzinho, quer transformar a mocinha em vampira e morder seu pescoço. É claro que cada um tem a sua opinião, mas eu considero que, se vampiros são seres mitológicos, cada um pode usá-los e descrevê-los do jeito que bem entender.

Quando eu soube que Meg escreveria sobre vampiros já fiquei cabreira. Isso porque ela já se aventurou muito pelo mundo do sobrenatural mas nunca por esta área específica. Isso me parecia uma obra de marketing pelo fato de o tema estar mais em voga do que nunca. Mas na realidade ela escreveu um livro para quem já está de saco cheio de vampiros e das estórias onde eles brilham, são aceitos facilmente e não aterrorizam as pessoas. A crítica dirigida à Crepúsculo foi clara. Isso não me agradou, primeiro porque eu amo a saga Twilight e segundo porque o trabalho de cada autor deve ser respeitado. A façanha de Meyer em propagar a leitura de forma somente antes vista em Harry Potter foi notável. Quem tem um Skoob deve perceber que Harry Potter e a Pedra Filosofal seguido de Crepúsculo, são os dois livros mais lidos pelos usuários. Mas enfim, vou falar mais sobre Crepúsculo no post sobre o Guia Oficial Ilustrado, em breve. Apesar de todas estas considerações, eu confesso que gostei do livro e da história, mesmo ela sendo extremamente satírica, no meu ver.

Meena Harper é uma mulher madura, com um emprego que adora e que possui um dom nada agradável. Ela pode ver a morte das pessoas apenas ao vê-las. Isso, como vocês podem imaginar, se torna um grande problema ao longo da vida dela. Meena conseguiu salvar algumas vidas, mas outras tantas foram perdidas e ela sempre se culpa por isso. O seu emprego é como escritora de diálogos para a novela Insaciável, que está no ar há quase 30 anos. Ela sempre foi fã do programa, mas após perder uma promoção para a colega Shoshana, que não faz nada no trabalho e de descobrir que os produtores irão colocar vampiros na novela por seu apelo comercial, ela não esta muito feliz nesta área de sua vida. Ela não aguenta mais ouvir falar em vampiros e não entende como as pessoas podem amar  estes seres nojentos e desagradáveis. E, acreditem, ela reforça isso muitas e muitas vezes ao longo dos parágrafos (o que dá o tom sarcástico e de sátira ao livro).

E é nessa fase da vida que ela conhece o príncipe Lucien Antonesco, que parece ser uma resposta a todas as suas preces. Ele é cavalheiro, gentil e, o mais importante, ela não consegue prever a sua morte. Ela sabe que Lucien está só de passagem por Nova York (ele mora na Romênia), mas isso não a impede de seguir seus impulsos e se apaixonar por ele. O que ela não sabe é que não pode prever a morte dele porque ele já está morto. Lucien é um vampiro, mais do que isso, é o príncipe das trevas, o líder de sua raça. E ele está na cidade para conter uma onda de crimes que vem ameaçando expor os vampiros para o mundo. Nesse ínterim, ele está sendo caçado por Alaric Wulf, membro da Guarda Paladina, uma divisão do Vaticano responsável por manter o mundo longe dos demônios.

E assim se desenrola uma trama muito bem construída (como não poderia deixar de ser, em vista de quem a escreveu), que está mais para um chick-lit do que para um sobrenatural. Os personagens masculinos, como sempre, são de tirar o fôlego e fazer qualquer uma se interessar. Meena também não deixou a desejar no papel de protagonista forte e decidida. Depois de descobrir o que Lucien realmente é, não quer mais nada dele além de distância. Assim, Meg deixa clara a sua opinião sobre romances entre vampiros e humanos. O final, apesar de não ter sido surpreendente, foi bem narrado e explicou muito bem todos os fatos. O livro é o primeiro de uma série (para variar) e o segundo volume, Overbite, foi lançado este mês nos EUA e eu espero que não demore muito para chegar por aqui. Deixo a capa para vocês conferirem.

Quanto à avaliação, fiquei em dúvida na hora de dar uma nota para esta obra. Oscilei entre 3 e 4, mas me decidi por 4 estrelas, pela alta qualidade na narrativa da autora, que me prendeu durante toda a obra. Além do fato de que não dá para julgar o livro apenas por não gostar da forma como ela tratou o tema vampiros (o que fez com que o livro perdesse uma estrela para mim).

Avaliação (de 1 a 5):

Anúncios

5 comentários (+add yours?)

  1. Camila
    Jul 18, 2011 @ 10:26:24

    Oi Adri,
    Amei a sinceridade na sua resenha!
    Estou com esse livro aqui na estante e pretendo ler em breve!!
    O problema é que, assim como você, fico entre a cruz e a espada, porque amo a Meg Cabot, mas também amo Twilight e acho que todos os autores e histórias devem ser respeitados! Lógico que Twilight não é a única série de vampiros bonzinhos, mas com certeza é a responsável por colocar os vampiros em alta novamente.
    Vi uma entrevista com o André Vianco e achei super legal ele dizer que, apesar de não concordar com a Stephenie Meyer, ele tem que agradecer porque a “volta dos vampiros à moda” fizeram seus livros vender muito!! Bacana, né?!
    Bom, mas agora o jeito é ler o livro e tirar minhas próprias conclusões!!
    Beijos
    Camila – Leitora Compulsiva

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Jul 18, 2011 @ 12:33:20

      Oi Camila! Pois é, fiquei bem em dúvida na hora de escrever a resenha, porque amo a Meg, mas não podia deixar de mencionar uma coisa que me incomodou tanto enquanto eu lia. Eu sou super fã de Stephine Meyer (fato que se agravou depois de eu ler o Guia Oficial Ilustrado) e não gosto quando criticam a ideia dela apenas por ser diferente! Realmente eu entendo o André Vianco, que saiu no lucro depois de Crepúsculo, assim como muitos outros autores… Leia e depois me cote o que achou, estou curiosa para saber se fui só eu que me senti assim!!!

      Beijos

      Responder

  2. Gabi
    Jul 20, 2011 @ 12:43:17

    Eu adoro a Meg, mas cansei de vampiros. Mesmo a capa sendo magnifica e tudo mais, vou demorar um pouco ainda para eu comprar esse livro. Cansei um pouquinho de sobrenaturais.

    Gabi

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Jul 21, 2011 @ 08:39:00

      Oi Gabi! Bem, se tu cansou de vampiros esse é que é o teu livro, ela condena o uso deles em tantas obras o tempo todo. Mas realmente é um livro sobrenatural, então é bom dar um tempo antes de ler. Eu também gosto de variar sempre que possível.
      Beijos

      Responder

  3. lenaelric
    Out 24, 2011 @ 12:52:09

    Eu li 200 páginas e parei porque achei muito descritivo. Achei que ela fez uma paródia com vários personagens de livros de vampiros.. não se se continuo :S Adorei sua resenha, como sempre *-*

    Beijos e parabéns! 🙂
    http://historiasnaestante.wordpress.com/

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: