Gail Parent – Sheila Levine está morta e vivendo em Nova York

Esta foi uma das leituras mais difíceis do ano, acho que só perdeu para O Clube do Filme tão chato que nem resenhei e O Vendedor de Sonhos, do qual desisti por que eu ainda tento ler autoajuda? Odeio este estilo mesmo… Sheila Levine está morta e vivendo em Nova York é considerado um dos primeiros chick-lits, escrito na década de 70 por Gail Parent.

A capa é fofa e me conquistou logo de cara. Mas o que me deixou mesmo com vontade de ler foi a seguinte citação da contra-capa:

 “Junte uma pitada de O Diabo Veste Prada, acrescente uma tigela bem cheia de Bridget Jones, uma colher de sopa de Marian Keyes, e leve ao fogo alto de Sexy and the City. Quando estiver cozido, depois de boas gargalhadas, retire do forno e cubra com Bergdorf Blondes a gosto.  Sirva acompanhado de deliciosas piadas judaicas. O humor inteligente e sagaz de Sheila Levine vai agradar em cheio os mais diversos paladares. Esqueça a dieta: é bem, bem mais gostoso do que bolo de chocolate quentinho.”

Depois da leitura, só me resta deixar o aviso: não acreditem em tudo que está escrito na capa, abas e contra-capa dos livro!!! As editoras mentem e mentem muito o.O

Sheila é uma garota judia que está desesperada para casar, sendo a palavra principal desta frase a desesperada. O livro, na verdade, é uma gigante carta de despedida de Sheila, contando a todos porque decidiu se suicidar aos 30 anos.

Ela sofreu pressão da família a vida toda para ter um belo casamento judio, marido e filhos perfeitos e uma casa cheia, mas não foi assim que as coisas se desenrolaram na vida dela. Acompanhamos todos os preparativos para o suicídio e até consegui rir de algumas partes, mas foi um humor fraco, nem um pouco comparável as divas que brilham hoje em dia escrevendo chick-lits.

Como o livro foi escrito há muito tempo, em uma época em que o mundo era diferente e as mulheres tinham maior obrigação de formar uma família, foi realmente difícil me colocar no papel da protagonista. Nem mesmo os chick-lits atuais, onde as mulheres caçam maridos o tempo todo são tão deturpados quanto a pobre mente de Sheila Levine. Todo tempo eu só pensava em gritar para a garota: vai à luta, esquece os homens, não fique com este babaca, você merece coisa melhor, etc, etc.

Outra coisa que me irritou profundamente foi o fato da narradora no caso, Sheila sempre se referir aos seus pais como pápis e mãmis: com acento e tudo. Só tenho um comentário a fazer, essas palavras ficam extremamente irritantes no decorrer do livro, não aguentava mais ler pápis e mãmis pra cá, pápis e mãmis pra lá!!! Gail Parent, você quis me enlouquecer!

Isso tudo somado ao fato da história começar num ponto e terminar exatamente do mesmo jeito faz com que o livro seja dispensável e, falando francamente, ruim. Não temos um personagem masculino digno, uma melhor amiga legal nem mesmo uma mãmis autoritária que se preste, a mãe de Sheila é só chata mesmo!

Os relacionamentos dela não dão em lugar nenhum e isso não muda durante toda a obra. Poxa, para que ler algo que não passa sequer uma mensagem positiva? O negativismo constante da personagem me deixou bem deprimida enquanto lia, o que é um dos principais motivos para não recomendar o livro.

Esta é a primeira resenha que faço onde avalio o livro com a classificação mínima, e realmente fico triste por constatar que perdi meu tempo com uma história que tinha tudo para ser boa, porém não conseguiu chegar perto de me agradar.

Avaliação (de 1 a 5):

Alyson Noël – Radiante

Gostoso de se ler, este livro é como o primeiro volume da série Os Imortais, promissor. A série Riley Boom é um spin-off, ou seja, é ambientada no mesmo mundo fictício que o de Ever e Damen, mas com protagonistas diferentes.

Aqui conhecemos melhor Riley, a irmã de Ever, que só teve grande participação mesmo em Para Sempre. Acompanhamos a vida dela a partir do momento em que atravessou a ponte, indo para o outro lado da vida.

Agora ela deve se adaptar a sua nova existência, onde pode materializar tudo que quiser, mas não tendo o que mais deseja: a companhia da irmã e sua antiga vida na Terra.

Os desafios dela serão grandes, pois ela é destinada pelos anjos como apanhadora de almas, e sua primeira tarefa é cuidar do misterioso garoto radiante, que assombra um castelo no Inglaterra. Para isso ela contará com a ajuda de seu mentor, chamado Bodhi, um garoto que tem a mesma função dela, mas está em um nível mais avançado.

Nas palavras de Riley, ele é meio bobão. Porém, ao longo das páginas foi me conquistando de mansinho.

A protagonista continua desbocada como era em Os Imortais, coisa que gostei muito. Suas discussões com Bodhi garante risadas ao longo da trama e a parte da fofura fica por conta de Buttercup, o cão.

O livro é curtinho e a trama não tem grandes desenvolvimentos. Radiante é um volume bem introdutório mesmo, mas me deixou curiosa para saber o que vem em Luminoso, lançamento deste mês da Intrínseca.

Uma coisa que não posso deixar de comentar é o erro grotesco na sexualidade de Buttercup, a ex-cadela de Riley. Ela virou ELE em Radiante!!! Como um cão que foi descrito como fêmea no livro que deu origem a esta série vira um macho de repente??? Fail total Intrínseca e/ou Alyson… Não sei se foi erro da autora ou da editora, mas vamos combinar, me chocou bastante e não é um errinho pequeno e justificável!

Detalhe: adorei esta capa, achei mega fofa e foi um contraponto interessante com as de Os Imortais, que são bem escuras…

No mais, recomendo para quem gostou da outra série da autora, pois certamente é bem parecida. Espero que Alyson não estrague esta história também com toda sua enrolação, mas vou ficar torcendo!

Avaliação (de 1 a 5):

Stephenie Meyer – A Breve Segunda Vida de Bree Tanner

Tia Stephie, como senti saudades da sua escrita! Sério gente, a mulher arrasa, conseguiu me deixar presa até mesmo à um livro pequeno, do qual eu já sabia o final e inclusive tinha ciência de que iria ser triste! Este é um fato que nunca imaginei ser possível, mas como eu disse, a mulher arrasa.

Eclipse não é nem de perto meu livro favorito da saga Crepúsculo, só perdendo para Lua Nova fala sério Meyer, como você pôde tirar o Edward de cena por mais de meio livro? Depois de ler o Guia Oficial da série e descobrir que Lua Nova e Eclipse não estavam nos planos originas da autora, que só tinha Crepúsculo e Amanhecer em mente, cheguei a conclusão que estes dois livros que foram colocados no meio só serviram de anticlímax ao desfecho. Só que agora que li A Breve Segunda Vida de Bree Tanner até gostei de Eclipse existir, senão teria perdido uma ótima história pelo ponto de vista de um vampiro recém-nascido!

Bree é uma personagem que aparece apenas em alguns instantes de Eclipse, e se você já leu a saga de Bella e Edward, sabe o triste desfecho da garota. Achei que isso iria tornar a leitura chata ou sem sentido, por isso relutei em lê-lo e só fui comprar agora, mais de um ano depois do lançamento.

“Para ser bem honesta comigo mesma, eu me transformara numa perfeita vampira nerd. Seguia as regras, não causava problemas, convivia com os garotos menos populares do grupo e sempre voltava cedo para casa.”

Página 35

Ledo engano meu… Fiquei grudada as páginas, exatamente como fiz em Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse e Amanhecer. Meyer é mesmo um gênio da escrita!

Já começamos o livro com uma Bree “madura” em sua vida de vampiro. Depois de ser transformada ela aprendeu que grupos do “exército” de Riley evitar e como sobreviver a esta nova vida sem chamar atenção para si.

“Pensei em como as pessoas eram estúpidas, em como não enxergavam, e me senti feliz por não ser um dos ignorantes.”

Página 23

“Eu havia terminado de ler Hale. Peguei os doze livros seguintes na prateleira; isso me ocuparia por uns dois dias.”

Página 29

Logo no início ela descobre que é possível confiar em um vampiro e faz uma parceria com Diego, o segundo no comando de Riley. Através da visão dos dois sobre os vampiros, ficamos sabendo melhor todas as artimanhas e mentiras que Victoria usou para criar o bando de recém nascidos e as táticas de controle que tinha sobre eles.

“Eu não apoiava Riley porque suas promessas soavam como mentiras.”

Página 117

“A intenção não era destruir o bando dos de olhos amarelos? A palavra chave deveria ser ‘união’, então por que ele agora acenava com um prêmio tão cobiçado, um troféu que só um vampiro poderia ter? O único desfecho garantido daquele plano seria uma humana (Bella) morta. Eu conseguiria pensar em meia dúzia de maneiras mais produtivas para motivar aquele exército. Quem matasse mais dos olhos amarelos ficaria com a garota. Quem mostrasse mais cooperação com a equipe levaria a garota. Quem cumprisse o plano mais à risca. Quem melhor seguisse as ordens. O foco deveria ser o perigo, e ele não estava na humana, definitivamente.”

Página 158

Eu passei voando pelas páginas, e a cada uma delas minha tristeza aumentava pelo desfecho que eu sabia que viria. Como Stephenie diz no seu comentário de abertura, gostaria que a história escrita fosse outra, se ela pudesse voltar, acho que não daria uma segunda vida tão breve a Bree.

“De um jeito estranho, era como se fôssemos duas pessoas casadas há muito tempo. Nunca conversávamos, mas ainda assim fazíamos tudo juntos.”

Página 131

Recomendo totalmente aos fãs da série, esta é uma leitura indispensável! Para que não leu os livros da saga Crepúsculo, eu não recomendo começarem por este, pois não irão entender um bocado de coisas.

Como sempre a Editora Intrínseca está de parabéns pela edição, por manter a capa original, que é linda e como todas as outras representa muito bem o contexto do livro.

Avaliação (de 1 a 5):

Resultado da promoção de marcadores

Olá gente. Fiz uma pequena promoção de marcadores no post de Eventos, com direito a um marcador de FMF autografado. Bem poucas pessoas participaram, mas mesmo assim fiquei feliz com o resultado pois o vencedor merece 🙂 Aliás, todos que participaram merecem, portanto todos irão receber um mimo meu!!! Podem esperar meu e-mail ok 😉

Sem mais delongas, o ganhador foi:

Parabéns Cláudia!!!

Te mandei um e-mail para perguntar teu endereço. Os outros participantes também receberam um e-mail e, se desejarem receber marcadores, e só me mandar o endereço!

Lembrando que está no ar a promoção do livro Qual Seu Número?, em parceria com a editora Novo Conceito. Participem!

Como eu leio (meme)

Este meme foi criado pela Hérida do Lendo nas Entrelinhas, e passado à mim pela Lu do TOC. Adorei as perguntas e vocês vão perceber que me diverti muito respondendo à elas!

A AQUISIÇÃO:

1- Sempre compra você mesmo seus livros ou tem anjos da guarda? Se tem, quem são eles normalmente?

Normalmente sou eu quem compra sim, todo mundo que poderia ser anjo da guarda para mim não quer desembolsar a quantia necessária para suprir meu vício! Meu namorado me presenteia com livros nas datas comemorativas, mas ele tem a mania de achar que precisa me dar coisas mais úteis (roupas?) então tenho todo um trabalho para convencê-lo.

Gasta quanto (em média) por mês em livros? Já estourou o cartão de crédito com livros? 

Acho que prefiro não responder esta pergunta…

3- Consegue livros emprestados com frequência? Se sim, quem te empresta normalmente?

Não gosto muito de pegar livros emprestados apenas porque amo colecioná-los. O processo de comprar, ler, organizá-los na estante e depois ficar horas admirando o resultado é fascinante. Tudo bem, tudo bem, eu amo mais do que tudo a sensação de comprar, é tão bom entrar numa loja, escolher vários livros, vê-los serem embalados e entregues aos meus cuidados… Mas isso NÃO quer dizer que eu seja viciada em compras, ou algo assim.

O DELEITE:

1- Lê em média quantos livros por mês? 

Leio uns 3 ou 4 por semana, mas pode chegar a 8, como vocês viram semana passada. Acho que, em média, leio de 15 a 20 livros por mês.

2- Lê em média quantas páginas num dia da semana? E nos fins de semana?

Olha, isso é bastante relativo. Dependendo de como está o trabalho, às vezes leio mais durante a semana do que no findi. Minha média de páginas por dia, este ano, está em 203 (fonte: Paginômetro do Skoob).

3- Consegue abandonar um livro no meio da leitura?

Não, se eu comprei, eu leio. Posso ser uma pessoa que gosta muito de comprar viciada jamais hein, mas não desperdiço meu dinheiro desta forma nunca. O que já aconteceu, com Eragon diga-se de passagem, foi comprar toda a coleção e não gostar do primeiro volume. Fui até o fim do livro, lutando bravamente, mas não vou ler os demais. Assim, coloco para troca no Skoob e aguardo a oportunidade de pegar outros livros. Um já foi, só faltam dois o/

O LOCAL DO CRIME:

1- Consegue ler em local movimentado? (ônibus, fila de banco)

Leio em qualquer lugar. Qualquer lugar mesmo. Ônibus graças a Deus eu não uso mais diariamente, mas não tenho problema em ler dentro dele eu até passo um pouco mal, mas não paro a leitura o.O. Gostaria de poder ler no carro pelo tempo que eu passo em congestionamentos, até dava, mas daí eu seria um perigo ainda maior aos outros motoristas!

2- Prefere ler na mesa, sofá, no chão ou na cama?

Cama, com certeza! Quem poderia gostar de ler no chão? o.O Mega desconfortável.

3- Qual a hora do dia que prefere para ler?

Não tenho preferência, qualquer hora é hora.

OS IMPEDIMENTOS:

1- É solteiro? Se não, sua namorada, noiva, esposa, te dá espaço para ler?

Tenho namorado e ele é bem tranquilo com relação a isso. Moramos juntos, mas não nos vemos muito nos dias de semana (ele estuda e trabalha em Porto Alegre, enquanto eu faço tudo isso aqui em São Leopoldo) porque nossos horários não fecham. Como tenho bem mais tempo livre do que ele, aproveito para ler. Nos finais de semana ele reclama a minha atenção, mas isso não quer dizer que eu não leia nada até porque seria impossível.

2- Lê no trabalho? Se sim, qual emprego dá essa dádiva de ler na hora de serviço?

Leio sempre na hora do almoço. Trabalho em uma empresa de calçados e além de cuidar da parte administrativa, faço modelamento e programação para máquinas que usinam aço trabalho geek. Quando o serviço está fraco (tipo essa época do ano), tenho tempo para ler, quietinha na minha mesa, o que é uma benção!

3- Já deixou de sair com a galera só pra ler aqueles capítulos irresistíveis?

Nunca faltei a um compromisso marcado por causa de um livro, mas já deixei de marca-los porque não sou das mais baladeiras e meu programa favorito realmente é ficar em casa curtindo um livro ou ver um filme com uma boa pipoca com chocolate outro vício. Mas quando digo que nunca faltei a compromisso não considero pequenos atrasos do tipo 1 hora, apenas, haha.

AS INSANIDADES:

1- Já sonhou ou teve pesadelos vivendo a história de um livro? Qual foi o livro?

Já sonhei que estava no mundo fictício de vários livros, mas o que mais me prendeu e me fez desejar nunca acordar foi o de VA. Dimka, não se vá!!! Vocês já imaginaram estar lá, cara a cara com seu personagem favorto e ter que acordar? É muito triste!

2- Qual a maior loucura que já fez ou que faria para conseguir um livro?

Bem, eu faço loucuras com meu orçamento todo mês, se querem saber… Esqueçam que falei isso, informação confidencial! Mas acho que já fui um tanto quanto desesperada na livraria aqui da cidade implorando por determinado livro eu PRECISO desse livro moço, PRECISO para hoje!!!

3- Já chorou ao terminar um livro? Foi de felicidade ou tristeza? Qual foi o livro?

Nossa, que pergunta! Claro que sim!!! Choro por tudo. Chorei horrores em Fazendo meu Filme 3, muito triste e muito lindo, chorei em A Mulher do Viajante do Tempo (idem), Tem Alguém Aí? de Marian Keyes sempre me faz chorar litros e litros, chorei de tanto rir com Perdida, O Segredo de Emma Corrigan e Samantha Sweet, chorei também lendo Lembra de Mim? o livro da Tia Sophie que mais me marcou, chorei muito nos livros de Vampire Academy porque não queria que acabasse nunca… Enfim, chorei e choro demais mesmo.

4- Já teve crises de riso lendo um livro? Qual? (Pergunta acrescentada pela Miloca)

Como já adiantei ali e cima, ri muito com Perdida, com todos os livros da Sophie Kinsella, Qual Seu Número? me rendeu ótimas risadas, ri muito com A Caçadora: Sorriso de Vampiro da Vivi Fair além de ter dado altas gargalhadas com as viagens feministas de P. C. Cast em Deusa do Mar livro que NÃO recomendo.

INDICAÇÃO:

Indico este meme para os blogs dos quais eu participo ativamente e tiverem interesse em responder as perguntinhas!

Volta ao Mundo em Sete Dias #18

Olá meus queridos! Mais um Volta ao Mundo neste sábado, com minhas novidades para vocês.

Essa semana me perdoem se faltar entusiasmo nesta postagem, mas eu realmente odeio ficar doente e andei bem mal por estes dias. A única coisa que desejo mesmo é poder ir no evento de domingo em Porto Alegre, mas nem que seja me arrastando eu estarei lá!

Passando mal é compreensível que eu tenha lido menos e dormido mais, foi o que fiz. Dormi, dormi, dormi… Chegava do trabalho as 18hs e dormia até as 22:30hs, quando era obrigada a acordar para buscar meu amado na estação de trem coisa que tenho que fazer todos os dias. Ainda estou bem dorminhoca, mas agora a gripe já está indo embora e o sono é só preguiça de quem é obrigado a acordar antes das 6hs da manhã crueldade.

Tenho uma novidade legal sobre parcerias aqui do blog, a Editora Underworld confirmou o Mundo da Leitura como um dos blogs participantes do Projeto Bolsa Blogueiro que eles lançaram recentemente! O objetivo é fornecer livros a preços mais baratos para blogueiros literários, porque a editora não tinha condições de aceitar a grande demanda de solicitações que recebiam. Achei uma boa iniciativa, visto que as editoras não têm mesmo condições de mandar material promocional a todos os blogs literários que existem. Portanto, podem esperar resenhas desta editora por aqui de agora em diante 😉

Sobre leituras… Semana passada eu havia lido oito livros, no total, então acho que fui acometida por uma espécie de mini ressaca literária. Isso somada ao fato de estar doente e ter pego um livro que eu considerei muito chato no início da semana, fizeram com que eu enrolasse com ele mais do que o habitual o.O

Por isso, essa semana li bem menos que semana passada, mas até que não foi pouco não… Depois de muito esforço e empenho, li Sheila Levine está morta e vivendo em Nova York de Gail Parent. Na sequência veio Wereworld: a origem do lobo de Curtis Joblin, um livro muito cativante, que me fez continuar adorando a temática dos lobos. Também li Glee: O Início de Sophie Lowell, que foi uma grata surpresa, pois achei bem divertido e até deu uma vontade de ver a série. Por fim, li L.A. Candy de Lauren Conrad, um livro fofo que me conquistou pela capa e que me encantou! Estou desesperada pela continuação, até porque a autora deu um daqueles finais que não completam a trama deste primeiro volume, então minha curiosidade está em alta!

É, até que não foi uma semana totalmente improdutiva. Não sei se vou conseguir ler muito nos próximos dias porque está chegando o dia do chá de fralda do meu maninho Davi e estou ajudando minha mãe nos preparativos, lembrancinhas e afins. Aliás, o chá de bebê será no dia do meu aniversário (16 de dezembro, anotem aí), então terei dois motivos para comemorar!

Sobre o correio agora, estou decepcionada com a demora dos Correios em entregar minhas encomendas! Cadê a minha caixa com os kits maravilhosos que a Novo Conceito me enviou e até agora nada? Quero meus livrinhos!!!

Recebi essa semana:

  • Arizona – Eden Maguire, é o segundo volume da série Beautiful Dead que a Benvirá lança aqui no Brasil. Gostei bastante do primeiro livro, Jonas e estou curiosa pois já ouvi dizer que este é ainda melhor.
  • O Vale do Silêncio – Nora Roberts, último volume da Trilogia do Círculo! Ah meu Deus, mal posso esperar para descobrir o final e acompanhar o romance de Cian e Moira!!!!!!!!!!!!!
  • Sociedade Secreta: Rosa & Túmulo – Diana Peterfreund, um livro que eu queria há hooooras, mas sempre estava esgotado nas livrarias. Foi super difícil de encontrar! Uma das minhas próximas leituras, com certeza.

Me despeço convidando a todos para o evento de amanhã aqui em Porto Alegre. Participem pessoal, vejo vocês lá 😉

Beijos e até a próxima.

Cressida Cowell – Como Treinar o Seu Dragão

Este é um livro infanto-juvenil que eu queria ler fazia tempos. Depois de acompanhar cada resenha positiva que a Camila sempre fazia no Leitora Compulsiva, fiquei mais e mais curiosa sobre a série. Agora tenho a oportunidade de resenhar para vocês Como Treinar o  Seu Dragão.

Primeiramente tenho que alertar: se você já viu o filme baseado nesta obra (lançado em 2010 pela Dreamworks) não se engane, porque a história de Cressida Cowell não tem quase nada a ver com a do filme. Apesar de a adaptação ter ficado linda, ela não é muito fiel à trama proposta pela autora. Comigo foi assim, vi primeiro o filme, e tive grandes surpresas ao ler a obra.

Como disse, este livro é bem infanto-juvenil com maior foco no infanto, então não leia esperando grandes questões filosóficas serem abordadas. Este é o legítimo livro de entretenimento.

Soluço é um jovem magricela, filo de Stoico, o Imenso, chefe da tribo de Vikings chamada Hoolingans. Estes Vikings dominam e convivem com dragões, utilizando-os para fins de batalha. Por isso, quando os garotos da nova geração completam doze anos são iniciados nas artes de treinar estes seres. E é assim que começa o livro, com Soluço indo para a primeira parte da iniciação na tribo: a captura do dragão.

Soluço se mostra pouco heróico logo de cara, mas muito corajoso. Mesmo sendo ironizado por todos os outros meninos, menos seu amigo Espinha de Peixe, ele consegue capturar um dragão.

Os problemas são o tamanho e porte do dragão, que calhou de ser o menor já visto naquelas bandas! E ainda por cima, o bichinho é teimoso e não quer ser treinado de jeito nenhum, além de não ter dentes!!!

A partir do encontro entre Soluço e Banguela, acompanhamos as desventuras do menino tentando treinar seu dragãozinho e se encaixar na tribo dos Hooligans. O livro é divertido e bem fininho, leitura para algumas horinhas.

O mais interessante é que ele é uma espécie de livro ilustrado, são poucas as páginas que não contenham esboços de personagens, cenas e muito mais. A autora foi extremamente criativa ao utilizar vários recursos na hora de prender a atenção do leitor.

Não posso dizer que tenha amado a história, mas foi uma narrativa boa, mesmo sendo de linguagem extremamente juvenil,  puxando para o infantil. Acho que apesar de gostar deste estilo, passei desta fase e não consegui me prender muito à história.

No geral, recomendo para aqueles que apreciam este estilo literário e gostam de uma boa aventura, pois é isso que a saga de Soluço promete ser!

Avaliação (de 1 a 5):

Previous Older Entries