Colleen Houck – A Maldição do Tigre

“Um romance delicado e uma aventura capaz de deixar o coração a mil por hora. Eu vibrei e roí as unhas. A Maldição do Tigre é mágico!”

– Becca Fitzpatrick, autora da série Hush, Hush

Ainda estou sem palavras para descrever minha surpresa com este livro! Eu fiquei encantada com esta capa desde o início, mas não esperava me envolver tanto na trama, ficando grudadas às páginas como fiquei. Quem sabe se eu tivesse dado ouvidos a Becca Fitzpatrick logo no início do livro, a surpresa não teria sido tão grande assim.

Começo esta resenha declarando que todos os fãs de YA books, particularmente aqueles que se encantaram com Crepúsculo e todos os seus derivados, mas sem excluir aqueles que detestaram a história dos vampiros, devem ler este livro. É realmente um must read, uma narrativa cativante, envolvente e emocionante.

Esta obra fala sobre Kelsey, uma garota como qualquer outra de nós, comum, que está saindo da escola e procurando empregos de verão para pagar a faculdade. Ela é órfã e mora com uma família adotiva, que cuida muito bem dela. Mesmo assim, eles não têm condições de bancar sozinhos as despesas da faculdade, por isso ela consegue um trabalho temporário em um circo que está se apresentando na cidade.

Já começo meus elogios pela ótima ambientação que a autora conseguiu dar ao mundo do circo. Mas o que eu mais percebi no começo do livro foi o quanto Colleen se preocupou em demonstrar naturalidade nas relações de família. Não gosto de livros onde os pais ficam esquecidos, geralmente parece que eles nem se importam se o filho sai por aí namorando seres sobrenaturais / salvando o mundo de ameaças alienígenas, etc. Neste não, mesmo sendo pais adotivos, eles são uma família bem normal, em que pude me ver inclusive.

Chegando ao circo, Kelsey vai conhecer a maior atração do espetáculo, o poderoso Dihren, um tigre branco fascinante. Ela imediatamente se sente atraída a ficar perto do tigre, compartilhando sua solidão. A garota lê para ele, desenha-o e passa suas horas livres ao lado da jaula de Dihren.

Depois de alguns acontecimentos inusitados, Kells vai ver toda a sua vida mudar e partir para uma aventura no meio da Índia, para salvar a alma condenada daquele misterioso ser.

Dihren, ou Ren, como ela passa a chamá-lo, é um antigo príncipe indiano, que foi traído por seu irmão Kisham. Os dois acabaram sendo amaldiçoados, vivendo sob a forma de tigre a maior parte do dia. Somente 24 minutos a cada 24 horas seriam concedidos em sua forma humana.

Preso e mantido em cativeiro, Ren não possuía nem mesmo estes 24 minutos, mas a chegada de Kelsey muda esse quadro e faz com que os dois acabem entrando em uma caçada sem igual, em busca de uma forma de quebrar a maldição.

“– Ren, por que sempre preciso segui-lo para o meio da mata? Que tal da próxima vez você me guiar até um belo spa ou quem sabe uma praia? O que me diz?

Ele fungou e continuou andando.

– Está certo. Mas você me deve uma depois dessa.

Caminhamos pelo restante da tarde.”

Página 156

O livro é contado de forma bem leve e divertida, alternando romance e tiradas sarcásticas, detalhes que eu AMO neste tipo de livro e que me deixam ainda mais admirada. Não é uma obra perfeita, algumas coisas poderiam ser melhor desenvolvidas e senti falta de certas explicações. Porém, a história de Colleen Houck é tão boa, mas tão boa, que isso acaba ficando em segundo plano quando avaliamos o todo.

“Com relutância ele me soltou e eu comecei a murmurar comigo mesma, queixando-me de tigres, homens e besouros. Ele parecia muito satisfeito consigo mesmo por sobreviver a uma experiência de quase morte. Eu praticamente podia ouvi-lo entoando para si mesmo: ‘Eu triunfei. Venci. Sou um homem, etc. etc.’ Sorri com desdém. Homens! Não importa de que século sejam, são todos iguais.”

Página 135

Kelsey e Ren são personagens maravilhosos. O Sr. Kadan, Kisham e todos os outros também não ficam para trás.

“– Bem, e como eu sei que é você de verdade? – indaguei.

Ele considerou minha pergunta por um momento e então baixou a cabeça para me beijar. Puxou-me de encontro ao seu peito, me segurando mais perto dele do que eu pensei ser possível, e seus lábios tocaram os meus. Seu beijo começou terno e suave, mas rapidamente tornou-se ávido. Suas mãos percorreram meus braços, meus ombros, e então seguraram meu pescoço. Envolvi sua cintura com os braços e me deliciei com o beijo. Quando ele se afastou meu coração martelava em resposta.

Assim que me vi capaz de falar novamente, disse:

– Mesmo que não seja você de verdade, eu fico com esta versão.”

Página 254

Sempre fui fascinada pela Índia: seus costumes, lendas e deuses são um prato cheio para construção de belas obras e incorporar tudo isso à um livro young adult foi uma jogada de mestre da autora. Ficou incrível, sem ser repetitivo ou chato. Gostei muito das passagens sobre a deusa Durga e a religião do país.

Isso tudo sem falar no romance tão bem explorado e desenvolvido. Kells, apesar de ter cometido muitas burradas do meio para o fim e ter me deixado morrendo de raiva, não é uma boba sonhadora. Muito pelo contrário, no geral sempre tem os pés no chão. A única coisa ruim é que ela parece ter incorporado Bella Swam no final do livro com todo aquele complexo de: “eu não mereço alguém como ele” e etc.

“Eu o fitei atônita. Ele era, para ser sincera, muita areia para o meu caminhãozinho. Eu jamais considerara a possibilidade de um relacionamento com ele. Sua pergunta me forçou a reconhecer que meu tigre de estimação, com quem eu me sentia totalmente à vontade, era, na verdade, um modelo de masculinidade.”

Páginas 168 e 169

Acho que me apaixonar por ele seria como mergulhar em um precipício. Seria ou a melhor coisa que me aconteceria ou o erro mais idiota que eu cometeria. Faria com que minha vida valesse a pena ou com que eu me chocasse contra as pedras e me arrebentasse completamente.”

Página 261

“Ren permaneceu calado por um momento.

– O que está querendo dizer?

– Estou dizendo… que eu sou o rabanete.

– E eu sou o que? O banquete?

– Não… você é o homem. Só que… eu não quero ser o rabanete. Quem quer? Mas sou realista o bastante para saber o que eu não sou e eu não sou um banquete. Quero dizer, você poderia estar comendo bombas de chocolate, pelo amor de Deus.

– Mas não rabanete.

– Não.

– Mas e se… – Ren fez uma pausa, pensativo – … eu gostar de rabanete?

– Você não gosta. Só não conhece nada melhor. (…)”

Páginas 321 e 322

Sobre o final, Colleen sua malvadinha, como foi nos deixar nesta angústia? Estou mais do que desesperada para ler O Resgate do Tigre, que segundo a Editora Arqueiro será lançado no primeiro semestre de 2012.

Seja pela capa e edição maravilhosas que a editora publicou, ou pela trama envolvente, este é um livro que vale à pena ser lido e que eu recomendo demais.

Avaliação (de 1 a 5):

17 comentários (+add yours?)

  1. Luciana Mara
    Nov 22, 2011 @ 07:32:13

    Ei Adriana!

    Eu já estava com vontade de ler este livro (pela capa, admito!), mas sua resenha me fez querer lê-lo pela história.

    Eu não gosto muito de histórias com circo, mas o sobrenatural deste livro é diferente dos que tenho visto por aí.

    Agora fico sem saber se compro e leio ou se espero sair o próximo volume.

    Bjins

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Nov 22, 2011 @ 14:20:24

      Hey Lu!
      Sim, a capa nos conquista de longe né =P
      Mas a história é fantástica e vale a pena total ler A Maldição do Tigre!!!
      Na verdade não tem muito a ver com circo não, só os primeiros capítulos são lá, depois vamos para a Índia🙂

      Beijos

      Responder

  2. Juliana
    Nov 22, 2011 @ 10:57:36

    Sua danadinha, fiquei morrendo de vontade de ler esse livro, a historia me agradou muito e sua resenha ficou maravilhosa, nem sei mas para quem pedir livros de presente de natal, minha lista tah enorme. Beijos.

    Responder

  3. Gabriele
    Nov 22, 2011 @ 13:06:57

    Oii,

    Já que é um must read, vai para a listinha haha. Vou seguir o teu conselho e o da Becca e ler o livro. Eu vi ele na livraria e achei a capa magnífica, muito linda. Mas já tinha três outros na mão e seria demais. Mas eu quero muito ler!!

    Gabi

    Responder

  4. Lucas Martins
    Nov 22, 2011 @ 18:04:31

    Sério que é tão bom???
    Eu sabia que era bom, mas nunca tinha visto resenha tão positiva! (Até a Becca gostou! Rrsrs) Agora fiquei chateado, porque quero ler. Rrsrs!
    A resenha está Ó-T-I-M-A! Eu adorei as quotes! *-*
    Agora vou ter que furar a fila para ler e comprar A Maldição do Tigre!
    Bjão!

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Nov 22, 2011 @ 18:07:53

      Eu amei Lucas! Mas é meio aquela coisa de Ecos da Morte, meninos podem variar de opinião, hahaha =P
      Leia mesmo, eu super recomendo😉 Nem me fala em quotes, ainda tinham várias! Meu exemplar tá todo marcado!!!

      Beijos

      Responder

  5. ivana
    Nov 24, 2011 @ 09:08:37

    EU JÁ LI EM 04 DIAS E ADOREI ESTOU AGUARDANDO ANSIOSA O SEGUNDO E TB O TERCEIRO LIVRO DA AUTORA É DE+++++++++
    IVANA

    Responder

  6. Claudia
    Nov 25, 2011 @ 19:18:16

    Eu nem sabia que era um YA, que demais, ela conhece um tigre, isso é bem original, vou ter que ler🙂 ainda mais se é tão bom.

    … demonstrar naturalidade nas relações de família.

    é mesmo, muitas vezes os pais só existem na teoria, nem tem papel algum na vida dos filhos.

    Responder

  7. Diogo
    Nov 25, 2011 @ 23:39:38

    Sim, mas que caba é essa? A estória poderia ser péssima, mas a capa me conquistou!

    Porém, entretanto, todavia, depois de ler a resenha, assim que aparecer a próxima promoção (é, eu adoroooo promoção…hahaha), eu vou comprar esse livro!

    Parabéns por mais uma ótima resenha!

    Responder

  8. ツ Ana Death Duarte ツ (@anadeathduarte)
    Dez 19, 2011 @ 04:37:32

    Vim ler sua resenha (pq esse livro é maravilhoso, neh? *.*)

    “Não gosto de livros onde os pais ficam esquecidos, geralmente parece que eles nem se importam se o filho sai por aí namorando seres sobrenaturais / salvando o mundo de ameaças alienígenas, etc. Neste não, mesmo sendo pais adotivos, eles são uma família bem normal, em que pude me ver inclusive.”

    Adorei isso também, como apontei na minha resenha. Algo incomum em YA, e ponto alto de A maldição do tigre, a família dela, mesmo adotiva, gosta dela! =]
    🙂 Também estou ansiosa pela continuação! Se antes eu não entendia pq precisava de 5 livros para contar a história, depois dessa primeira etapa … deu pra sacar que parece que ela estruturou a história direitinho…🙂

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Dez 19, 2011 @ 09:26:51

      Oi Ana!🙂

      Nem me fala, que livro perfeito *-*
      E o negócio dos pais adotivos dela foi uma das coisas que eu mais gostei, a autora conseguiu sair dos clichês nessa parte!

      Ahhh, todo dia eu falo com o pessoal da Arqueiro implorando pelo lançamento de O Resgate do Tigre!!! Quero loooogo!

      Beijos

      Responder

  9. Teresa Cristina do Nascimento
    Mar 12, 2012 @ 19:17:05

    Parece que é uma Saga não é….? então quando terminar de ler o Resgate do Tigre, vem o desespero pela continuação, essa Saga é linda demais, estou desesperada pra chegar logo Maio, não vejo a hora, até lá começarei a ler A Maldição do Tigre de novo…rss

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: