Carol Sabar – Como (quase) namorei Robert Pattinson

Antes de começar a resenha, tenho duas considerações a fazer. A primeira é bem simples: eu gostei desse livro. A segunda é um pouco mais complexa: tenho visto muitos casos de resenhas a respeito de livros brasileiros que, como irei dizer, suavizam todos os erros, problemas ou aspectos negativos da obra em questão. Eu concordo que devemos apoiar os escritores nacionais, que eles têm menos incentivo para publicação, que as editoras não revisam tão bem, etc. Porém, em primeiro lugar vem o compromisso que todo resenhista tem com vocês, leitores, de escrever com sinceridade a sua opinião sobre qualquer livro. Isso independe de nacionalidade, gênero, ou qualquer outro fator e fico muito triste quando vejo tantos casos de blogueiros sendo desrespeitados por dar sua simples opinião.

Como podem ver, refleti bastante sobre o assunto antes de vir aqui escrever essa resenha. E isso tem um motivo, claro. Estou lendo tantos comentários maravilhosos, derramados em elogios sobre a perfeição desta obra de Carol Sabar, que fiquei bastante preocupada quando percebi que tudo que eu precisava e pretendo dizer aqui pode vir a ser mal interpretado. Mas enfim, não há nada que eu possa fazer além de escrever o que achei do livro.

Como (quase) namorei Robert Pattinson é um livro que eu não leria em um primeiro momento. O título me remeteu àqueles livros que embarcam na onda de grandes sucessos e que não tem nenhuma história nova para contar. Porém, depois de ver uma mobilização tão grande da blogsfera, tantos elogios e conhecer a sinopse e do que se tratava a história, fiquei bastante empolgada para lê-lo.

Essa é a história de Duda, uma jovem de 19 anos que é super fã da saga Crepúsculo. Ela é, como se autodenomina, uma Crepuscólica, que vive e respira para essa história de vampiros. Infelizmente, ela acaba deixando de lado a vida real por causa disso. Quase não sai com seus amigos e não namora porque nenhum cara que conhece pode chegar aos pés da perfeição do Sr. Robert Cullen ou Edward Pattinson.

Isso é uma coisa que começou a me incomodar logo no início do livro, Duda mistura o personagem divinamente construído por Stephenie Meyer com o ator de Holliwood que, na minha singela opinião, não tem nem ¼ da beleza e maravilhosidade do Edward no papel.

Não há como negar que a protagonista é muito engraçada e torna a trama super divertida e até hilária em certos pontos. Duda é muito fanática e tem diversos diálogos internos surpreendentes. Um exemplo de sua mente fértil é o capítulo inicial do livro, em que ela está em uma praia deserta, com Robert Pattinson passando bronzeador em suas pernas e uma “caipirosca de limão geladinha” ao lado.

O livro segue contanto sobre o intercâmbio de Duda, sua irmã e mais duas amigas, que moram juntas e vão passar uma temporada em Nova York para estudar inglês. Lá ela acaba fazendo novos amigos, e entre ele está o fofíssimo Pablo. Ele é um amor de pessoa, um gato e disposto a tudo para conquistar o coração de Duda. Mas não importa o quanto ele se esforce, ela só pensa no personagem-ator de Crepúsculo.

E assim que ela conhece seu vizinho e descobre que mora ao lado de um sósia praticamente idêntico à RP, toda a razão vai por água a baixo e ela só pensa em Miguel, Miguel, Miguel.

Apesar de estar na cara que tem algo errado com o gato, possuidor de um Volvo prata, devo dizer, Eduarda não se importa nem um pouco. Deixa de lado Pablo e as amigas e só se preocupa mesmo em encontra-lo (pois ele está sempre fora) e em estar em sua companhia.

Logicamente essa fissuração garante boas risadas ao leitor e muitas situações divertidas. Duda é daquelas personagens que sempre mete os pés pelas mãos! E como o livro é bem extenso, podem contar com várias reviravoltas, surpresas e fortes emoções.

Isso é um quesito que poderia ter sido melhorado no livro. Achei que ficamos muito tempo dentro da cabeça de Duda, acompanhando suas ideias mirabolantes. Por vezes virei umas oito páginas e não saía das divagações dela, o que tornou a narrativa extremamente maçante nesses pontos. E como não sou do tipo paciente que aguenta várias reflexões que não levarão a lugar nenhum, lá vai a Adriana fazer uma leitura dinâmica (só correndo os olhos por cima do texto até chegar em algum diálogo).

O outro ponto que eu mudaria trata-se da história em si. Acho que a Carol quis fazer um contraponto entre Edward – Miguel e Pablo – Jacob. Entretanto não acho que isso tenha funcionado e não conseguiu me convencer nem um pouquinho. Eu, sinceramente, não consegui entender e muito menos gostar do final.

Achei que ficou tudo muito sem sentido nos últimos capítulos, como se as cenas e acontecimentos fossem jogados no livro sem propósito. Não sei se conseguirei me expressar claramente, mas senti como se a trama tivesse se perdido no meio de tanta enrolação e problemas apresentados. É raríssimo eu conseguir perceber esse tipo de coisa, tanto que minhas avaliações sempre puxam pro lado do positivo neste tipo de gênero literário. Mas não tem como eu não falar francamente aqui se terminei o livro com essa opinião gritanto em minha mente.

Isso não quer dizer que eu não tenha gostado do livro, volto a dizer. Foi uma leitura muito gostosa e leve, mas não conseguiu passar de um bom na minha humilde avaliação.

Não posso deixar de dar os parabéns à Editora Jangada pela capa e projeto gráfico do livro, que ficou uma beleza. Não consegui encontrar muitos erros durante a leitura e as páginas são amarelas com letras bem agradáveis ao leitor (nada daquelas letras miudinhas). Também preciso dar os parabéns à autora, que conseguiu lançar um livro totalmente inovador no gênero e que demonstra muito talento da parte dela. Apesar de não ter amado o livro, ficou claro que Carol Sabar pode lançar muitas obras de sucesso ainda, pois tem o dom de escrever bem um estilo bastante difícil e disputado, o chick-lit.

Considerações a parte, só me resta recomendar a obra aos amantes do gênero e a todos que estão na dúvida e desejem tirar suas próprias conclusões.

Avaliação (de 1 a 5):

Anúncios

13 comentários (+add yours?)

  1. Gabi
    Jan 23, 2012 @ 09:48:27

    Oi!
    Então, temos a mesma opinião sobre esse livro! Também dei 3 estrelas e também acho que elogiar um livro só porque é nacional, é ridículo. Afinal, quantas vezes o povo detona com livros americanos? Para mim é a mesma coisa, se eu gostei eu elogio, se não, não posso mentir na resenha.

    Concordo com todos os comentários que tu fizeste. A Duda me estressou um pouco também… Acho que ser fã é uma coisa, ser viciada é outra. Enfim, o livro não é ruim, mas eu não amei.

    Gabi

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Jan 24, 2012 @ 19:58:43

      Oi Gabi!
      Pois é, concordo totalmente com vc! Patriotismo nessas horas não dá, a sinceridade e respeito aos leitores vem acima de tudo!!!
      E eu sempre acabo tendo uma dificuldade de me ligar a livros com personagens irritantes, a Duda não fugiu a regra!

      Beijos

      Responder

  2. Fernanda Assis (@nandaassisbh)
    Jan 23, 2012 @ 10:43:48

    Ei Adriana,

    Concordo com você, eu também sempre estou lendo livros nacionais para o projeito autor nacional com o mesmo problema.Só vejo resenhas falando maravilhas e quando dou 3 o povo acha um absurdo.
    Acho que não adianta nada falar que amou para depois o leitor ir lá com expectativas astronômicas e se decepcionar. Claro que tem aqueles que amaram mesmo, gosto não se discute, mas sempre procuro falar os pontos positivos e negativos.

    bjos

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Jan 24, 2012 @ 20:00:36

      Oi Nanda!
      Pois é, para vc deve ser ainda mais difícil, porque várias vezes vejo vc resenhar livros de autores que são até amigos, mas mesmo assim, sempre dá pra perceber a sinceridade das suas resenhas 🙂
      Pois é, acho que o objetivo do blog é direcionar o leitor à determinado tipo de leitura que ele curte, mesmo que pra mim tenha sido uma obra mediana, para outros pode ser ótima!

      Beijos

      Responder

  3. Luciana Mara
    Jan 23, 2012 @ 19:27:58

    Ei Adriana!

    Eu também gostei do livro. Não é uma obra-prima, mas me diverti bastante.
    O final é meio corrido mesmo e eu até gostei dele, mas [SPOILER] torci pelo Pablo o tempo inteiro.

    O que me incomodou foi a imaturidade da personagem principal. Ela poderia ter 15 anos (no máximo).

    Eu dei 4 estrelas. Tô boazinha…

    Bjins

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Jan 24, 2012 @ 20:08:30

      Oi Lu!
      Pois é, falou tudo que eu pensei “Não é uma obra-prima, mas me diverti bastante”.
      [SPOILER] No final fiquei que nem vc, torcendo o tempo todo pelo outro!!! [FIM DO SPOILER]

      Ah, também achei que a Duda parecia ter uns 14 ou 15 anos o.O

      Hahaha, eu não tava tão boazinha no dia, não consegui avaliar como mais do que bom =P

      Beijos

      Responder

  4. Lucas Martins
    Jan 23, 2012 @ 19:46:49

    Ahh, concordo completamente com você nesta questão sobre os livros nacionais. Uma coisa é incentivar a leitura dos livros brasileiros, outra é esquecer de avaliar enredo/erros ortográficos/personagens/escrita e etc. Temos tantos livros bons, que as editoras não valorizam e deixam esses erros passarem reto….
    Mas, após ver outras resenhas não tão positivas, perdi aquela coisa de “PRECISO LER”. Pedi para a editora, mas não tem em estoque, então com certeza não vou comprar, o que não quer dizer que não leria.
    O livro tem uma história bem legal, acho que me divertiria, mas não gosto de protagonistas chatos. Simplesmente não dá.
    E que estranho isso de “Robert Cullen e Edward Pattinson”… Vishi! Hahha!
    Bjão!

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Jan 24, 2012 @ 20:10:49

      Oi Lucas!

      Ai que lindo receber tanto incentivo! Pena que quando colocar essa resenha no Skoob tenho certeza que os fãs desesperados irão me apedrejar, hahaha =P
      Pois é, acho que também não compraria… Se a gente embarca na onda e se derrama em elogios, depois o povo compra e acaba se decepcionando, por isso já fui sincera na minha opinião 😉

      Beijos

      Responder

  5. Claudia
    Jan 24, 2012 @ 10:29:26

    Oi Adri

    Sabe que no começo do blog eu suavizei umas duas resenhas (lembro bem delas pois depois reescrevi hehe), mas assim mesmo na primeira postagem apontei os erros grotescos de continuação e edição e dei a nota que achava. Igual tenho revisado as resenhas velhas (relendo tudo) – algumas eram uns bilhetes … até apaguei – tem várias que não gosto, não acho boas o suficiente para estarem postadas, e quero me orgulhar do meu blog né? e mante-lo fiel a mim e aos leitores. Concordo com você sobre apoiar, mentir não ajuda em nada, claro que por outro lado tem gente que se perde e faz textos detonando quando na verdade não curte aquele gênero.

    Esse livro não despertou o meu interesse, por causa do fanatismo, não me identifico com isso de largar a vida por algo impossível, e o lance que você falou de embarcar na moda do momento.
    Achei a sua resenha excelente, dá uma boa ideia geral, é sincera mas não maldosa 🙂

    Bjuss

    Responder

    • Mundo da Leitura
      Jan 24, 2012 @ 20:21:02

      Oi Cláudia! Eu também fiz isso no início do blog, mas agora já deu pra aprender uma ou duas coisinhas, hehehe =P

      Sabe que eu também tinha que dar uma “limpa” nas minhas resenhas, algumas dão até vergonha, HAHAHA!
      Pois é, a menina não vive no mundo real, só quer saber de um personagem que não existe ¬¬

      Ain que lindo, minha resenha não ficou tão ruim, hehe 🙂 É sempre bom receber um comentário desses vindo de uma resenhista experiente, é ótimo saber também que não fui maldosa, pois não era a intensão de modo algum!!!

      Beijos

      Responder

  6. Camila - Leitora Compulsiva
    Jan 26, 2012 @ 08:30:20

    Oi Adri,
    Desde o momento em que vi esse livro, já sabia que ele não passaria nem perto da minha estante! Isso porque não consigo acreditar que um livro, que precisa se promover com um título desse, possa ser bom!
    Sério mesmo… Eu sei que é um grande preconceito da minha parte, mas será mesmo que a autora precisava criar uma história sobre um ator de verdade, que está na moda?
    Bom, estou fora!!
    Beijos
    Camis

    Responder

  7. Lady
    Set 02, 2012 @ 18:03:45

    Olá. Sou Portuguesa e estive no Brasil muito recentemente. Tinha visto este livro numa livraria e achei NECESSÁRIO levá-lo para dar de presente a uma amiga (que, como todas nós, se divertiu muito com a má qualidade de Crepúsculo e associados) Então fui à Bienal de São Paulo e lá estava ele com 30% de desconto!

    Estou a escrever uma opinião no meu próprio blog (naomeapetecestudar.blogspot.pt) e gostei muito de ler a tua opinião. Não conheço muitos autores brasileiros contemporâneos e este livrinho deu para uma viagem de comboio muito bem passada! 🙂

    Responder

  8. Esther
    Ago 04, 2015 @ 18:39:20

    Acabei de descobrir o blog, mas já gostei!!!!!!! Concordo com vc sobre ser preciso falar a sua impressão sobre o livro sem poupar por ser de uma autora brasileira. Fiquei curiosa pra ler o livro. Vou continuar por aqui.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: