Diana Peterfreund – Tap & Gown

“Por meio desta eu confesso:

não resisti à curiosidade e li o livro em e-book!”

Sim caros leitores, essa história é tão viciante que eu não tive outra opção! Em um belo dia eu estava viajando nos meus arquivos do computador quando me deparei com vááááários e-books que eu havia baixado há muito tempo e que, depois de começar o blog e me conscientizar do ganho que é ter o livro impresso, nunca mais tinha lido. Entre estes e-books estavam inúmeros livros que eu acabei comprando, mesmo tendo as cópias digitais em casa. No meio deles, uma pastinha chamada Sociedade Secreta, que eu nem sabia da existência, me chamou a atenção! Quando abri, lá estavam, reluzentes, os arquivos dos quatro livros!!!

Eu sei, cedi à tentação! Mas tentem entender: eu tinha acabado de ler Ritos de Primavera e estava louca pra saber o que ia acontecer! Ainda fiquei adiando por duas semanas, mas no fim abri o PDF e fui à luta (ou à leitura se preferirem)!

Pode conter spoilers para quem não leu os volumes anteriores. Para acessar as resenhas dos mesmos, clique sobre os títulos abaixo:

A formatura de Amy Haskel está chegando, e com todas as provas, trabalhos e sua vida intensa como Coveira, ela ainda tem que arranjar tempo para dedicar ao seu namorado! Isso mesmo, o improvável aconteceu e Bogaboo, a safadinha, finalmente sossegou com um cara legal que gosta dela de verdade (e que eu amo, por sinal).

Mas o mote central do livro, além do romance logicamente, está nas convocações do C177 para o próximo clube da Sociedade. Cada um dos membros deve indicar quem serão seus substitutos e formarão o novo grupo de Coveiros da Rosa & Túmulo. Porém, Amy tem uma difícil escolha entre os neófitos disponíveis. E ela se vê em um dilema mortal: convocar uma pessoa legal que vai trazer algo útil à R&T ou ceder à pressão dos patriarcas e convocar um legado (legados são filhos de membros da Sociedade, só para vocês saberem)?

E essa não é a única dificuldade porque depois de tantos escândalos envolvendo a Sociedade no último ano, as chances de que a resposta à famosa pergunta “Rosa e Túmulo, aceite ou rejeite” sejam negativas são grandes!

Em meio a todo esse caos, Amy tenta decidir que rumos sua vida levará agora que a faculdade está se encerrando. Ela acredita que não tenha futuro ao lado do namorado, mesmo estando clara sua paixão por ele (e a reciprocidade da mesma).

As cenas fofas compartilhadas pelo casal são lindas, eu amei! Mas é claro que nem nesse âmbito a vida da Srta. Haskel é um mar de rosas! Muita confusão se desenrola ao longo do livro, com direito a vários ex atrapalhando o caminho dos dois e muito mais…

Tap & Gown, até onde vai o meu conhecimento, é o último volume dessa série maravilhosa escrita por Diana Peterfreund e só tenho a dizer que encerra de forma magnífica a trama.

Com certeza recomendo Sociedade Secreta à todos que desejem um leitura divertida, sensual, envolvente e cativante! Ótima pedida de YA book, espero que a Galera Record tome vergonha na cara e lance este livro ainda esse ano!!!

Avaliação (de 1 a 5):

Anúncios

Marian Keyes – A Estrela Mais Brilhante do Céu

Este livro faz parte do Desafio Realmente Desafiante, para ver a lista completa do desafio, clique sobre ele.

Bem Marian Keyes salvou meu mês de janeiro por ter nascido na Irlanda, que graças a Deus é um país EUROPEU, hehehe! Todo o ano, eu, assim como milhares de outros leitores super fãs, aguardo ansiosamente a chegada de dezembro para ler o mais novo sucesso dessa escritora maravilhosa!!!

Por ser a primeira resenha de um livro dela que faço para o blog (embora eu já tenha comentado que meu livro favorito é Tem Alguém Aí?! diversas vezes), quero contar minha história de amor com essa irlandesa genial que nos presenteia com tantas obras lindas.

Um belo dia, quando eu ainda era criança, ou uma pré-adolescente se vocês preferirem, não sei por que cargas d’água eu tinha bastante dinheiro na minha bolsinha de contas. Quando digo bastante quero dizer uns R$ 80,00, que era uma fortuna para uma pré-adolescente que não fazia nada da vida a não ser estudar. Mas como sempre acontecia nestas raríssimas ocasiões, eu fui na livraria da universidade (em que atualmente estudo e onde minha mãe sempre trabalhou, então era normal eu perambular por lá) e me pus a analisar as estantes. Lá no fundo, um livro na seção de adultos me chamou a atenção pela capa rosa muito fofa.

Eu já tinha lido praticamente tudo da seção infantil e infanto-juvenil, então me peguei a analisar o livro gigante (mais de 500 páginas), com um título curioso: Casório?! Não deu outra, levei-o para casa (mesmo pagando R$ 60,00) e foi amor a primeira página.

O livro era maravilhoso e imediatamente soube que precisava ler tudo que Marian houvesse lançado. Para minha alegria, a biblioteca da supracitada faculdade tinha mais uns 3 ou 4 livros dela, sendo que comecei pelo mais famoso e primeiro que ela escreveu: Melancia. Depois dele vieram Férias (o segundo maior amor do meu coração), Sushi, Los Angeles e É Agora… Ou Nunca. Uns eram ótimos, outros muito bons, mas tudo que eu sabia é que suas histórias me deixavam alegre, me davam esperança e motivação. Aprendi cedo com os livros dela a reconhecer problemas terríveis que assolam nossa sociedade, mas tudo isso foi um aprendizado muito válido e me fez amadurecer bastante.

E hoje, depois de ler todos os livros publicados por ela, venho resenhar A Estrela Mais Brilhante do Céu, o mais original até o momento. Começamos a obra conhecendo o número 66 da Star Street, um prédio de apartamentos com moradores muito diferentes. Somos apresentados a eles por um “ser”, que o leitor não sabe do que se trata até o fim do livro. Seria um fantasma, um espírito, a morte? Não sabemos, mas podemos acompanhar suas divagações enquanto ele tenta entender aquele grupo curioso de pessoas e chegar à conclusão de qual deles é o motivo de sua visita.

Ao longo do livro temos uma contagem regressiva, 61 dias é o prazo do “ser” misterioso, mas o que vai acontecer no final fica em suspenso. Assim, acompanhamos a vida de Matt e Maeve, um casal que tem seus corações batendo no mesmo compasso, embalados pelo amor compartilhado logo de cara pelo leitor. Mas será que seria mesmo amor o que acontecia com aquele casal?

Também conhecemos Katie, uma mulher bonita, que acaba de entrar na fase dos 40 e que namora um workaholic que nunca tem tempo para ela, Conall. Ele é um verdadeiro sem noção na maior parte do livro e muitas vezes me chocava com suas atitudes. Porém, confesso que dei boas risadas com seus esquisitices!

Também temos um tempero extra no livro: Lydia, que aluga o apartamento com dois poloneses, Janco e Andrei. Ela é uma pimenta, mas tem motivos muito fortes para o comportamento explosivo, como vamos descobrindo ao longo das páginas.

E por fim, mas muito importante, conhecemos Jemima, uma velha senhora de 80 anos que vai receber seu filho Fionn para morar um tempo com ela. Seu cachorro Rancor é quem vinha lhe fazendo companhia e não gosta nada, nada da chegada do intruso. Jemima e Fionn tem uma história muito curiosa, enquanto este último foi um personagem bastante difícil de decifrar. Achei que ele até ficou meio deslocado no fim do livro, como se não tivesse espaço para sua história.

Estas pessoas, que na superfície parecem comuns ou com vidas simplórias, vão as poucos desvendando segredos e nos mostrando tanto a beleza como o horror de suas vidas. Eu fiquei simplesmente tocada com o livro.

Sabem aquela leitura que você termina sorrindo, que te deixa feliz e com esperança de dias melhores? Este livro é totalmente assim! Não é a toa que Marian cita na contracapa sua felicidade com a mensagem que passou no livro.

Eu recomendo totalmente, estes são livros considerados chick-lits, mas que abordam temas muito mais profundos e complexos! Em A Estrela Mais Brilhante do Céu você irá sorrir e chorar, se surpreenderá com a força da vida e com a fé no amor e verá que todo o problema sempre tem uma solução (mesmo que esta seja um bloco de gelo caído do céu, hehehe)!

Para finalizar, meus livros preferidos da autora continuam sendo Tem Alguém Aí?! e Férias! mas A Estrela Mais Brilhante do céu com certeza vem logo após estes, uma obra mágica que você deve ler!

Avaliação (de 1 a 5):

Livros Desejados #7

Resgatada do fundo do baú, livros desejados é uma coluna onde eu mostro quais os livros que estão no topo da minha lista de compras! Confiram abaixo:

Silêncio – Becca Fiztpatrick

Não é por acaso que este é o primeiro da lista! Eu simplesmente necessito saber qual é a dessa continuação!!! Sério, depois do final OMG de Crescendo, vou surtar se não obtiver o livro logo!

A Dieta das Chocólatras – Carole Matthews

Eu amei O Clube das Chocólatras e sempre quis muito ler a continuação. Este é o livro do mês de janeiro do DL 2012, cujo tema é culinária, então tenho que me apressar em lê-lo!

A Sociedade Secreta da Bola de Cristal Cor-de-Rosa – Risa Green

Este livro será minha primeira leitura do Debut Author Challenge e pretendo lê-lo ainda este mês. A sinopse é promissora e a capa, muito fofa!

Príncipe Sombrio – Christine Feehan

Outro livro que estou me coçando para comprar! Falando sério, eu AMO esses romances sobrenaturais maravilhosos que a Universo dos Livros lança!!!

Ele diz sim, ela diz não – Jeff Kahn e Annabelle Gurwitch

A capa me chamou a atenção em uma das minhas visitas à Saraiva e, depois de ler essa resenha da Vivi – blog Recanto da Chefa – eu definitivamente preciso ler!

Volta ao Mundo em Sete Dias #25

Olá queridos leitores!

Mais um sábado chegou e com ele uma voltinha pelo mundo da leitura 🙂

Essa semana foi de organização depois da viagem, muito trabalho, muitas contas pra pagar, etc… se bem que essa última parte é até melhor esquecer né 😛

O bom de estar de volta é que aqui, incrivelmente, tenho mais tempo para me dedicar aos meus livrinhos não lidos, cuja pilha começa a ficar assustadoramente grande!!! Essa semana eu li:

  • A Estrela Mais Brilhante do Céu – Marian Keyes
  • Tap & Gown – Diana Peterfreund
  • Não sou este tipo de garota – Siohban Vivian
  • A Caminho da Sepultura – Jeaniene Foster
  • E, no momento, estou lendo Como (quase) namorei Robert Pattinson – Carol Sabar.

Sério, adorei todos eles!! A Marian, como sempre, me surpreendeu muito com o livro novo, que é lindo! Não resisti à espera absurda pela qual a Galera Record está fazendo os leitores da série Sociedade Secreta passar e li o último volume em e-book… Sim, eu sei que é moralmente errado. Porém me consolo em saber que sempre que recorro à este tipo de leitura acabo comprando a obra quando é lançada aqui. É uma forma de dar os devidos créditos ao autor, coisa que considero fundamental.

Não sou este tipo de garota me surpreendeu positivamente porque não esperava quase nada do livro e acabei me ligando  bastante à história. Li super rápido e gostei muito da mensagem que ele passa. Não é nenhum must read, mas recomendo o livro aos apreciadores do gênero. Já A Caminho da Sepultura foi a melhor leitura desse ano até o presente momento!!! Amei o livro, amei os personagens e amei a história. Mais elogios na resenha, a ser publicada em breve.

Sobre Como (quase) namorei Robert Pattinson, tudo que tenho a dizer é: hilário! Estou adorando o livro, super engraçado e divertido! A protagonista é muito original e cativante, por enquanto, livro recomendado!

Quando voltei de viagem, estavam a minha espera alguns pacotes (adoro) que os correios haviam entregado ô/ Nada melhor do que chegar em casa e encontrar vários deles esperando!

De trocas no Skoob, recebi:

  • Escola de Espiãs – Ally Carter
  • Estrela da Noite – Alyson Noel
  • Infinito – Alyson Noel
  • A Caminho da Sepultura – Jeaniene Foster

Também fiz uma troca de marcadores, e a fofa da Daiana – colunista do blog Diário de Uma Leitora Compulsiva – que me mandou essas belezinhas *-* Amei todos, muito obrigado querida!

Bem, por hoje era isso! Agora preciso correr pois hoje é o segundo Chá de Fralda do Davi, meu futuro irmãozinho, o qual não vejo a  hora de conhecer *-* Chega loooogo março!!!

Beijos e até a próxima semana 🙂

Ken Follett – Queda de Gigantes

Queda de Gigantes, romance de audaciosas 912 páginas, é o primeiro livro da trilogia O Século. Conhecemos através dele os acontecimentos do primeiro terço do século XX, cujo mote central está na Primeira Grande Guerra (ou Primeira Guerra Mundial, como passou a ser conhecida depois) e também na Revolução Russa, que pode ser considerada uma das consequências da guerra.

Bem, vocês já devem ter a ideia clara em suas mentes leitoras de que este é um livro para pessoas que apreciem profundamente a história mundial. Quem não gosta deste assunto, não gostava ou gosta, embora duvide muito que quem está na escola vá ler o livro dessa matéria, dificilmente conseguirá chegar às duzentas páginas, que dirá ao final da obra.

Eu, por outro lado, sempre fui fã do assunto, principalmente a parte que diz respeito à história moderna: os detalhes das Grandes Guerras sempre me fascinaram. Embora não goste de gravar datas, saber como foi que as coisas se sucederam é extremamente satisfatório para minha mente curiosa.

O fato de ter mais de 900 páginas não quer dizer que o livro é uma narrativa monocórdia e exaustiva dos fatos da guerra, muito pelo contrário. De forma brilhante, devo salientar, o autor conseguiu contar uma série de fatos relevantes: os detalhes históricos e muitos  protagonistas reais, envolvendo-os em um romance ficcional que retrata a vida de cinco famílias.

Na Grã-Bretanha conhecemos a família Williams. O pai é um sindicalista, o filho, Billy, trabalha em uma mina de carvão e a filha mais velha, Ethel, trabalha na casa do conde Fitzherbert, dono das terras onde eles moram.

Também acabamos por conhecer a família Fitzherbert, cujo patriarca, o conde, tem uma crença profunda na imutabilidade das classes sociais. Para eles os pobres sempre foram e sempre serão inferiores. Ele é casado com a chatíssima princesa Bea, uma russa que tem tanta beleza quanto frieza em seu coração. Em contraponto à eles, e para salvar a família na minha opinião temos a irmã do conde, uma jovem feminista, que defendo os direitos das mulheres ao voto e cuida de um programa que assiste mães solteiras em Londres.

Nas ruas de Moscou conhecemos Grigori Peshkov, um russo que tem o sonho de ir morar na América arruinado pelo seu irmão inconsequente, Lev Peshkov. Forçado a ficar em seu país, ele acaba sofrendo as consequências dos dias difíceis que estão por vir, enquanto Lev continua ainda mais irresponsável nos Estados Unidos.

É deste país que vem Gus Dewar, assessor do presidente Woodrow Wilson. Ele é um jovem que terá muita influência sobre os acontecimentos futuros, e acompanhamos suas experiências tanto no campo diplomático quanto na vida pessoal.

Para finalizar, da Alemanha, cujo ponto de vista não poderia faltar por motivos óbvios, vem Walter von Ulrich, um jovem idealista, cheio de sonhos e desejos que estão prestes a ser adiados (ou destruídos) pela guerra.

Cada um deles, seus familiares e pessoas próximas, acabam nos contando suas histórias. Conhecemos seus sonhos, medos, desejos mais íntimos e mergulhamos em uma intrincada rede que acaba por conectá-los em um dos eventos mais marcantes e tristes da história da raça humana.

Como pudemos chegar ao ponto onde o orgulho, puro e simples, arrastou milhões de pessoas para a morte cruel e sangrenta, sem honra, sem motivo e sem explicação?

Ken Follet, além de nos dar uma aula de história cuja maioria dos detalhes eu já conhecia nos apresenta personagens cativantes que poderiam muito bem ter existido naquela época. Muitos deles me deram esperanças de que atrocidades como a das Grandes Guerras jamais ocorrerão novamente. Porém, nós humanos, sempre surpreendemos com novos atos injustificados e estúpidos, na maioria das vezes. No final do livro os próprios personagens dizem ter certeza de que não deixariam outra vez uma guerra como aquela acontecer (pensamento que eu tenho certeza que foi real para quem viveu aqueles dias) e nós sabemos muito bem que foi possível sim, apenas alguns anos depois, acontecer coisa ainda pior!

Eu, particularmente, estou muito curiosa para ler o próximo volume, que ainda não foi lançado, pois a Segunda Guerra Mundial é ainda mais fascinante e triste que a primeira. O personagem Adolf Hitler sempre me impressionou muito. Também estou curiosa para saber se o autor, como todo bom americano, irá jogar a culpa toda em cima deste homem. É um crime dizer que apenas uma pessoa demoveu outros tantos milhões a se matarem, embora seja inegável sua grande contribuição. Acho, porém, que o autor não irá fazer tal coisa, pois em Queda de Gigantes ele demonstrou uma imparcialidade pouco vista em obras de ficção que tratam deste assunto.

Seja como for, só tenho a dizer que amei o livro e que recomendo muito para quem, além de conhecer uma história rica e mágica de amor, traições e ganância, quer ter uma noção de como um dia já fomos longe na busca por poder e como podemos evitar que isso aconteça novamente.

Um ponto importante a ser ressaltado é a edição impecável da editora Sextante. Não foi possível a mim encontrar um erro sequer durante toda a leitura, fato que é louvável e merece os devidos créditos.

Avaliação (de 1 a 5):

Lançamento do Livro Guardians no Rio de Janeiro

Olá leitores!

Passei aqui bem rapidinho para divulgar um evento do livro Guardians, da autora Luciane Rangel que acontecerá no Rio de Janeiro dia 25 deste mês! Mais detalhes no banner. Quem quiser saber mais sobre a série, é só acessar este blog.

Kami Garcia e Margaret Stohl – Dezessete Luas

Olá pessoal! Hoje venho falar do segundo volume da série Beatiful Creatures, publicada aqui no Brasil pela querida editora Galera Record. Essa é mais uma série YA book, de temática sobrenatural envolvente e criativa. Por algum motivo, que eu não faço ideia de qual seja, não resenhei o primeiro livro, chamado Dezesseis Luas, aqui no blog. Portanto, antes de falar de Dezessete Luas, alguns comentários necessários sobre o primeiro título da série (podem ficar tranquilos que não pretendo dar spoiler de nenhum dos dois livros):

Dezesseis Luas é narrado por Ethan Carter Wate, que conta sua história na pequena cidade de Gatlin. Lá ele conhece Lena, uma garota muito diferente das demais e que logo atrai sua atenção.  Porém, tudo que ele não esperava ao se aproximar dela era descobrir um novo mundo, cheio de magia, ação e muitos perigos. O livro é bem extenso e conta com uma temática interessante. Apesar disso, não consegui amar a obra, que levou 4 estrelas na minha avaliação.

Partindo para Dezessete Luas, o livro continua sendo narrado pelo personagem masculino, fato que é muito bem vindo em meio a um mar de publicações onde a protagonista e narradora é uma garota (no pior dos casos, uma garota sonsa)! Nesta sequência, que se inicia exatamente onde o outro livro parou, vemos o quanto os acontecimentos do desfecho de Dezesseis Luas afetaram Lena. Para tentar ajudá-la, Ethan vai atrás de mais informações sobre o mundo da menina. Assim ele acaba descobrindo que tem muito mais a ver com este mundo do que imaginava e que pode fazer toda a diferença no futuro de sua amada.

As autoras inseriram novos personagens carismáticos e detalharam muito bem as mudanças de Lena nesta nova fase de sua vida. Gostei muito do modo com Ethan não se deixava abater pelas dificuldades e estava sempre batalhando por Lena, mesmo quando ela, claramente, não desejava isso.

A parte sobrenatural da história ganha ainda mais força nesta sequência, onde descobrimos mais sobre os poderes, a magia e todo o universo fantástico criado na série. Kami Garcia e Margaret Stohl não poupam na criação de uma mitologia totalmente nova.

Na verdade, esse é o ponto que não me agrada na história. Assim como na série Os Instrumentos mortais de Cassandra Clare, em Beatiful Creatures eu ainda vejo embromação e informação demais. Os dois livros são extensos para pouco desenvolvimento da trama. É aquela caso clássico de falar, falar e não dizer nada.

O livro tem tudo para cativar, é bem escrito, tem uma boa história e bons personagens, mas minha opinião pessoal continua sendo de que falta relevância na maioria do que é descrito pelas autoras.

Não se enganem, eu gostei muito do livro e ele continua levando 4 estrelas, assim como o antecessor. Espero, sinceramente, que essa série tenho o mesmo desfecho da de Cassandra Clare, onde o terceiro livro me surpreendeu e me fez amar o conjunto da obra!

Se você procura algo diferente em meio ao mar de publicações do gênero, recomendo totalmente Beautiful Creatures. As edições são belíssimas (capas divas, embora tenha faltado o efeito brilhante na de Dezessete Luas) e a história tem tudo para conquistar.

Avaliação (de 1 a 5):

Previous Older Entries Next Newer Entries