Cassandra Clare – Cidade de Vidro

Este é o terceiro volume da série que era para ser trilogia Os Instrumentos Mortais e foi, de longe, o livro de Cassandra Clare que mais conseguiu me agradar. Aclamada pela crítica, a série foi um tanto decepcionante para mim, que ao ler Cidade dos Ossos esperava mais, muito mais.

Não sei se é por causa de todo o rolo com as fanfics de Harry Potter, ou por achar sua trama um tanto confusa, mas nunca consegui me apegar verdadeiramente à história. Claro que o talento da autora é inegável e deve ser reconhecido, mas achei Cidade dos Ossos apenas mediano em comparação a tantos outros títulos maravilhosos publicados no mercado.

Não resenhei este primeiro volume aqui no blog, por isso tenho que dar uma base para vocês sobre meu primeiro encontro com a escrita de Clare. Já o segundo livro, Cidade das Cinzas me pareceu melhor, mais elaborado e diferenciado. Apesar disso, um grande problema que me afligiu foi não lembrar dos acontecimentos passados, o que atrapalhou bastante a leitura.

E Cidade de Vidro começou da mesma forma. Ao contrário da maioria dos autores, Clare não nos atualiza na trama no início do livro, simplesmente espera que tenhamos frescos na memória todos os acontecimentos do volume anterior o que se torna difícil pelo tempo entre cada lançamento. Isso tornou o início da obra confuso e lento para mim, mas depois de me situar na trama, não consegui desgrudar do livro!

A escrita de Cidade de Vidro evidencia o amadurecimento da autora, que conseguiu, finalmente, me fazer apreciar e entender todo o sistema dos Caçadores de Sombras, suas leis e costumes. Clary também está mais forte e decidida, enquanto Jace chegou a níveis de fofura ainda mais absurdos. Adoro o personagem e, como toda a boa piriguete literária, tenho uma quedinha por ele.

Os outros personagens também foram usados de forma bem planejada, com papéis importantes e suas personalidades assumidas de forma mais clara na trama. Valentim continuou não me convencendo como vilão, mas as explicações profundas sobre o Ciclo e a criação de seus filhos foram a melhor parte da obra.

As respostas que tanto busquei desde Cidade dos Ossos e que foram dadas com maestria por Cassandra fizeram valer cada centavo que gastei com os livros e todos os momentos de frustração que tive com ele.

Com uma guerra iminente se aproximando, as quase 500 páginas passam voando enquanto você lê com admiração o desenrolar perfeito da história. Acompanhamos Clary na busca por respostas e na tentativa de salvar sua mãe.

A chave para tudo está na Cidade de Vidro, onde a Clave se reúne para decidir os rumos que os Caçadores de Sombras irão tomar e como lidarão com Valentim. Então, é para lá que todo mundo se dirige. Mas muitos segredos, mentiras e traições os aguardam, recheando a obra de fortes emoções.

O desfecho foi fantástico, eu não poderia imaginar um melhor! Só que eu não entendo como existe uma sequência para a série. Isso porque este livro foi escrito como o último da trilogia, então não restaram pontas soltas para um próximo livro. Claro que outra história sempre pode ser inventada, mas acho que deveria estar desvinculada da trilogia.

Essa modinha de estender coisas que não precisam ser estendidas me irrita profundamente. Se a história ficou perfeita contada em três livros pra que mais do que isso?

Mas enfim, não dá para reclamar de ter um pouco ou muito mais de Clary e Jace, portanto só nos resta esperar por City Of Fallen Angels.

Um pequeno “à parte” que não resisto em colocar é que meu exemplar do livro é uma porcaria. Acho que a editora poderia ter um pouquinho mais de cuidado na hora de colar a capa no livro, porque o meu veio cheio de cola e não conseguia abrir o exemplar direito. O resultado foi que, para ler, tive que descolar a capa das páginas internas, que se rasgaram um pouco e ainda fiquei com a capa toda rachada na frente. Não gostei nem um pouquinho… O trabalho gráfico e visual ficou lindo, mas não adiantou de nada no meu caso, porque quando olho para ele só consigo ver aquela enorme rachadura destoando da beleza da ilustração.

Mas enfim, esses são detalhes que importam somente para os detalhistas de plantão, como eu, que gostam de ter na sua coleção livros extremamente bem cuidados e em ótimo estado.

No geral, recomendo Os Instrumentos Mortais para os amantes de young adults sobrenaturais com mistério, romance e aventura. Vale a pena conhecer este universo mágico que Cassandra Clare nos apresenta. Pelo ótimo desfecho e considerando este volume apenas, merece cinco estrelas com certeza!

Avaliação (de 1 a 5):

J. R. Ward – Fallen Angels: Cobiça

Cobiça, de J. R. Ward, é o primeiro volume da série Fallen Angels, que nos Estados Unidos já conta com mais um livro e o terceiro que está para ser lançado em setembro deste ano. Ward é mundialmente conhecida pela série Irmandade da Adaga Negra, que é PERFEITA DEMAIS! Aqui no Brasil esta série já tem quatro livros lançados (Amante Sombrio, Amante Eterno, Amante Desperto e Amante Revelado) e estamos todos aguardando ansiosamente o lançamento do quinto volume Amante Liberto!!!

Cobiça nos traz a estória da eterna luta do bem contra o mal, Céu versus Inferno, Anjos contra Demônios, etc. Mas o enfoque da autora consegue ser totalmente diferente. No prólogo, alguém que logicamente trabalha para o lado sombrio da força nos conta que Deus e o Diabo estão cansados deste jogo que é a humanidade, fazendo uma comparação com um jogo de futebol que eles querem encerrar. Para isso eles selecionaram sete almas que vão decidir esta parada. Se quatro delas se decidirem pelo bem, o Céu ganha e a humanidade vai viver na felicidade eterna. Porém, se o lado oposto ganhar será obviamente a danação eterna.

Parece tudo muito sério contando desse jeito, mas adianto que não é. Já no prólogo eu dei muitas risadas, pois a visão do demônio de toda a coisa é hilária. Ele termina dizendo que os anjos não podem roubar no jogo porque vai contra a natureza deles, que não pode enganar nem mentir. Entretanto as criaturas do inferno não tem este probleminha, o que os coloca em vantagem. Achei demais o modo como ele critica os anjos e os chama de otários. Deixando claro que isso não quer dizer que eu torça para o mal, só digo que Ward foi muito criativa.

Mas falando da estória em si: Jim Heron é um humano que foi considerado bom para os dois lados, ou seja, ele tem tanto partes boas quanto más e ninguém pode prever como ele irá influenciar as sete almas. Por isso a missão deles é auxiliá-las a fazer a escolha certa. Sendo assim, Jim vai até o céu para que alguns anjos expliquem o objetivo de Jim e o convençam a apoiar o lado do bem. A primeira alma a ser salva é Vin Di Pietro, um milionário que era por acaso o chefe de Heron. Ele vai acabar se envolvendo com Marie-Terese. Ela pode parecer a pior escolha para salvar a alma de Vin. E é exatamente isso que Jim acha. Por isso, na primeira metade do livro ele acaba sabotando sua própria missão.

Não posso dizer muito mais sobre a obra para não dar spoiler, mas já digo que este livro é imperdível. Muito bom meeesmo, amei lê-lo! As cenas hot que eu tanto amo na autora continuam presentes. Os personagens são muito verossímeis, o que considero o melhor na escrita de Ward.

Em breve farei as resenhas dos livros da Irmandade, mas deixo com vocês as capas brasileiras que são maravilhosas.

 

 

 

 

Recomendo demais as duas séries, mas fiquem atentos, só para maiores de idade ok 😉

As capas americanas de Fallen Angels também são lindas, só não gostei da primeira. O que vocês acham? Espero que as capas brasileiras de Crave e Envy sejam parecidas com estas pois achei os anjos lindos *-*

 

 

 

 

 

 

Avaliação (de 1 a 5):

Lauren Kate – Tormenta

Perfeito!!! Eu estava mega anciosa por este livro, desde que li Fallen simplesmente PRECISAVA dele. E quando passei pela livraria ele ainda estava quentinho, tiraram da caixa na minha frente!! O livro ja começa maravilhoso pela capa, que é feita de um material macio como o outro e tem uma arte que consegue ser ainda mais linda!!! A estória recomeça do ponto onde parou, com Luce seguindo para um local seguro e Daniel fazendo de tudo para protegê-la. Achei o romance dos dois neste livro ainda mais fofo, apesar de surgirem dúvidas em Luce à respeito do que Daniel contou sobre o passado dos dois. Os novos personagens, amigos da garota na nova escola, são maravilhosos, amei todos. Apesar da complexidade da trama achei que a autora não se perdeu em nenhum momento, embora isso ainda possa mudar porque cada vez mais mistérios são adicionados e quero ver logo a explicação para todos. O livro te prende e te mata de curiosidade. O casal tem uma química muito forte, você sente o que eles sentem, sofre, chora e sorri com eles. Lucinda me pareceu mais forte e decidida neste livro, queira entender sobre as coisas que estão acontecendo e não aceitou tudo que disseram como verdades absolutas. Lauren Kate merece aplausos por não criar mais uma personagem tapada e cega para tudo à sua volta. Embora ame muito Daniel ela consegue perceber o mundo ao redor e questioná-lo. O final foi ótimo, existem livros que apresentam finais que não condizem com todo o enredo do livro mas este foi o oposto, achei muito apropriado. Nem preciso dizer que estou louca por Passion, que vai se focar nas vidas passadas de Luce (ao ler o livro você entenderá). Acredito que neste próximo livro entenderemos muito mais sobre o passado e os motivos das atitudes de todos em relação à Luce. Recomendadíssimo à todos, da capa à última página vale cada centavo e minuto gasto com ele!

P.S. Que título é esse editora Galera? Se o primeiro livro se chama Fallen o segundo não deveria por lógica ser mantido Torment como o original? Ficou chato um Fallen e um Tormenta, agora fica a dúvida o próximo se chamará Passion ou Paixão?!

Avaliação (de 1 a 5):