Kristin Cashore – Graceling: O Dom Extraordinário

Quando eu achava que nenhum outro livro iria me surpreender e encantar a ponto de ser um dos melhores do ano de 2011, eis que leio uma resenha da Nanda e decido na hora que necessito ter Graceling: O Dom Extraordinário.

Num primeiro momento, me enraiveceu um pouco que fosse a Rocco a editora a publicá-lo, visto que isso implicava diretamente no meu bolso. Mas decidi que valia a pena, e foi uma das decisões mais acertadas que já tomei!!!

Graceling é mágico, um livro único que não pode ser comparado a nenhuma outra história. Aqui conhecemos os Sete Reinos: Middluns, Lienid, Monsea, Estil, Sunder, Wester e Nander, onde podem ser encontrados os gracelings.

Eles são chamados de Dotados, tem olhos de duas cores o que torna possível identificá-los e são muito temidos por todos. Os reis os utilizam conforme a necessidade, até porque alguns Dons são inúteis para o reino como o dom de dançar, prender a respiração, etc já outros, são muito cobiçados e abusados pelos monarcas…

E é assim que conhecemos Katsa, uma Dotada mais que especial. No reino de Middluns todos conhecem sua história e temem seu olhar. A menina que ainda criança matou seu primo apenas com um soco e hoje é propriedade do Rei Randa. Katsa tem o dom de matar e, por isso, é usada por seu próprio tio para fazer todo e qualquer serviço “sujo” que se faça necessário.

Ela é atormentada pela culpa do que faz, mas não entende como sua vida poderia ser diferente com este dom amaldiçoado que recebeu. Entretanto, com a ajuda de seu primo Raffin, do capitão Oll e de Giddon, ela cria o Conselho. Ele é a forma que Katsa encontrou para se redimir. Com a ajuda destes amigos e de vários outros que se associaram depois, Katsa cumpre missões que ajudam a salvar pessoas e proteger os reinos da tirania e maldade. Mesmo fazendo tudo isso escondida de Randa e ainda cumprindo as tarefas que ele impõe, ela se sente melhor sabendo que esta ajudando o povo de alguma forma.

Em uma das missões do Conselho, Katsa acaba se deparando com um graceling que imediatamente desperta sua atenção e curiosidade. O Príncipe Po do reino de Lienid tem um olho dourado e outro prateado, e seu olhar hipnotiza Katsa de um jeito que ela nunca considerou possível.

Juntos, os dois vão acabar embarcando em uma missão difícil e muito perigosa, em busca de respostas para situações estranhas que vem ocorrendo pelos Sete Reinos. Na busca pelo misterioso sequestrador do avô de Po (a quem Katsa estava resgatando quando eles se conheceram), eles irão descobrir que existem gracelings com poderes inimagináveis e quase indestrutíveis.

“Desde o momento em que você entrou, assim, tão de repente, na minha vida, fiquei perdido. Tenho medo de dizer o que desejo, pelo medo de que você… ah, sei lá, possa me atirar no fogo. Ou, mais provavelmente, rejeitar-me. Ou, pior de tudo, desprezar-me. – A voz dele se dilacerava e os olhos se afastavam do rosto dela. – Eu amo você. Você é mais cara ao meu coração do que jamais pensei que alguém poderia ser.”

Página 242

Os personagens criados por Kristin Cashore são fabulosos, muito bem construídos e desenvolvidos ao longo da trama. Katsa é uma mistura de duas protagonistas que eu amo: Katniss Everdeen e Rose Hathaway. Já Po é incomparável, ele é único e maravilhoso (muito amor)!

O estilo de sobrenatural é totalmente diferente dos demais livros, pois aqui os Dons são conhecidos e fazem parte de cada graceling. E a forma de conduzir a trama amarrando os acontecimentos à estes dons fez do livro uma obra épica e, com toda certeza, um must read!

O estilo do livro pode lembrar de aventuras como Eragon, Wereworld e outros livros juvenis, mas Graceling está em um nível totalmente diferente. Vocês devem saber que o estilo de aventura épica não é bem o meu gênero favorito, mas Graceling é muito mais adulto e bem escrito que qualquer outro que eu já tenha lido. Os elementos sobrenaturais, as personagens, os cenários, é tudo tão fantástico e prende tanto o leitor que eu não tenho como não dar 5 estrelinhas!

Maravilhoso, divertido, dramático, romântico e comovente, Graceling vai tocar o leitor. Apesar de ser uma série, este livro tem começo, meio e fim. Os próximos livros terão outros protagonistas e acontecerão em épocas passadas e futuras à esta história. Por um lado isso é bom, pois não há quem aguente séries intermináveis, por outro é ruim pois sentirei muita saudade de Katsa e Po, que foi um dos casais mais apaixonantes que já tive o prazer de conhecer! Dúvidas de que recomendo? Leiam pra ontem!!!

Avaliação (de 1 a 5):

Curtis Jobling – Wereworld: A Origem do Lobo

Este é um daqueles livros que promete aventuras épicas, romance, mistério, intrigas e, logicamente, sobrenatural. Wereworld é um livro fantástico, que mistura um universo mutante com um universo histórico, quase feudal, onde o monarca e a nobreza são todos Werelords. O reino é dividido em diversos “distritos” que são de propriedade destes seres, meio humanos meio animais, mutantes por natureza.

Os Werelords tem a capacidade de se transformarem animais. E cada família possui o seu próprio animal: existem os Werelions, Weresharks, Werefox e os lendários Werewolfs.

Há muitos anos atrás, o rei lobo era quem comandava aquele lugar, mas traído pelos amigos e sabotado pelo temido clã dos Werelions, ele acabou morto e sua família, destruída.

É neste contexto que conhecemos a história de Drew Ferran, que entrou de gaiato nessa história e no navio: um simples camponês, que vive com os pais e um irmão. Ele sempre teve uma ligação especial com a floresta e os animais, mas nunca sonhou que isso um dia significaria sangue, morte e sofrimento em sua vida. Em uma noite chuvosa uma terível criatura ataca sua casa e mata a mãe dele. Atiçado com a adrenalina da situação, ele percebe que esta se transformando em uma fera, mas consegue parar a transição no meio.

Graças a uma terrível confusão ele é obrigado a fugir de casa e se esconder na mata, onde vive como um ermitão, até ser capturado por dois viajantes, no mínimo estranhos. Até então, Drew desconhecia a existência dos Werelords, mas logo ele é reconhecido como um deles.

Pior do que isso, ele acaba descobrindo que é filho do grande Rei Lobo, o último que restou do clã Werewolf. Por causa disso, o trono usurpado pelo Werelion é seu por direito, e o povo que sofre com as injustiças deste tirano clama pelo Lobo para assumir o trono e leva-los de volta a um reino justo e pacífico.

A jornada deste jovem não será fácil pois o Rei quer vê-lo morto a qualquer custo e embarca numa perseguição voraz contra o garoto. Fugindo e descobrindo novos aliados, Drew vai conhecendo mais sobre a história de seu povo e de sua família, que foi arrancada tão cedo dele. Sua mãe e pai na verdade eram adotivos e ele descobre não saber nada sobre seus pais biológicos.

A trama de Curtis Jobling é bem complexa e envolvente, me deixou ligada da primeira à última página. Gostei bastante da história e pretendo acompanhar os próximos volumes, que pelo que pude apurar do desfecho, devem ser muito bons!

Porém, a revisão do livro deixou um pouco a desejar e a narração foi muito lenta certas vezes. Como temos muitos personagens, cenários e conflitos para assimilar, houveram momentos em que não conseguia definir o que estava acontecendo. Isso tirou o brilho da obra, que poderia ter sido magnífica, mas não passou de um muito bom.

Essa capa é interessente por que reflete bem o livro, mas acho que a escolha de cores e a arte poderiam ser melhor desenvolvidas. Uma coisa que adorei foi o efeito espelhado, que acho lindo em capas de livro.

Este é o início de mais uma saga de YA books que promete.  Recomendo para quem curte o gênero!

Avaliação (de 1 a 5):

John Marsden – Amanhã, O Silêncio da Noite

Ação a cada página, emoções a flor da pele e muita tensão. Estes são os principais ingredientes desta sequência de tirar o fôlego criada por John Marsden. Vocês já sabem, depois da minha resenha, o quanto eu amei Amanhã, Quando a Guerra Começou. E O Silêncio da Noite, segundo volume da série, não fica nem um pouco para trás!!!

Resenha sem spoilers, para entender melhor a trama leia a resenha do primeiro volume.

Depois de um final eletrizante, onde temos a primeira vitória em favor do grupo de adolescentes que acompanhamos, a guerra continua e, mesmo desfalcados, os bravos heróis continuam em busca de ação e formas de ajudar seu país.

Neste livro vemos com mais intimidade os romances que vão surgindo e o lado psicológico dos personagens. Confinados no Inferno, eles precisam aprender a conviver melhor em grupo. Ellie e Homer lideram o grupo e decidem partir em uma missão de reconhecimento ao redor do Inferno, para procurar outros sobreviventes que não tenham sido capturados pelo exército inimigo.

Para surpresa geral, eles encontram um grupo de resistência bastante grande, denominado os Heróis do Harvey. O comando do grupo está nas mãos do General Harvey, sujeitinho que não me agradou nem um pouco.

Com a descoberta deste grupo, eles começam a entender como suas vidas de adolescentes foram retiradas precocemente com a guerra e se questionam se não seria melhor deixar tudo nas mãos dos adultos ao invés de tentar lutar, como vinham fazendo.

Alguns acontecimentos bombásticos e muita ação no desenrolar da trama nos levam a um final ainda mais surpreendente e aterrorizante do que o primeiro. Como eu disse, o livro é recheado de ação, apesar do início um tanto vagaroso.

Essa série prende cada vez mais a minha atenção e se firma no posto de minha trama infanto-juvenil favorita. Impossível não se apaixonar pela história e pelos personagens ricamente descritos pelo autor. John Marsden possui uma forma de escrever que cativa e toma totalmente a atenção do leitor, viciando-o na narrativa de forma incomum. Eu necessito dos próximos volumes urgentemente pelo bem da minha sanidade. Já li o terceiro livro No Terceiro Dia, A Geada que pretendo resenhar em breve sim, esta resenha está bem atrasada e agora me vejo louca pela sequência.

Totalmente recomendada, a série Amanhã é lançada aqui no Brasil pela querida Editora Fundamento, mais um motivo para que vocês leiam. O capricho, cuidado e atenção nas edições são marca registrada da editora, que me conquista com estes livros lindos, cheios de detalhes fantásticos e super bem revisados e não é puxação de saco porque tenho parceria com eles não, os livros são lindos mesmo e os meus foram todos adquiridos por mim, não são cortesia da editora. Vale a pena conferir!

Avaliação (de 1 a 5):

Meg Cabot – Liberte meu Coração

Uau! Tudo que posso dizer depois de ler este livro é “uau”!!! Não tenho dúvidas de que este foi um dos melhores, senão o melhor, livro de Meg Cabot que eu já li. E isso não é pouca coisa, porque já li, segundo o Skoob, 48 livros desta autora.

E Liberte Meu Coração se diferencia de todos eles por ser o primeiro romance histórico assinado com o nome de Meg Cabot. Quer dizer, assinado como Mia Thermopolis com a ajuda de Meg Cabot. Para quem já leu Princesa para sempre, vai lembrar de alguns trechos deste livro que foram acoplados ao último volume da minha amada série O Diário da Princesa.

Esta obra é magnífica, muito linda e super bem escrita, como sempre. A história é de Finnula Crais, uma jovem que se destaca das demais no ano de 1291 por usar calças de couro, caçar com arco e flecha e não se importar nem um pouquinho com o matrimônio. Ela tem cinco irmãs e um irmão, Robert, e juntos eles compõem uma família louca e feliz!

Finnula é a mais nova das seis irmãs, seguida por Mellana. Mel é uma garota querida, mas muito superficial, e que saber dobrar direitinho Finn para que faça suas vontades. Mel engravidou de um trovador e agora está em uma difícil situação. Isso porque ela gastou todo o seu dote e não pode casar sem o dinheiro. Para conseguir o casamento tão desejado, ela manipula Finnula até que a irmã aceite sequestrar um homem e pedir resgate em troca. Parece uma idéia louca, mas no enredo, muitas mulheres faziam isso para conseguir dinheiro quando precisavam.

Só que ao invés de sequestrar um cavaleiro qualquer, Finn acaba pegando acidentalmente Hugo Fitzstephen, o conde que é dono das terras onde mora toda a família e amigos da garota, além dela própria, que é sua vassala. Ele esteve na Guerra Santa durante 10 anos e agora estava voltando para assumir o controle das terras que por herança eram suas. Mas o que ele não esperava era encontrar uma sequestradora tão bela e desejável, que fez com que ele a seguisse como um cordeirinho pronto para o abate.

O livro é muito engraçado, divertido, romântico e com algumas cenas hots divinas. Nem preciso dizer que AMEI né?! Esta é uma leitura obrigatória para todos os estilos, gostos, gêneros, idades, religiões e etc.

Não sei nem como descrever todas as emoções que senti enquanto lia, mas posso garantir que você não irá se arrepender de ler essa obra recheada de amor, paixão, homens lindos, mulheres corajosas e destemidas, intrigas, traições e tudo que há de bom (momento Power Puff Girls)!

Avaliação (de 1 a 5):

Carina Rissi – Perdida

Nem sei como começar esta resenha porque ainda estou sem palavras para descrever a PERFEIÇÃO deste livro!!! Tem tudo que eu amo e muito mais: romance, aventura, mistério e muuuito humor também. Carina Rissi me provou definitivamente (porque depois de ler Paula Pimenta eu já sabia disso) que os autores nacionais podem dar de dez a zero em muito escritor estrangeiro por aí. Enquanto eu lia, nem percebi que era um livro nacional, me senti da mesma forma que me sinto quando leio Meg Cabot, Sophie Kinsella, Richelle Mead, ou até melhor!

A história é perfeita, não tem um errinho que eu possa apontar! É o terceiro livro que leio sobre o tema viagens no tempo e posso afirmar que todos são maravilhosos (aliás, cheguei à conclusão que se um dia eu vier a escrever um livro será com este assunto, pois pelo visto não tem como o resultado não ser magnífico)! Se preparem para uma resenha recheada de elogios escandalosos e muito mais que merecidos. Eu sempre tive o pé atrás com a literatura nacional, mas depois desta obra não tem como ficar embasbacada com o talento da autora e desejar gritar pra todo o mundo: comprem este livro já!!!

Tudo começa quando Sofia derruba seu celular na privada em um barzinho. Só com esta cena eu já rolei de rir porque isso já aconteceu comigo também (tudo bem, eu não estava em um barzinho, mas perdi meu celular desta forma desagradável)! No outro dia, ela parte em busca de um novo aparelho, dos mais modernos, com tudo que tem direito. Ela acaba entrando em uma loja muito suspeita e sendo atendida por uma vendedora mais suspeita ainda. Porém, como o aparelho que ela estava lhe oferecendo era tudo que ela queria, Sofia não pensa duas vezes e compra na hora.

Voltando para casa, ela não resiste e começa a fuçar no aparelho, só que ele não liga. Com muita raiva da vendedora, ela começa a voltar para loja, até que o telefone emite uma luz. Sofia pensa que esta tudo bem então, que vai ir pra casa com seu telefone novinho, ouvir muitas músicas, ler seus romances água com açúcar como sempre faz e fugir de um marido (tudo na mesma). Doce engano! A luz do celular fica cada vez mais forte e, do nada, tipo do nada meeesmo, ela se vê em um campo aberto, caída em cima de uma rocha.

Você, assim como ela, deve estar pensando que a garota tem um parafuso a menos, que a ressaca do dia anterior deve estar provocando visões etc. e tal. Só que não é nada disso! Sofia está perdida em um século passado, deveras distante do seu tempo. Só isso já serviria para provocar o surto de qualquer garota não é?! Mas um jovem rapaz bonitão e muito cavalheiro aparece para ajudá-la. Ele oferece hospedagem e roupas (porque as dela eram um top e uma saia jeans um tanto curta).

Até aí a trama parece clichê. Mas o melhor deste livro é a forma com que Carina Rissi criou a protagonista. Para ela não está tudo bem ter viajado no tempo. Ela não busca se adaptar, nem nada disso. Muito pelo contrário, ela sofre muito com as diferenças culturais e físicas que existem. Sério, passei mal de tanto rir no capítulo dedicado à “casinha”. Minha mãe até foi no quarto ver se eu estava bem, porque não parava de chorar de rir!!!

A personagem é carismática, sem papas na língua e muito engraçada! Seus dramas me comoveram e emocionaram. Isso sem contar no mocinho fantástico da trama. Ian é bonito, inteligente e com uma mente aberta para  novas idéias (até porque, não aturaria Sofia sem essas qualidades). Os personagens secundários também são fabulosos, tanto os do tempo presente quanto os de dois séculos atrás.

Nem dá pra começar a contar o quanto eu gostei do desfecho, de como o enredo da uma virada atrás da outra de modo à sempre prender mais e mais a atenção do leitor. Me impressionei com o tamanho do livro. São quase 500 páginas de pura magia, mas se pudesse estenderia para umas 1000!!! Esta é realmente a história de “um amor que ultrapassa as barreiras do tempo”. Altamente recomendado, mas cuidado, esta obra não deve ser lida em lugares públicos para evitar maiores constrangimentos. E atenção, o perigo de se viciar é enoorme!!!

Avaliação (de1 a 5):

Água para elefantes – Sara Gruen

Amooooooooooooo este livro! Pronto. Acho que é um ótimo começo para a resenha. Agora vocês já sabem logo de cara que esta obra é imprescindível. Para todas as idades, gêneros, gostos e estilos este é o seu livro. É uma história de amor e sendo assim, é universal.

Jacob Jankowski não é o protagonista bonitão que esperamos na maioria dos romances (não se enganem com o Robert Pattinson na nova capa!), ele tem 93 anos e mora em um asilo. Mas, para ele, sua vida não é aquela e sim a de 70 anos atrás. Você viaja no tempo com Jacob até seus 23 anos, quando órfão, sem dinheiro e sem perspectivas ele encontra no trem do Circo dos Irmãos Benzini um refúgio para seu sofrimento. Não, ele não era pobre nem mendigo, apenas ficou chocado quando descobriu que seus pais morreram em um acidente de carro e que haviam gasto tudo que tinham para pagar a sua faculdade de veterinária. Perturbado ele abandona a universidade sem prestar os exames finais que lhe dariam o diploma e passa a viver com o circo.

E é com 23 anos que ele vive aventuras, romance, paixões e perigos (Robert Pattinson entra na história aqui meninas).

Tio Al, o dono do circo, é um tirano. August, o chefe do setor de animais tem uma forte bipolaridade, ora gentil, ora violento. E além deste transtorno, August ainda possui as duas mulheres da vida de Jacob: Marlena, a bela estrela do número dos cavalos do circo e Rosie, a elefanta aparentemente estúpida que foi adquirida para ser a maior atração do espetáculo. Só problemas para nosso herói, apaixonado pela linda artista casada com um louco e por uma elefanta que não quer aprender números circenses. Ele vive inúmeras aventuras!

Eu me emocionei demais durante todo o livro. Que é narrado do asilo por Jacob velho e alterna passagens de sua juventude com o presente. O final foi tudo de bom, embora eu tenha chorado horrores quando o livro acabou!!! Esta é uma daquelas obras que a gente termina sabendo que as palavras lidas tiveram o poder de te mudar para melhor de alguma forma. Que esta história não pode ser guardada e esquecida e sim compartilhada com o mundo (ainda bem que virou filme, porque existe tanta gente que tem preguiça de ler mas mesmo assim vai ter a oportunidade de conhecer este mundo mágico que Sara Gruen criou).

Eu descobri este livro através de uma resenha da Camila do Leitora Compulsiva, quando ele ainda não era tão famoso. E foi um dos livros mais lindos que li, romântico, original, divertido (porque assim como chorei muito, dei boas gargalhadas com Rosie, a elefanta) e que tem todos os ingredientes de uma boa trama. Vale a pena ler e se deliciar com esta história! E aproveitem que esta nova edição, além de ter esta capa maravilhosa com o Robert e a Reese Witherspoon está em promoção em diversas livrarias 😉

Avaliação (de 1 a 5):