John Marsden – Amanhã: O Outro Lado do Amanhecer

Livro que fecha com chave de ouro esta série tão maravilhosa! Espetacular, emocionante e envolvente são alguns dos adjetivos que eu poderia usar. Um desfecho verossímil e extremamente satisfatório, mesmo dentro de um contexto tão pesado quanto a guerra que o autor propôs como tema.

Se você não leu os volumes anteriores, não recomendo que acompanhe toda a resenha, pois pode conter spoilers involuntários. Para ler as resenhas dos demais livros, clique nos títulos abaixo:

Já começamos este livro com muita ação. Apesar de eu estar esperando um livro corrido, com tanta coisa que havia para ser resolvida, John Marsden soube dosar direitinho os momentos tensos, os de luta e os de reflexão.

Agora que a guerra parece estar chegando ao fim, nossos bravos heróis, Ellie, Lee, Fi, Homer e Kevin precisam, além de arrumar uma forma de proteger as crianças, partir em uma missão que o coronel Finley lhes confiou.

O dia D está chegando, e a Nova Zelândia irá atacar com tudo. E o grupo de jovens foi o encarregado de planejar ataques sistemáticos a qualquer ponto que julguem ser importante para o exército inimigo.

Só que algo sai muito errado e Ellie acaba se separando do restante do grupo. Isso faz com que ela tenha que enfrentar sozinha perigos inimagináveis, enquanto o leitor fica sem notícias dos outros sobreviventes. É muita tensão neste trecho do livro, o autor foi muito inteligente ao criar o final, não só por dar maior destaque a Elli, que é a narradora da trama, mas também por não ter dado ao livro um final impossível.

Meu maior medo sempre foi o modo como John Marsden iria consertar toda a bagunça (leia-se guerra) criada ao longo dos livros. Achei que seria muito inverossímil se tudo acabasse bem, o exército inimigo se retirasse e tudo voltasse ao normal! Felizmente, o autor me surpreendeu positivamente, escrevendo um desfecho que com certeza seria possível, apesar de ser o mais feliz de todos.

Não se preocupem pois ele não deu uma de Suzanne Collins (quem já leu A Esperança vai entender), mas também não deu aquela solução mágica que não existe na vida real e que muitos autores insistem em usar nos livros deste gênero.

Minha única ressalva foi em relação ao casal Ellie e Lee, pelo qual eu tinha um grande apreço e não gostei muito do desfecho. Embora eu entenda a mensagem que o autor quis passar, não adianta, sou uma romântica incurável.

No mais, só tenho a elogiar a mensagem linda de vida e esperança que esta série deixou para mim, com certeza sempre me lembrarei dela com carinho e relerei muitas vezes.

Deixo muitas recomendações de que leiam os livros, esta série vale muito a pena e deveria ser bem mais conhecida!!!

Avaliação (de 1 a 5):

Anúncios

John Marsden – Amanhã: Quem tem medo da noite?

Este é o sexto e penúltimo volume da série Amanhã e John Marsden soube direitinho como manter o clima tento e de expectativa ao longo de todo o livro.

Após as mais arriscadas e loucas ações ao longo de Quando a Guerra Começou, O Silêncio da Noite, No terceiro dia, a geada, Escuridão, seja minha amiga e Vingança em chamas, em Quem tem medo da noite? nossos heróis de guerra mostram todo seu esforço para se manterem unidos e vivos em meio a guerra e ao caos.

Depois de seu ataque mais violento e poderoso desde o início da guerra e da oferta de voltar à Nova Zelândia, que foi rejeitada por todos, Ellie, Lee, Fi, Homer e Kevin tem agora mais um desafio pela frente.

Um grupo de órfãos afetados em demasia pelos horrores vividos em uma guerra como aquela acaba ficando sob a responsabilidade daqueles jovens, que não sabem direito como lidar com crianças tão teimosas, obstinadas e abaladas psicologicamente.

Este livro tem cenas muito tristes, embates engraçados e uma mescla de tudo que fez com que me apaixonasse pela trama do autor. Apesar de não possuir tantas cenas de ataques desenfreados, Quem tem medo da noite? nos prepara muito bem para o que está por vir no último livro da série.

A introdução e desenvolvimento das novas personagens, que apesar de serem crianças são muito complexas e difíceis de compreendermos, foi feita brilhantemente. Não há como não se afeiçoar aquele grupo de pirralhos teimosos, mesmo tendo vontade de esganá-los de vez em quando.

Embora eu tenha afirmado que não existem cenas de ataques, isso não quer dizer que não role muita ação ao longo das páginas. Perseguições alucinantes e a descoberta de que o Inferno, seu refúgio durante todo aquele tempo de guerra, pode não ser mais um lugar seguro garantem ao leitor ansiedade de roer as unhas. Garanto que não dá para parar de ler até a última página.

Obviamente, assim que terminei o livro corri para o próximo, que já estava me aguardando na prateleira!

Totalmente recomendada, a série Amanhã é uma das minhas favoritas do gênero juvenil.

Avaliação (de 1 a 5):

Sophia Lowell – Glee: O Início

Uma história divertida. Não me espanta que tenha sido baseada num seriado, porque tem todos os ingredientes que formam uma série de sucesso. Ri muito com Glee: O Início e até fiquei curiosa para saber como os personagens se saem na televisão! Glee é, originalmente, uma série musical do canal FOX criada por Ryan Murphy, Brad Falchuk e Ian Brennan e foi adaptada para esta obra, compondo uma série de três livros. Os próximos volumes são Foreign Exchange e Summer break.

Nunca vi nem um minuto sequer do seriado, então, minhas impressões contidas nesta resenha se baseiam apenas no romance de Sophia Lowell. Este livro é um daqueles típicos High School amercianos, onde temos os nerds e geeks versus populares e patricinhas disputando espaço no colégio McKinley. Aqui elas tomam vida sob a forma de cheerios, aquelas líderes de torcida que fazem pirâmides e tal.

Conhecemos também Rachel uma garota sonhadora e que se acha a bolacha mais recheada do pacote por ser muito talentosa musicalmente entre outras coisas. Ela não tem amigos e é desprezada pela comunidade escolar por ser tão… cheia de si. Mas nada é impedimento para Rachel que decide se unir ao coral da escola, o clube Glee, e deixar aquele bando de nerds com pouco talento famosos.

Ela quer se auto promover e não poupará esforços. Enquanto isso Quinn a Cheerio principal do colégio, está cada dia mais em dúvida: ficar com Finn que todos dizem ser o par perfeito e ideal a nata da elite dos populares ou se entregar ao badboy Puck, que é o caminho mais arriscado e mais divertido?

Também somos apresentados aos outros integrantes nada convencionais do Glee, pessoas em quem você não irá se enxergar se tiver um pingo de normalidade. Mas dizem que de médico e louco todo mundo tem um pouco, então vai saber né…

Gostei da trama proposta e acho que a adaptação de Sophia Lowell ficou muito boa. Não senti falta de explicações ou embasamento para os acontecimentos, além de ter conseguido visualizar muito bem os personagens apenas através da descrição da autora.

Neste volume, como o próprio título já diz, somos apresentados ao início do grupo, as primeiras dificuldade e a primeira “vitória” por assim dizer. Conseguimos entender claramente a mensagem proposta pela história, e acho que até uma criança de 5 anos entenderia, porque é realmente muito óbvio.

Este foi o único ponto negativo do livro, em minha opinião, a falta de sutileza para passar a moral da trama. Logicamente todos os livros devem passar uma mensagem, mas esta parece rasa e superficial, do tipo: sejam garotos bonzinhos, não esnobem o próximo e se misturem com outras pessoas. Além de deixar claro também que nem só de esportes vivem os adolescente, mas também de talento musical.

As referências de músicas, série e programas de TV ficaram legais, pois são atuais e todos podem reconhecer. Além disso, gostei bastante das intrigas amorosas que são bem características de seriados e ficaram bem colocadas na obra.

No mais, recomendo se você é fã da série. Entretanto, se não é e quiser conhecer, este também é o seu livro, pode ler sem medo!

Avaliação (de1 a 5):

Carlos Ruiz Zafón – Marina

Só Tenho uma coisa a dizer depois desta leitura: o cara escreve bem mesmo! Sempre fui aconselhada a ler A sombra do Vento e O Jogo do Anjo, os dois livros de Carlos Ruiz Zafón mais famosos aqui no Brasil, mas o preço e os inúmeros livros na minha listinha de desejados ainda não me deixaram seguir esta recomendação. Por este motivo, quando soube do lançamento de Marina um livro mais acessível, digamos assim, e que segundo o autor era um de seus favoritos, não tive dúvida em embarcar de cabeça na leitura.

Após a compra ele ainda ficou um tempinho parado na estante, a espera de sua vez. E quando ela chegou me arrependi por não ter lido antes. Não que minhas outras leituras não estivessem à altura dele, porque até estavam. Mas a obra é super rápida de se ler e agrega muito.

Marina é narrado por Óscar. Ele é um menino de 15 anos crescendo solitário em Barcelona, nos anos 70. Seus pais o deixam em um internato e nunca estão presentes. Sendo assim, sua companhia constante são as ruas, para onde ele dá um jeito de escapulir todas as tardes. Percorrendo os casarões, outrora grandiosos e agora abandonados, ele acaba descobrindo Marina.

Ela é uma menina moça linda, morando sozinha com o pai numa mansão decrépita em companhia de um gato feroz. O modo como se deu o encontro faz com que Marina perceba o quanto Óscar gosta de mistérios e aventura. Por este motivo, ela o leva ao Cemitério perdido da cidade, lugar que poucos conseguem encontrar.

Lá existe um túmulo sem nenhuma inscrição, apenas uma borboleta negra, que todo mês, no mesmo dia, uma senhora de preto, escondida por um véu, vai visitar.

Intrigados com o mistério, os dois seguem a mulher em busca de respostas e de ação. Mas o que era para ser uma simples brincadeira se transforma em um jogo de vida ou morte, literalmente.

Mexendo com o imaginário infanto-juvenil e inserindo vilões de nossos mais terríveis pesadelos, Zafón dá a obra um ar de Edgar Allan Poe. Gostei bastante da narrativa e li em um só fôlego, encantada com o mistério e disposta a tudo para descobrir a resposta!

Com certeza o autor soube como prender a atenção e nos deixar ligados em cada passo de Óscar. Os personagens são sensacionais, super bem construídos e misteriosos. A trama é fantástica e não resta dúvida de que recomendo com certeza!!!

Avaliação (de 1 a 5):

Paula Pimenta – Minha Vida Fora de Série

Top ten dos melhores do ano, conheça seu mais novo integrante. Com certeza minha vontade é sair por aí espalhando aos quatro ventos: leiam este livro, eu amei, é mais que bom, é perfeito! E quando eu criei o Mundo da Leitura foi justamente com este propósito, contar a todos os interessados as minhas experiências com os livros, indica-los e recomenda-los. Esta obra, vou contar desde o início, está mais do que indicada. É praticamente uma obrigação de todo amante da leitura adquiri-la e saboreá-la!

Paula Pimenta é, possivelmente, a melhor escritora young adult brasileira da atualidade. Seus romances me encantam, me inspiram, me fazem chorar, sorrir e suspirar. Seus livros me fazem desejar um príncipe encantado, uma história de cinema (ou de seriado, no caso) e me fazem enxergar o lado mais positivo da vida. Seus livros são uma declaração de amor, em forma de histórias juvenis, mas muito mais adultas do que podemos imaginar.

Preparem-se para uma resenha gigante, porque cada vez que penso no livro tenho mais e mais vontade de falar sobre ele. Vou começar pela capa, que é linda! Vocês não terão ideia de como o trabalho gráfico ficou excelente até tê-lo nas mãos. E o cachorro me conquistou logo de cara, eu amo Golden Retrievers *-* Por isso, meus enormes parabéns à Autêntica, que deixou o livro tão perfeito!

A protagonista da obra é Priscila, uma das amigas de Fani, da outra série de sucesso da Paula. O curioso é que história se passa 3 anos antes da de FMF, o que faz com que conheçamos os personagens já tão queridos quando tinham 13 anos. Para conhecer as minha resenhas apaixonadas dos livros de Fazendo meu Filme, clique aqui.

Priscila acaba de se mudar para Belo Horizonte. Após o divórcio de seus pais, ela vai morar com a mãe em Minas Gerais, enquanto o pai e o irmão ficam em São Paulo. Além de deixar metade de sua família, ela também tem que se separar de metade dos seus animas de estimação. Isso porque não dá pra levar dois cachorros, um gato, um papagaio, um furão e um hamster para morar em um apartamento, não é? Por isso, ela leva “apenas” um cão, o gato e o hamster!

Mas a parte mais difícil é se adaptar a uma nova vida, sem seus antigos amigos, escola, etc. Para ajuda-la, sua prima Marina (que é um ano mais velha) a acolhe em suas asas. Mostra a cidade para ela, apresenta suas amigas e a leva ao clube. E é neste clube (substituto para a praia a qual ela estava acostumada), que ela conhece Marcelo. Ele é mais velho e a encanta imediatamente com sua beleza. Mas nem sempre o que é lindo por fora também o é por dentro… E essa é uma lição muito dura que a Pri irá aprender.

Ao longo dos capítulos vamos conhecendo ótimas citações de seriados (não sei como a Paula consegue tantas ótimas citações que se encaixam perfeitamente nos capítulos), que viraram a paixão da garota depois da mudança.

A adaptação na nova cidade acaba não sendo tão difícil quanto ela pensava e um certo Rodrigo vai ajudar muito no processo. O amadurecimento da personagem é visível, e me senti crescendo junto com ela ao longo de toda trama. Não dá nem pra explicar a beleza das frases, poemas e personagens que a autora cria, essa mulher é de outro mundo. Como bem está escrito na aba do livro “a Paula nem é gente de verdade, e sim uma personagem de algum conto de fadas que saiu por aí, fugida, querendo de qualquer jeito contar novas histórias”. Acho que o maior dom que o autor pode ter é te fazer sentir especial enquanto lê, e eu me sinto uma princesa quando leio os livros dela.

Não dá pra dizer se uma série é melhor do que outra, porque Fazendo meu Filme é divino e este também, ambos estão no mesmo nível para mim: LITERATURA OBRIGATÓRIA! Só acho que, se você ainda não leu FMF deveria começar por este, porque estará na ordem cronológica correta e não existirão spoilers, coisas que eu já sei sobre a Pri daqui a três anos!

E Paula Pimenta, tenho duas coisas a lhe dizer: a primeira é agradecer por me fazer tão feliz com estes livros lindos que você escreve. Sinceramente, tenho muito a agradecer mesmo. A segunda é um apelo na verdade: escreva o mais rápido possível, estou morrendo por FMF 4 e pela segunda temporada da vida fora de série da Priscila!!!

Para dar a vocês um gostinho do livro, vou deixar aqui o poema que eu mais gostei, quase me derreti lendo:

Ela tem

Ela tem estrelas nos olhos

E a lua crescente no sorriso

Se eu fosse astronauta no seu céu

Eu iria ao paraíso

Ela tem o sol nos cabelos

E um caleidoscópio no rosto

O vermelho da sua boca

Eu quero tanto saber o gosto

Ela tem jeito de fada

E um porte de princesa

Mas quando passa não enxerga

Que me deixa sem defesa

Ela tem sonhos secretos

E um corpo que vicia

Me tira o juízo e o sono

Me maltrata, me angustia

Ela tem tudo aos seus pés

E consegue seja o que for

Eu não tenho mais que o desejo

De um dia ser seu amor

Sério gente, quem não amaria alguém que escreve algo assim? Impossível não se apaixonar! Descubra muito mais beleza e romance lendo este livro maravilhoso, com certeza vale a pena!!!

Avaliação (de 1 a 5) deixando claro que se eu pudesse daria 10: