John Marsden – Amanhã, No Terceiro Dia, A Geada

Se eu julgava que O Silêncio da Noite havia sido pura ação, “No Terceiro Dia, A Geada” veio para me provar que a imaginação de John Marsden não conhece barreiras!!! Fico cada vez mais encantada pela série, que passa a ser classificada por mim não mais como infanto-juvenil, mas sim como Yong Adult pela maturidade da trama e pelas fortes cenas que acompanhamos neste terceiro volume da série Amanhã.

Resenha sem spoilers! Para ler as resenhas do primeiro e segundo volumes clique aqui.

Nossos heróis estão chamando cada vez mais atenção do exército inimigo, e depois do final ultra explosivo do livro anterior, até mesmo os outros países começam a perceber a fama dos jovens que acompanhamos.

Ellie está confusa em relação aos seus sentimentos e todos começam a sentir o peso de tantas batalhas, lutas e mortes. Desesperados por alguma ação, eles se laçam em um plano mais arriscado do que tudo que poderiam sonhar, mas pode ser que, desta vez, não tenham tanta sorte assim.

Este livro foi um dos meus favoritos por diversos motivos, e a maioria deles não posso contar para não dar spoiler sem querer. Mas, como sempre, minhas impressões sobre o livro foram as mais positivas.

É encantador e viciante acompanhar as aventuras destes adolescentes em busca de sobrevivência e vingança. Seu país foi tomado e está sendo colonizado por um povo inimigo. E no meio de tanta guerra e ação, o autor encontra tempo para levantar inúmeras questões políticas e críticas sociais. A reflexão sobre o modo como vivemos e lidamos com o próximo é uma das coisas que mais gosto, mesmo que esteja subliminar durante toda a obra.

Se você gosta de ação, pode ler sem problemas, se gosta de romances complicados vai adorar, se gosta de suspense e uma dose de drama, este livro é indicado para você, e se espera tudo isso junto em um livro, não perca tempo e corra para a livraria mais próxima!!!

A série Amanhã me conquistou desde o primeiro livro, e mesmo faltando quatro livros para que eu termine, sinto saudades dos personagens e fico divagando sobre os rumos que o autor vai dar para cada um dos sobreviventes.

Concluindo, os livros de John Mardsen são totalmente recomendados por mim, a narrativa é ágil e empolgante, as edições são belíssimas e a história, fantástica!

Avaliação (de 1 a 5):

Anúncios

Cassandra Clare – Cidade de Vidro

Este é o terceiro volume da série que era para ser trilogia Os Instrumentos Mortais e foi, de longe, o livro de Cassandra Clare que mais conseguiu me agradar. Aclamada pela crítica, a série foi um tanto decepcionante para mim, que ao ler Cidade dos Ossos esperava mais, muito mais.

Não sei se é por causa de todo o rolo com as fanfics de Harry Potter, ou por achar sua trama um tanto confusa, mas nunca consegui me apegar verdadeiramente à história. Claro que o talento da autora é inegável e deve ser reconhecido, mas achei Cidade dos Ossos apenas mediano em comparação a tantos outros títulos maravilhosos publicados no mercado.

Não resenhei este primeiro volume aqui no blog, por isso tenho que dar uma base para vocês sobre meu primeiro encontro com a escrita de Clare. Já o segundo livro, Cidade das Cinzas me pareceu melhor, mais elaborado e diferenciado. Apesar disso, um grande problema que me afligiu foi não lembrar dos acontecimentos passados, o que atrapalhou bastante a leitura.

E Cidade de Vidro começou da mesma forma. Ao contrário da maioria dos autores, Clare não nos atualiza na trama no início do livro, simplesmente espera que tenhamos frescos na memória todos os acontecimentos do volume anterior o que se torna difícil pelo tempo entre cada lançamento. Isso tornou o início da obra confuso e lento para mim, mas depois de me situar na trama, não consegui desgrudar do livro!

A escrita de Cidade de Vidro evidencia o amadurecimento da autora, que conseguiu, finalmente, me fazer apreciar e entender todo o sistema dos Caçadores de Sombras, suas leis e costumes. Clary também está mais forte e decidida, enquanto Jace chegou a níveis de fofura ainda mais absurdos. Adoro o personagem e, como toda a boa piriguete literária, tenho uma quedinha por ele.

Os outros personagens também foram usados de forma bem planejada, com papéis importantes e suas personalidades assumidas de forma mais clara na trama. Valentim continuou não me convencendo como vilão, mas as explicações profundas sobre o Ciclo e a criação de seus filhos foram a melhor parte da obra.

As respostas que tanto busquei desde Cidade dos Ossos e que foram dadas com maestria por Cassandra fizeram valer cada centavo que gastei com os livros e todos os momentos de frustração que tive com ele.

Com uma guerra iminente se aproximando, as quase 500 páginas passam voando enquanto você lê com admiração o desenrolar perfeito da história. Acompanhamos Clary na busca por respostas e na tentativa de salvar sua mãe.

A chave para tudo está na Cidade de Vidro, onde a Clave se reúne para decidir os rumos que os Caçadores de Sombras irão tomar e como lidarão com Valentim. Então, é para lá que todo mundo se dirige. Mas muitos segredos, mentiras e traições os aguardam, recheando a obra de fortes emoções.

O desfecho foi fantástico, eu não poderia imaginar um melhor! Só que eu não entendo como existe uma sequência para a série. Isso porque este livro foi escrito como o último da trilogia, então não restaram pontas soltas para um próximo livro. Claro que outra história sempre pode ser inventada, mas acho que deveria estar desvinculada da trilogia.

Essa modinha de estender coisas que não precisam ser estendidas me irrita profundamente. Se a história ficou perfeita contada em três livros pra que mais do que isso?

Mas enfim, não dá para reclamar de ter um pouco ou muito mais de Clary e Jace, portanto só nos resta esperar por City Of Fallen Angels.

Um pequeno “à parte” que não resisto em colocar é que meu exemplar do livro é uma porcaria. Acho que a editora poderia ter um pouquinho mais de cuidado na hora de colar a capa no livro, porque o meu veio cheio de cola e não conseguia abrir o exemplar direito. O resultado foi que, para ler, tive que descolar a capa das páginas internas, que se rasgaram um pouco e ainda fiquei com a capa toda rachada na frente. Não gostei nem um pouquinho… O trabalho gráfico e visual ficou lindo, mas não adiantou de nada no meu caso, porque quando olho para ele só consigo ver aquela enorme rachadura destoando da beleza da ilustração.

Mas enfim, esses são detalhes que importam somente para os detalhistas de plantão, como eu, que gostam de ter na sua coleção livros extremamente bem cuidados e em ótimo estado.

No geral, recomendo Os Instrumentos Mortais para os amantes de young adults sobrenaturais com mistério, romance e aventura. Vale a pena conhecer este universo mágico que Cassandra Clare nos apresenta. Pelo ótimo desfecho e considerando este volume apenas, merece cinco estrelas com certeza!

Avaliação (de 1 a 5):

John Marsden – Amanhã, O Silêncio da Noite

Ação a cada página, emoções a flor da pele e muita tensão. Estes são os principais ingredientes desta sequência de tirar o fôlego criada por John Marsden. Vocês já sabem, depois da minha resenha, o quanto eu amei Amanhã, Quando a Guerra Começou. E O Silêncio da Noite, segundo volume da série, não fica nem um pouco para trás!!!

Resenha sem spoilers, para entender melhor a trama leia a resenha do primeiro volume.

Depois de um final eletrizante, onde temos a primeira vitória em favor do grupo de adolescentes que acompanhamos, a guerra continua e, mesmo desfalcados, os bravos heróis continuam em busca de ação e formas de ajudar seu país.

Neste livro vemos com mais intimidade os romances que vão surgindo e o lado psicológico dos personagens. Confinados no Inferno, eles precisam aprender a conviver melhor em grupo. Ellie e Homer lideram o grupo e decidem partir em uma missão de reconhecimento ao redor do Inferno, para procurar outros sobreviventes que não tenham sido capturados pelo exército inimigo.

Para surpresa geral, eles encontram um grupo de resistência bastante grande, denominado os Heróis do Harvey. O comando do grupo está nas mãos do General Harvey, sujeitinho que não me agradou nem um pouco.

Com a descoberta deste grupo, eles começam a entender como suas vidas de adolescentes foram retiradas precocemente com a guerra e se questionam se não seria melhor deixar tudo nas mãos dos adultos ao invés de tentar lutar, como vinham fazendo.

Alguns acontecimentos bombásticos e muita ação no desenrolar da trama nos levam a um final ainda mais surpreendente e aterrorizante do que o primeiro. Como eu disse, o livro é recheado de ação, apesar do início um tanto vagaroso.

Essa série prende cada vez mais a minha atenção e se firma no posto de minha trama infanto-juvenil favorita. Impossível não se apaixonar pela história e pelos personagens ricamente descritos pelo autor. John Marsden possui uma forma de escrever que cativa e toma totalmente a atenção do leitor, viciando-o na narrativa de forma incomum. Eu necessito dos próximos volumes urgentemente pelo bem da minha sanidade. Já li o terceiro livro No Terceiro Dia, A Geada que pretendo resenhar em breve sim, esta resenha está bem atrasada e agora me vejo louca pela sequência.

Totalmente recomendada, a série Amanhã é lançada aqui no Brasil pela querida Editora Fundamento, mais um motivo para que vocês leiam. O capricho, cuidado e atenção nas edições são marca registrada da editora, que me conquista com estes livros lindos, cheios de detalhes fantásticos e super bem revisados e não é puxação de saco porque tenho parceria com eles não, os livros são lindos mesmo e os meus foram todos adquiridos por mim, não são cortesia da editora. Vale a pena conferir!

Avaliação (de 1 a 5):

Rebecca James – Bela Maldade

Impactante da primeira a última página! Este livro é sobre a maldade nua e crua, não se engane pela capa bonitinha, a autora desenvolveu um thriller psicológico pesado, forte e muito bem escrito. Nunca tinha ouvido falar nela, mas com certeza Rebecca James tem muito talento, se julgarmos a trama envolvente de Bela Maldade.

Começando os elogios pela edição belíssima da Intrínseca, a capa ficou fantástica, toda trabalhada. A única coisa que não gostei foi da diagramação das abas. A aba da frente está com o texto justificado à esquerda, já a aba de trás, com o texto sobre a autora, tem o texto centralizado. Prefiro textos justificados, que ficam mais apresentáveis. Mas isso é coisa que somente pessoas obcecadas e extremamente detalhistas, como eu, podem reparar. E também não é nada que atrapalhe a leitura mesmo…

Esta é a história de Katherine Patterson, uma jovem que sofreu um grande trauma na adolescência e busca, mudando de cidade e de nome, apagar os erros do passado. Sua família está totalmente desestruturada e a jovem é muito sozinha no mundo. Não tem amigos na escola, o que torna sua solidão ainda mais aparente. Mas esse quadro muda com a repentina aproximação de Alice. Ela é uma jovem bela e popular que, de uma hora para outra, resolve que Katie será sua melhor amiga.

Alice é o tipo de pessoa pela qual você se encanta, que tem o poder de lhe fazer revelar seus segredos mais íntimos, para depois jogá-los na sua cara da forma mais cruel possível. Confesso que ela me lembrou muito de Alison, da série Pretty Little Liars, as duas são almas gêmeas com certeza.

Mas, diferente da série de Sara Shepard, Bela Maldade é um história muito mais adulta, contada de forma não linear pela autora. Katie narra sua trajetória na época antes de conhecer Alice, onde vamos descobrindo aos poucos o que aconteceu na vida de sua família que causou tanto sofrimento, na época da escola, onde convivia com Alice, e no presente, onde ela está mais velha e nos mostra sua rotina atual.

Através destes três tempos vamos montando o quebra-cabeça intrinsecamente construído por Rebecca James. Katie é uma protagonista extremamente realista, que pode até parecer boba em certos momentos, mas que na verdade, deve ser analisada por tudo que passou. Acho que se tivesse sofrido o que ela sofreu também ficaria um pouco cega em busca de uma nova e promissora amizade…

Eu recomendo totalmente para quem gosta de livros com drama e temas pesados. Não leia achando que vai ser uma obra estilo colegial, de menininhas populares versus geeks porque não tem nada disso. O livro fala bastante sobre a crueldade no mundo real!

Avaliação (de 1 a 5):

Kimberly Derting – Ecos da Morte

Romance, sobrenatural e suspense misturados em um YA book muito bem narrado resultam nesta deliciosa obra chamada Ecos da Morte.

Me apaixonei pelo livro assim que vi está capa. Soube que teria de tê-lo mesmo sem saber sobre o que tratava. Mas confesso que não me arrependi nem um pouquinho. A leitura fluiu facilmente e devorei o livro em pouco tempo.

A trama conta a história de Violet. Ela tem um dom muito peculiar, e que vem sendo bem abordado por esta nova leva de sobrenaturais que anda chegando. Violet pode sentir os ecos da morte deixado por seres assassinados. Quando digo seres é porque não necessitam ser humanos, qualquer animal que tenha sido cassado e morto também vai deixar um eco que ela será capaz de captar.

É uma explicação meio confusa, eu sei, mas vocês terão de ler o livro para entenderem melhor. O fato é que a menina desde criança sente uma incrível atração pelos mortos, e o mais importante, consegue identificar o que causou o óbito.

Mas a importância destes fatos não interessa por enquanto. No momento tudo que vocês precisam saber é do romance mega fofinho que a autora criou entre Violet e Jay, o melhor amigo dela. Eles se conhecem desde a infância, mas algo mudou no último verão e Violet não o vê mais apenas como amiguinho. Eu sei que é clichê, mas achei as cenas deles tão lindas que não tive como não me apaixonar!

Em meio ao drama adolescente do ensino médio e tendo que lidar com a sua recém-descoberta paixão, tudo que ela não precisava era um serial killer a solta matando jovens de sua cidade. E Violet sabe que pode encontrar este assassino. Aí entra toda a importância dos ecos, que ela pode sentir tanto no morto quanto no causador da morte.

Achei fantástica e muito original a ideia de transformar um simples Young Adult em um thriller policial, que me pareceu muito bem escrito. Podemos alternar entre capítulos com Violet e capítulos com o assassino, tendo sua visão sobre os fatos e as mortes.

No geral foi um ótimo livro, que me surpreendeu bastante e eu super recomendo!!

Avaliação (de 1 a 5):

Sophia Bennett – Linhas

Linhas é um lindo conto de fadas moderno. Cativante e emocionante, ele me comoveu desde as primeiras páginas! É uma leitura leve e gostosa, para se ler em apenas um dia e terminar com um sorriso no rosto 🙂

Três amigas muito diferentes encontram em Crow uma estilista mirim que precisa ser ajudada. Nonie adora moda e se veste com looks despojados. Edie quer salvar o mundo e mesmo com modos um tanto rudes, deseja ser diplomata. Jenny é gordinha e recentemente filmou um grande sucesso de hollywood, embora não esteja assim tão empolgada com este mundo de glamour e tapetes vermelhos!

Juntas elas irão descobrir que existem pessoas com problemas muito piores na vida do que seus dramas adolescentes. Crow é uma refugiada de guerra que fugiu de seu país, Uganda. Ela é pobre, mas tem um talento nato para o estilismo. Depois de se encontrarem pelo acaso da vida, as três decidem ajuda-la, principalmente Nonie, que é fã das criações da menina!

A trama tem seus momentos de alegria e tristeza, mas é rica em magia (daquele tipo que nos faz acreditar em contos de fada)! Adorei ler algo onde ninguém se transforma em um ser sobrenatural, a vida é boa e as dificuldades sempre são superadas. Livros assim são ótimos quando você está para baixo e deseja ler algo que te inspire e te motive a acreditar que todos os sonhos podem se tornar realidade!

Não poderia deixar de parabenizar à Intrínseca pela capa maravilhosa (não sei se na original haviam aqueles brilhozinhos lindos que deram um ar muito glam para ela) que me deixou super a fim de ler o livro e me motivou a comprá-lo!

Olhem que fofas as capas estrangeiras!

 

 

 

 

 

Avaliação (de 1 a 5):