Nora Roberts – O Vale do Silêncio

Resenha sem spoilers! Para ler resenha de A Cruz de Morrigan e O Baile dos Deuses, clique sobre os títulos.

Um desfecho muito bom. Assim poderia ser definido o último volume da Trilogia do Círculo, saga que iniciou Nora Roberts no mundo dos vampiros. Estava com altas expectativas em cima deste livro o que sempre atrapalha, até porque o romance que ele abordaria prometia ser o mais espetacular. E foi mesmo um romance lindo, mas ainda senti que poderia ser melhor.

Cian e Moira não poderiam ser mais diferentes e terem abismo maior entre si. Ele é um vampiro antigo, que já viu muita coisa neste mundo e sempre aparenta não ter sentimentos. Já Moira é a rainha de Geall, uma erudita que teve seus pais mortos por outros da espécie de Cian.

O povo de Moira não recebe muito bem o vampiro e encara sua presença como uma ameaça, o que dificulta ainda mais uma aproximação. Mas ele são parte do Círculo de seis, e por este motivo estão destinados a se unirem, mesmo com tanta influência negativa externa.

O livro narra os últimos preparativos para a batalha final contra a poderosa e temida Lilith, acompanhamos mais a vilã neste livro, com passagens dela e seus súditos, o que eu gostei muito. É bacana podermos ver o outro lado da moeda e outros pontos de vista. Adorei especialmente Davey, o “filho” da vampira, que teve um papel importante na trama.

Realmente a única coisa que me desapontou de certa forma foi o romance de Cian e Moira. Por ele ser um vampiro eu estava esperando… não sei, mais alguma coisa, algo que faltou. Bem confuso, eu sei. Mas não consigo precisar o que é, sabem quando sentimos falta de algo e não conseguimos dizer o quê? Foi mais ou menos assim.

Não que não tenham cenas sexy e divinas de amor e paixão, claro que tem é Nora Roberts escrevendo afinal, mas acho que Cian perdeu um pouco a característica da acidez e do sarcasmo, que eu tanto amava, para se tornar um cordeirinho apaixonado muito rápido. O início do caso poderia ser mais lento, trabalhado em fogo brando!

Mesmo assim, como já disse, adorei o livro, achei um final muito bom e entrou para minha galeria de séries da Nora favoritas. O foco diferenciado que ela deu aos vampiros deu um charme especial à Trilogia do Círculo.

Recomendo para os amantes da literatura sobrenatural adulta nada de crianças lendo, ok!

Avaliação (de 1 a 5):

Nora Roberts – O Baile dos Deuses

Este é o segundo volume da Trilogia do Círculo, lançamento recente da maior romancista de todos os tempos, Nora Roberts. Esta é uma história onde Nora se aventura pelo universo sobrenatural dos vampiros. Aqui eles são retratados como seres do mal, que querem o controle absoluto de todos os mundos. A saga se inicia com A Cruz de Morrigan, cuja resenha você pode ler AQUI.

Agora que o círculo já está formado, os seis escolhidos têm uma missão importante a cumprir. Além de se prepararem para o confronto final, eles devem passar pelo baile dos deuses e chegar a Geall, a terra de onde vieram Larkin e Moira, e que não fica neste mundo.

Mas para isso eles terão de enfrentar alguns obstáculos, sendo o maior deles encontrar uma forma de levarem Cian junto. Isso porque ele é um vampiro, e segundo os deuses, estes seres não podem pisar em solo sagrado. E o Baile dos Deuses é um destes locais. Agora o grupo tem que achar uma forma de levá-lo e também de protegê-lo, caso cheguem em Geall durante o dia, quando o sol mataria Cian.

Neste meio tempo, enquanto lutam e fazem preparativos, Larkin e Blair começam a perceber uma forte atração ligando a ambos. Mas o passado, sempre um fator de complicação, de Blair é algo que a impede de sequer pensar em um relacionamento. Ela é forte e destemida, mas tão frágil quanto qualquer outro ser humano, mesmo que faça de tudo para não demonstrar.

E Larkin logo percebe isso, e trata de desarmá-la, camada por camada, para chegar ao coração da bela donzela. Um ser que muda de forma e uma caçadora de vampiros, que bela dupla Nora escolheu para protagonizar este livro!

Como em A Cruz de Morrigan, a autora narra a história alternando os pontos de vista dos dois que formam o casal da vez. Mesmo assim, em alguns momentos a narrativa é feita por outro dos  protagonistas, e até mesmo pela vilã Lilith.

Adorei este livro, acho que o casal teve em bom entrosamento e que Roberts soube mais uma vez prender a atenção do leitor da primeira a última página. E minhas expectativas para o próximo e último volume são as melhores possíveis. Isso porque o último casal é sempre o mais complicado e explosivo nas trilogias de Nora, e Cian e Moira prometem muitas cenas maravilhosas e ação do início ao fim!

O Vale do Silêncio com certeza é uma das minhas próximas aquisições e espero resenhar em breve para vocês. Recomendo altamente esta série para quem ainda não se cansou de vampiros ou quer vê-los descritos sobre uma outra perspectiva.

Avaliação (de 1 a 5):

Nora Roberts – A Cruz de Morrigan

Nora Roberts é uma das minhas autoras favoritas. Também, escritora de mais de 200 romances e autora da Série Mortal, sob o pseudônimo de J. D. Robb, até hoje não encontrei uma obra sequer que não me agradasse. Já li mais de 45 livros da autora e cada dia sou mais fã.

Apesar de falarem que a autora entrou na onda dos vampiros e embarcou no sucesso de Stephenie Meyer, parece que poucos se lembram o quanto Nora já escreveu romances sobrenaturais, como a Trilogia da Magia e a Trilogia do Coração. Sim, esta autora adora trilogias, como esta que hoje vos apresento: a Trilogia do Círculo, iniciada com A Cruz de Morrigan.

Como já deve ter ficado subentendido no parágrafo acima, esta é uma história de vampiros. Sim, mais um clichê. Mas também é uma trama totalmente nova, em que os vampiros não são os mocinhos controlados e adoradores de seres humanos, mas também não são os demônios horrendos e sem coração que temos visto por aí, pelo menos não todos. Claro que os vilões da história são os vampiros, mas o grande feito da autora foi encontrar um meio termo, ou seja: vampiros que possam ser íntegros, mesmo que a raça seja degradante. Mas eu estou me adiantando, afinal o protagonista da história não é nenhum vampiro e sim um feiticeiro.

Hoyt vive no século XII e está devastado com a morte de seu irmão. Sim, porque ao ser transformado em um vampiro, Cian teve seu destino selado para algo pior que a morte. A maléfica Lilith, criadora da raça vampírica, transformou pessoalmente o irmão de Hoyt, despertando-lhe o desejo de vingança. Como exímio feiticeiro, ele crê que poderá derrotar esta força do mal, mas a deusa Morrigan tem outros planos para seu súdito.

Lilith ameaça destruir todos os mundos em todos os tempos: presente, passado e futuro, com sua sede de sangue e poder. E Hoyt é o escolhido para formar um círculo que combaterá e destruirá o mal.

Assim, ele viaja ao tempo presente para recrutar seu irmão, agora séculos mais velho e a bruxa Glenna. Isso porque assim foi determinado: um feiticeiro, uma bruxa, um vampiro, uma erudita, aquele de múltiplas formas e um guerreiro, que formarão o círculo de seis e lutarão para salvar os mundos viu só, ela inovou, não é só salvar este mundo, mas sim todos os muitos outros que existem.

E é de um destes outros mundos que vem a erudita e o de múltiplas formas, Moira e Larkin, que viajaram de Geall para cá se unindo aos outros e treinando para a batalha que se aproxima.

Mas aí você deve estar se perguntando, onde entra o romance nessa história? É claro que não poderia faltar, afinal é Nora Roberts, a rainha do romance, que está escrevendo! Hoyt e Glenna, a bruxa, logo descobrem que tem bem mais em comum do que apenas a magia, e mesmo vivendo em um campo de guerra eles descobrirão que o amor pode surgir dos lugares e situações mais inexplicáveis.

Eu amei o livro, um dos meus favoritos da Nora com certeza. Ela soube explorar muito bem o lado sobrenatural, sem deixar de lado o sentimentalismo que tanto adoro. Seus livros sempre me encantam de uma forma ou de outra, mesmo sendo mais densos e carregados, como este.

O livro dá bastante medo de vampiros, mas também nos faz rir com Cian, um membro da espécie totalmente diferente, muito sarcástico e sensual. Amei ele! Mas também amei Hoyt e Glenna, com seu amor a toda prova o tempo todo.

Muito recomendado, A Cruz de Morrigan foi um excelente início para mais esta saga. Fiquei super ansiosa para ler O Baile dos Deuses, segundo volume que pretendo adquirir em breve.

Avaliação (de 1 a 5):

J. D. Robb – Nudez Mortal

Hoje vou resenhar o primeiro livro de uma das minhas séries favoritas. Para sair um pouco dos livros sobrenaturais e infanto-juvenis, falarei sobre um estilo literário que eu simplesmente AMO, o Romance Policial. Sou fã de Agatha Christie, Sir Arthur Conan Doyle, Harlan Coben e tantos outros. Mas nada me marcou tanto como esta série escrita por Nora Roberts sob o pseudônimo J. D. Robb, a Série Mortal.

“Personagens marcantes, mistérios que nos consomem e um incrível senso de tempo e espaço. A série Mortal é leitura obrigatória para todos.” HARLAN COBEN

“Tanto faz se ela escreve como J. D. Robb ou como ela mesma, eu a amo de qualquer jeito. Ela é uma mulher que simplesmente não consegue escrever uma história ruim. (…) Se você ainda não leu nada da Série Mortal, não perca tempo.” STEPHEN KING

Bem depois destes depoimentos de alto calibre já dá pra perceber que você vai ter que correr para a livraria e agarrar este livro. São caros, eu sei, mas vale MUITO cada centavo (fora que em sebos ou promoções de livrarias dá pra achar bem mais barato). Eu já li 5 vezes este primeiro livro e nunca me canso dos personagens, das cenas, do mistério e do romance.

A trama se passa em 2058, a tecnologia é de ponta. E neste mundo conhecemos a destemida tenente policial Eve Dallas. Ela é forte, corajosa e determinada. Não precisa de nada e de ninguém. Mas o caso em que está trabalhando lhe remota ao passado que ela quer esquecer.

Em meio à investigação ela conhece Roarke (pausa muito muito longa para suspiros). Só digo uma coisa, o cara é um DEUS. Toda mulher iria querê-lo em sua casa. Pena que ele só existe no papel! Rico, lindo, charmoso, sexy e muito misterioso, ele é um dos principais suspeitos dos assassinatos que a tenente investiga.

Agora resta a Eve descobrir se pode ou não confiar nele e enfrentar seus próprios obstáculos internos para quem sabe descobrir um caminho rumo a felicidade.

Não da pra expressar numa resenha a perfeição, complexidade e genialidade desta obra. Nora Roberts é uma diva, um mito da escrita. E com este pseudônimo realmente se superou!

Avaliação (de 1 a 5):