Ken Follett – Queda de Gigantes

Queda de Gigantes, romance de audaciosas 912 páginas, é o primeiro livro da trilogia O Século. Conhecemos através dele os acontecimentos do primeiro terço do século XX, cujo mote central está na Primeira Grande Guerra (ou Primeira Guerra Mundial, como passou a ser conhecida depois) e também na Revolução Russa, que pode ser considerada uma das consequências da guerra.

Bem, vocês já devem ter a ideia clara em suas mentes leitoras de que este é um livro para pessoas que apreciem profundamente a história mundial. Quem não gosta deste assunto, não gostava ou gosta, embora duvide muito que quem está na escola vá ler o livro dessa matéria, dificilmente conseguirá chegar às duzentas páginas, que dirá ao final da obra.

Eu, por outro lado, sempre fui fã do assunto, principalmente a parte que diz respeito à história moderna: os detalhes das Grandes Guerras sempre me fascinaram. Embora não goste de gravar datas, saber como foi que as coisas se sucederam é extremamente satisfatório para minha mente curiosa.

O fato de ter mais de 900 páginas não quer dizer que o livro é uma narrativa monocórdia e exaustiva dos fatos da guerra, muito pelo contrário. De forma brilhante, devo salientar, o autor conseguiu contar uma série de fatos relevantes: os detalhes históricos e muitos  protagonistas reais, envolvendo-os em um romance ficcional que retrata a vida de cinco famílias.

Na Grã-Bretanha conhecemos a família Williams. O pai é um sindicalista, o filho, Billy, trabalha em uma mina de carvão e a filha mais velha, Ethel, trabalha na casa do conde Fitzherbert, dono das terras onde eles moram.

Também acabamos por conhecer a família Fitzherbert, cujo patriarca, o conde, tem uma crença profunda na imutabilidade das classes sociais. Para eles os pobres sempre foram e sempre serão inferiores. Ele é casado com a chatíssima princesa Bea, uma russa que tem tanta beleza quanto frieza em seu coração. Em contraponto à eles, e para salvar a família na minha opinião temos a irmã do conde, uma jovem feminista, que defendo os direitos das mulheres ao voto e cuida de um programa que assiste mães solteiras em Londres.

Nas ruas de Moscou conhecemos Grigori Peshkov, um russo que tem o sonho de ir morar na América arruinado pelo seu irmão inconsequente, Lev Peshkov. Forçado a ficar em seu país, ele acaba sofrendo as consequências dos dias difíceis que estão por vir, enquanto Lev continua ainda mais irresponsável nos Estados Unidos.

É deste país que vem Gus Dewar, assessor do presidente Woodrow Wilson. Ele é um jovem que terá muita influência sobre os acontecimentos futuros, e acompanhamos suas experiências tanto no campo diplomático quanto na vida pessoal.

Para finalizar, da Alemanha, cujo ponto de vista não poderia faltar por motivos óbvios, vem Walter von Ulrich, um jovem idealista, cheio de sonhos e desejos que estão prestes a ser adiados (ou destruídos) pela guerra.

Cada um deles, seus familiares e pessoas próximas, acabam nos contando suas histórias. Conhecemos seus sonhos, medos, desejos mais íntimos e mergulhamos em uma intrincada rede que acaba por conectá-los em um dos eventos mais marcantes e tristes da história da raça humana.

Como pudemos chegar ao ponto onde o orgulho, puro e simples, arrastou milhões de pessoas para a morte cruel e sangrenta, sem honra, sem motivo e sem explicação?

Ken Follet, além de nos dar uma aula de história cuja maioria dos detalhes eu já conhecia nos apresenta personagens cativantes que poderiam muito bem ter existido naquela época. Muitos deles me deram esperanças de que atrocidades como a das Grandes Guerras jamais ocorrerão novamente. Porém, nós humanos, sempre surpreendemos com novos atos injustificados e estúpidos, na maioria das vezes. No final do livro os próprios personagens dizem ter certeza de que não deixariam outra vez uma guerra como aquela acontecer (pensamento que eu tenho certeza que foi real para quem viveu aqueles dias) e nós sabemos muito bem que foi possível sim, apenas alguns anos depois, acontecer coisa ainda pior!

Eu, particularmente, estou muito curiosa para ler o próximo volume, que ainda não foi lançado, pois a Segunda Guerra Mundial é ainda mais fascinante e triste que a primeira. O personagem Adolf Hitler sempre me impressionou muito. Também estou curiosa para saber se o autor, como todo bom americano, irá jogar a culpa toda em cima deste homem. É um crime dizer que apenas uma pessoa demoveu outros tantos milhões a se matarem, embora seja inegável sua grande contribuição. Acho, porém, que o autor não irá fazer tal coisa, pois em Queda de Gigantes ele demonstrou uma imparcialidade pouco vista em obras de ficção que tratam deste assunto.

Seja como for, só tenho a dizer que amei o livro e que recomendo muito para quem, além de conhecer uma história rica e mágica de amor, traições e ganância, quer ter uma noção de como um dia já fomos longe na busca por poder e como podemos evitar que isso aconteça novamente.

Um ponto importante a ser ressaltado é a edição impecável da editora Sextante. Não foi possível a mim encontrar um erro sequer durante toda a leitura, fato que é louvável e merece os devidos créditos.

Avaliação (de 1 a 5):

Anúncios

Volta ao Mundo em Sete Dias #17

Olá pessoal! Escrevo este post após finalizar a leitura de A Breve Segunda Vida de Bree Tanner. Estamos todos em clima de Crepúsculo essa semana e ainda hoje vou ver o filme e conferir se ficou mesmo tão bom como todos comentam!!!

Tenho que confessar o quanto senti saudades da escrita de Meyer e como foi bom ler esta história relacionada ao livro Eclipse. Sinceramente, não esperava gostar tanto assim, mas como sempre me surpreendo com a impecável escrita dessa autora maravilhosa! Só que já chega de falar de Bree, afinal isso é assunto para a minha resenha…

Hoje é dia de contar os fatos da minha semana, e é isso que faço agora. No último final de semana houve evento de O Trono de Fogo em Porto Alegre, mas eu não estava aqui e não pude comparecer. Este findi não teremos encontros, o que é compensado pelo fato de no próximo dia 27 termos um mega evento da Editora Agir com mediação da Guardiã da Meia-Noite, tão bem conhecida na blogsfera gaúcha! Estou muito empolgada com o Richelle Mead no Brasil, série de eventos que a editora está promovendo em todo o país! Como disse, será dia 27 às 15hs na Saraiva do Shopping Praia de Belas, em Poa. Quem puder comparecer, já adianto que sempre nos divertimos muito em nossos encontros!

Falando de leituras, essa semana eu mesma me surpreendi ao listar o que li! Comecei lendo A Promessa de Richard Paul Evans, que já está resenhado e vai ao ar na próxima semana. Depois li Tequila Vermelha do famoso Rick Riordan, também já resenhado e agendado para próxima semana. Depois li Qual Seu Número? de Karyn Bosnak, que por ser livro de parceria pulou na frente dos outros e já está resenhado no blog. Li também Como Treinar o Seu Dragão de Cressida Cowel. Em seguida veio Radiante de Alyson Noel, do qual não esperava gostar muito, mas acabou sendo uma leitura leve e gostosa. Depois teve outro livro de parceria que chegou e “furou a fila”: A Maldição do Tigre, de Colleen Houck, que também terá resenha publicada na próxima semana. E por fim, mas não menos importante, li A Breve Segunda Vida de Bree Tanner da musa Stephenie Meyer. Ufa! Li bastante 🙂

E também recebi bastante coisa, para falar a verdade… Como já adiantei ali em cima, de parceira com as editoras chegaram Qual Seu Número? da Novo Conceito e A Maldição do Tigre da Arqueiro. Fiquei muito feliz com ambos, que são lindos (sério, a capa de A Maldição do Tigre é uma COISA, foi amor a primeira vista) e tem histórias fantásticas, amei demais!

Também recebi O Que Falta Ao Tempo, livro que chegou de uma troca com a fofíssima Luciana Mara, que tem um dos blogs mais divertidos e hiper recomendado por mim, o TOC. Se querem dar boas risadas e encontrar ótimos livros, esse é o lugar!

Além dele, chegaram L.A. Candy – Lauren Conrad, A Casa dos Macacos – Sara Gruen, Amanhã 4: Escuridão, Seja Minha Amiga – John Marsden, O Hipnotista – Lars Kepler e Wereworld: A Origem do Lobo – Curtis Jobling.

Estou louca para ler todos eles, mas vocês sabem que a fila é grande, então talvez demore um pouco para me organizar nesta nova rotina com tantas leituras! Para finalizar, deixo os marcadores lindos que recebi, uns super fofos que a Lu me mandou junto com o livro obrigada querida e o botton lindão que a Arqueiro mandou junto com o livro, simplesmente AMEI *-*

Por hoje era isso. Fiquem de olho porque amanhã tem promoção de Qual Seu Número no ar, e quero ver todos participando! Beijos e até a próxima Volta ao Mundo :*

Volta ao Mundo em Sete Dias #4

Oi pessoal! Aqui estamos em mais um sábado com o post Volta ao Mundo! 🙂

Essa semana chegaram muitos livros legais, alguns até excepcionais, e confesso que já li todos!!! Comecei com Filha da Tempestade, da diva ruiva Richelle Mead, que é fantástico, a autora arrasou mais uma vez. Sério, essa mulher escreve bem demais, o único porém da obra foi a edição mal revisada, que me desgostou um pouco. Também li Estudos sobre Veneno, de Maria V. Snyder, primeiro volume da trilogia “As Lendas de Yelena Zaltana” que me surpreendeu MUITO! Eu esperava um livro bom, mas encontrei uma obra rica, mágica, romântica, um épico!!! Dá pra ver que eu me empolguei com este né?! A resenha já esta pronta e será publicada segunda-feira, aguardem!

Depois, li Terra de Sombras, terceiro volume da série Os Imortais, de Alyson Noel que me deixou chocada com a embromação da autora. Sinceramente, o livro não acrescentou praticamente nada à história, fora o fato de eu achar a Ever ainda mais burra que antes hehehe! Eu recebi o livro de uma troca no Skoob e fiquei feliz demais, a menina me mandou vários marcadores fofos e a obra está novinha em folha. 🙂

Houve também Glimmerglass – o encontro entre dois mundos, de Jenna Black que eu amei e já tem resenha aqui no blog! O livro é lindo, a capa, maravilhosa e o trabalho da editora foi muito bem feito! Eu já falei pra vocês que adoro a Universo dos Livros? Se não, estou contando agora! Os lançamentos deles são ótimos, os livros são bem revisados, as páginas, diagramação, etc. ficam muito lindas e o resultado final é um livro que vale a pena se gastar um bom dinheiro!!!

Ainda li Confie em Mim, mais um romance policial muito bom de Harlan Coben, autor cujas obras eu tenho uma paixão desenfreada! 😀 Falando neste livro, para mostrar a foto dele pra vocês eu tenho convidados especiais essa semana! Fiz uma fotinho (ou melhor, fiz um book, mas tive que selecionar só algumas) de cada um dos dogs que são meus companheirinhos de todos os dias. Sério gente, olhem que coisinhas mais fofas!

Duty

Bidu

Lady e Princesa

Não tem como não se apaixonar né!!! Meu pai tem adoração por Yorkshires e eu convivo com esses amorzinhos todo o dia! 😀 Enfim, estou dando uma de irmã babona, porém a verdade é que os filhotes estão com dois meses e eu babo neles todo tempo, hehe!!! Mas voltando ao mundo dos livros…

Essa semana não tivemos eventos por aqui, eita cidade parada!!! Entretanto, fiquei muito feliz com a divulgação da capa e sinopse do livro Minha Vida Fora de Série, da escritora Paula Pimenta. Não é segredo pra ninguém que eu AMO os livros desta mulher (resenhas aqui) e estou super ansiosa por esta nova série que ela irá lançar na XV Bienal do Livro Rio de Janeiro (invejinha de quem estará lá)!!! O mistério da protagonista finalmente foi revelado, tchan, tchan tchan, tchan:

“Mudar de cidade sempre é difícil, mas fazer isso na adolescência é algo que deveria ser proibido. Como começar de novo em um lugar onde todos já se conhecem, onde todos os grupos já estão formados, onde ninguém sabe quem você é? No começo, Priscila não gosta da ideia, mas aos poucos percebe que pode usar isso a seu favor, tendo a chance de ser alguém totalmente diferente. Mas será que o papel que ela escolheu é aquele que ela realmente quer representar? Aos poucos ela descobre que além da nova cidade, há algo mais importante a se conhecer: ela mesma.”

A capa ficou LINDA DEMAIS, eu amei de paixão!!! E vocês, gostaram? Para quem for sortudo o suficiente e que estará presente na Bienal, o lançamento será dia 10/09, as 16:00 horas no estande P09 da Editora Autêntica/Gutenberg.

Por hoje era isso, acho que já escrevi demais! Só para avisar, comecei a escrever o Book Blogger Hop, as postagens serão no domingo. Então, não esqueçam de dar uma conferida amanhã! Beijos e até a próxima!

Marlena Di Blasi – Mil Dias em Veneza

Mil dias em Veneza é um dos raros exemplos de livros não ficção que eu leio. O romance conta a história da autora Marlena Di Blasi, que viveu mais de mil dias nesta cidade que é a mais romântica e encantadora da Itália.

Confesso que eu morro de curiosidade para conhecer Veneza, porque eu amo a água e deve ser o máximo se locomover exclusivamente navegando! O livro trás ótimas indicações de lugares para se visitar e descrições detalhadas do povo e cultura veneziana. Porém, é justamente isso que me frustrou tanto no livro! Na capa existe uma citação de que a obra é um lindo romance. Mas o que eu pude perceber é que o romance lindo só pode ser da autora com a cidade, e não com Fernando, o veneziano que ela lá encontrou. Para melhor explicar minhas angústias em relação ao livro tenho que explicar melhor a história de Marlena.

Ela é uma renomada chef e crítica culinária e, por isso, sempre viajava muito à Itália. Porém, tomava o cuidado de se manter afastada de Veneza. A pesar do que todos diziam sobre como a cidade era encantadora e ela iria se apaixonar, ela relutava bravamente em conhecer o local. Talvez porque não quisesse se apaixonar pela cidade, talvez por achar que era muito clichê ser mais uma romântica assumida a cair de amores por Veneza. O fato é que, por causa de sua profissão, em uma de suas viagens ela não teve mais como adiar e, ao botar os pés na cidade, imediatamente foi fisgada por sua beleza e simplicidade.

Desde então, todos os anos ela fazia uma viagem até a Itália e nunca deixava de conferir aquele belo lugar. E foi assim que, tomando um café com seus amigos ela conheceu um veneziano tímido e lindo que disse ter se apaixonado a primeira vista por ela em sua viagem passada e que agora que a tinha reencontrado não mais a deixaria partir.

Tenho que confessar que a história é muito romântica e é lindo saber que foi real. Porém o livro é muito maçante, com parágrafos intermináveis que eu senti como se não levassem a lugar algum. Somos apresentados a toda esta história logo no começo e, no decorrer da trama conhecemos as dificuldades de comunicação, a viagem definitiva de Marlena para a Itália e o cotidiano dos dois. Mas parecia que o livro não avançava em direção alguma e terminei com a sensação de ter sido uma leitura que não me trouxe quase nada de útil além de uma história bonita, receitas que eu sei que nunca farei por conterem ingredientes que nunca ouvi falar e descrições de uma bela cidade.

Para alguns, isso já é o suficiente em um livro. Mas, para mim, foi interessante perceber o quanto eu aprendo mais, me interesso mais e aproveito mais uma estória sobrenatural ou um romance de mulherzinha do que uma obra baseada em fatos reais.

Aliás, aproveito aqui para expressar a minha indignação com as pessoas que menosprezam este tipo de leitura e a consideram inferior. Não tem algo que me irrita mais do que ignorarem ou desconsiderarem o fato de eu estar lendo só porque não é algum livro de Tolstoi ou Dostoievski. Porém, é engraçado perceber quantas coisas eu aprendo sobre tudo, sobre cultura, política, ciência e vários outros temas apenas lendo livros que são considerados modinhas ou incultos. Várias vezes já fui questionada sobre diversos temas complexos ou diferentes que soube responder com perfeição e fui indagada sobre como sabia. E geralmente é porque de alguma forma, algum livro que eu li me ensinou sobre isso.

Por isso, vale sempre ressaltar que qualquer forma de leitura é válida, que ler é o melhor dos exercícios mentais, te acrescenta muito mais vocabulário, facilidade em se expressar e se comunicar, te abre portas para todos os lugares do mundo e que tudo é possível quando se está viajando em uma boa leitura.

E, voltando a falar de Mil dias em Veneza, recomendo esta obra para um público mais maduro, que irá entender melhor as situações que a autora viveu e suas dificuldades no amor. No mais, fica a dica de não confiar sempre em tudo que está escrito nas capas, abas e contra-capas dos livros!!!

Avaliação (de 1 a 5):

Harlan Coben – Não conte a ninguém

Amei. Amei. Amei!

Durante esta semana eu estava passando por um momento muito crítico quanto à literatura. Eu não conseguia ler nada. Todos os livros que eu pegava acabavam sendo descartados após vinte páginas. Via defeito em tudo: não gostava da história, da narração, dos personagens, de nada. Vocês devem imaginar como é difícil para uma pessoa como eu, acostumada a ter sempre um livrinho na bolsa para todas as ocasiões ociosas, não conseguir ler. Não sei se era falta de motivação (embora seja difícil porque eu queria mesmo ler), ataque de nervos ou simplesmente eu estava mais crítica em relação à produção literária, mas o fato é que essa abstinência estava me deixando louca.

Foi então que eu vi na minha estante “piscando para mim” este livro de Harlan Coben. Eu já havia lido Cilada e tinha amado, então pensei, por que não? Afinal, já tinha tentado de tudo e nada me motivava a ler. Comecei despretensiosamente e para minha surpresa, após apenas três páginas eu estava fisgada. Não consegui parar. Li no ônibus indo para o trabalho, no horário de almoço, no ônibus da volta e quando cheguei em casa, tinha terminado. Que emoção. E que livro ótimo. O autor confirmou tudo que eu já pensava sobre ele tendo lido apenas uma obra. Que é genial, criativo, envolvente, emocionante, misterioso e cheio de suspense. Sua narrativa é fluida, de fácil compreensão e recheada de ação e suspeitas do início ao fim. O que estava faltando nos outros livros era me prenderem logo no início, adoro tramas que me cativam de imediato!

“Não conte a ninguém” é um romance policial de cinco estrelas para mais. Logo no começo, conhecemos o Dr. David Back e sua esposa Elizabeth, que voltam todo ano ao local de seu primeiro beijo para fazer uma marca na árvore próxima ao lago aonde começaram a sua história (sério, que romântico)! Porém o que eles não esperavam era serem atacados por um serial killer, que fere David e leva Elizabeth embora. Três dias depois, seu corpo é encontrado com diversos sinais de violência e com a letra K marcada a ferro no rosto (marca registrada do assassino). Oito anos se passam e o valente Dr. Beck ainda não consegue levar adiante sua vida sem sua amada. Porém, no dia do aniversário do primeiro beijo, ele recebe um estranho e-mail que pode por a prova sua convicção nos fatos daquele dia macabro. De repente sua certeza de que a mulher está morta começa a ruir e ele entrará numa corrida contra o tempo para provar a polícia que não matou Elizabeth.

Nada disso que eu escrevi é spoiler hein, está tudo na sinopse. O enredo é de tirar o fôlego, a cada nova página uma revelação, um personagem secundário que se mostra muito importante e uma pista para compor um intrigante quebra-cabeça montado por Coben. Não dá para dizer mais muito sobre a história porque a graça de todo o livro está no suspense e no mistério. Só posso recomendar muitíssimo que leiam alguma obra deste autor e se surpreendam com a qualidade de sua escrita.

Avaliação (de 1 a 5):

Água para elefantes – Sara Gruen

Amooooooooooooo este livro! Pronto. Acho que é um ótimo começo para a resenha. Agora vocês já sabem logo de cara que esta obra é imprescindível. Para todas as idades, gêneros, gostos e estilos este é o seu livro. É uma história de amor e sendo assim, é universal.

Jacob Jankowski não é o protagonista bonitão que esperamos na maioria dos romances (não se enganem com o Robert Pattinson na nova capa!), ele tem 93 anos e mora em um asilo. Mas, para ele, sua vida não é aquela e sim a de 70 anos atrás. Você viaja no tempo com Jacob até seus 23 anos, quando órfão, sem dinheiro e sem perspectivas ele encontra no trem do Circo dos Irmãos Benzini um refúgio para seu sofrimento. Não, ele não era pobre nem mendigo, apenas ficou chocado quando descobriu que seus pais morreram em um acidente de carro e que haviam gasto tudo que tinham para pagar a sua faculdade de veterinária. Perturbado ele abandona a universidade sem prestar os exames finais que lhe dariam o diploma e passa a viver com o circo.

E é com 23 anos que ele vive aventuras, romance, paixões e perigos (Robert Pattinson entra na história aqui meninas).

Tio Al, o dono do circo, é um tirano. August, o chefe do setor de animais tem uma forte bipolaridade, ora gentil, ora violento. E além deste transtorno, August ainda possui as duas mulheres da vida de Jacob: Marlena, a bela estrela do número dos cavalos do circo e Rosie, a elefanta aparentemente estúpida que foi adquirida para ser a maior atração do espetáculo. Só problemas para nosso herói, apaixonado pela linda artista casada com um louco e por uma elefanta que não quer aprender números circenses. Ele vive inúmeras aventuras!

Eu me emocionei demais durante todo o livro. Que é narrado do asilo por Jacob velho e alterna passagens de sua juventude com o presente. O final foi tudo de bom, embora eu tenha chorado horrores quando o livro acabou!!! Esta é uma daquelas obras que a gente termina sabendo que as palavras lidas tiveram o poder de te mudar para melhor de alguma forma. Que esta história não pode ser guardada e esquecida e sim compartilhada com o mundo (ainda bem que virou filme, porque existe tanta gente que tem preguiça de ler mas mesmo assim vai ter a oportunidade de conhecer este mundo mágico que Sara Gruen criou).

Eu descobri este livro através de uma resenha da Camila do Leitora Compulsiva, quando ele ainda não era tão famoso. E foi um dos livros mais lindos que li, romântico, original, divertido (porque assim como chorei muito, dei boas gargalhadas com Rosie, a elefanta) e que tem todos os ingredientes de uma boa trama. Vale a pena ler e se deliciar com esta história! E aproveitem que esta nova edição, além de ter esta capa maravilhosa com o Robert e a Reese Witherspoon está em promoção em diversas livrarias 😉

Avaliação (de 1 a 5):

Anne Fortier – Julieta

Julieta de Anne Fortier é MARAVILHOSO! A autora conseguiu, de forma linda e romântica, recriar a maior história de amor de todos os tempos!

Adorei a trama, os personagens, o cenário (incrivelmente bem descrito) e amei ainda mais o conjunto da obra.

Julie é uma mulher doce e preocupada com os outros, bem diferente de sua irmã, que adora tirar vantagem de todas as situações. Ambas foram criadas por sua tia nos Estados Unidos, depois que seus pais morreram quando elas eram crianças, em seu país de origem, a Itália. Mas com a morte de sua tia, tudo muda para Julie. Ela descobre que sua herança é apenas uma pista para um tesouro secreto da família que estaria na Itália. Enquanto isso sua irmã ficou com a casa da tia e tudo que havia nela (injustiças da vida). Assim ela parte para seu país natal em busca de respostas para a estranha e misteriosa história de sua família.

Ela descobre que na verdade seu nome é Giulietta Tolomei e que ela descende da verdadeira Julieta de Sheakespeare. E para esquentar as coisas existe ainda Romeo Marescotti.

O enredo é recheado de ação, aventura e romance. A narrativa mescla o presente com a história original de Romeo e Giulietta. Dá pra perceber que a autora pesquisou a fundo a cultura, lendas e cidades italianas. O resultado foi um livro perfeito, doce, cativante e emocionante!

Torci muito por Julie, sofri com ela e fiquei mega curiosa com os mistérios que foram surgindo ao longo dos capítulos. Mas não pensem que esta obra é só romance não! Na maior parte do tempo reina o estilo policial (e um romance policial dos bons)!!!

Enfim, fica a dica de uma ótima leitura que irá te encantar e emocionar assim como a mim. Sem contar que esta capa ficou um arraso, amei!

Avaliação (de 1 a 5):

Previous Older Entries