Richelle Mead – O Beijo das Sombras

Eu sou muito apaixonada por Vampire Academy e, por isso, demorei tanto para escrever as resenhas dos seis volumes que compõe a saga. Toda vez que sento na frente do computador e começo a escrever me faltam palavras para explicar o amor que tenho por estes livros da Tia Richelle! E parece tão difícil por no papel ou tela, no caso toda a complexa trama criada pela autora, que descreve minuciosamente uma sociedade nova e rica em detalhes sobre estes seres sobrenaturais fascinantes que são os vampiros.

Explicar VA seria mais ou menos com tentar explicar Harry Potter, um mundo totalmente novo e cheio de ação. Porém, esta série é muito mais adulta do que HP e, logicamente, não tão maravilhosa, fantástica e perfeita (por mais que eu adore de verdade VA, Harry Potter é sempre o amor maior no meu coração ).

Mas chega de divagação e vamos à história. No primeiro volume, o qual eu me recuso a chamar de O Beijo das Sombras pelo resto dessa resenha, somos apresentados à Academia de Vampiros St. Vladimir e ao universo dos Moroi, Strigoi e Dhampirs ou dampiros, na tradução.

Os Strigoi são vampiros mortos, sem alma e sem magia, que se alimentam de sangue humano matando suas presas. A alegria da “vida” deles é destruir os Moroi, portanto podemos concluir logo de cara que eles são os vilões da história. Os Moroi são o oposto dos Strigoi, são vampiros vivos, que tem uma alma e por isso podem fazer magia e se alimentam de sangue humano sem matar (usando, para este fim, os fornecedores: humanos que se oferecem para doar sangue, pois a mordida de um vampiro é viciante e causa muito prazer).

Por fim, os protagonistas da história, que inacreditavelmente não são vampiros: os dhampirs. Um dhampir é fruto do relacionamento de um Moroi com um humano. Podem ser descritos, literalmente, como meio-vampiros, sendo humanos, mas com força e habilidades fora do comum.

Há muitos anos é travada uma guerra entre Moroi e Strigoi, e com a matança da raça de vampiros mágicos os únicos que poderiam criar novos dhampirs surgiu a necessidade de uma aliança entre Moroi e meio-vampiros. Assim surgiram os Guardiões e a tradição de que todos os dhampirs seriam educados e treinados para proteger a raça Moroi.

E é neste contexto que eu abreviei ao máximo que conhecemos Rose Hathaway, uma dhampir, e Lissa Dragomir, uma princesa Moroi, que fugiram da Academia e foram se aventurar pelo mundo a fora. Durante dois anos elas conseguiram se esconder, mas o livro começa quando são capturadas por um Guardião dhampir lindo, sexy, charmoso, perigoso e tuuudo de bom chamado Dimitri e levadas de volta para St. Vladimir.

Rose foi treinada a vida toda sabendo que seria a Guardiã de Lissa. Por isso, a vida da amiga sempre estará em primeiro lugar e ela deve abrir mão de qualquer desejo em prol do trabalho de protegê-la dos Strigoi.

As duas compartilham um laço mágico muito importante e raro, Rose pode entrar na mente de Lisa e ver o que a outra vê, sentir o que ela sente, mas sem interferir.

Quando voltam para St. Vladimir, todos acreditam que a fuga foi uma inconsequência da juventude, mas não é bem assim. Existem mistérios envolvendo a magia dos Moroi que colocam Lissa e Rose, consequentemente em grande perigo.

Para apimentar um pouco as coisas, Richelle inseriu na trama o Guardião mais perfeito e desejável do universo. Dimitri Belikov é o responsável pela guarda de Lisa até que Rose se forme e também é o responsável pelo treinamento da dhampir. A química entre os dois é inegável, e mesmo com a grande diferença de idade e hierarquia, chovem faíscas nos breves contatos que eles têm.

O que posso dizer sobre Dimitri: ele é minha maior paixão literária, ele é um cara tudo de bom, ele é certinho demais, ele é PERFEITO *-* E Rose não fica nem um pouco para trás! Quando conheci Katniss Everdeen, só posso dizer que ela muito me lembrou Rose, as duas são duronas, cabeça-dura e não tem nada daquelas protagonistas bobinhas e manhosas! Quando Rose Hathaway quer uma coisa, ela vai atrás 🙂

O ritmo da narrativa, as emoções, mistérios, surpresas e reviravoltas fazem deste livro um must read. Para quem já leu a série, não deve achar este um dos volumes mais legais, e não é mesmo. Mas para chegar aos outros é necessário haver toda a introdução que Richelle fez em Academia de Vampiros.

Sem sombra de dúvidas esta é uma série de livros que eu recomendo de olhos fechados. São livros para ler e reler várias vezes, apreciando cada vez mais a mitologia incrível que a autora colocou nas obras.

Para quem não conhece toda a série, os títulos já publicados aqui no Brasil são:

  • O Beijo das Sombras (Vampire Academy)
  • Aura Negra (Frostbite)
  • Tocada pelas Sombras (Shadow Kiss)
  • Promessa de Sangue (Blood Promise)

E a série conta com mais dois volumes (ambos lançados em 2010) que eu já li o/:

  • Spirit Bound
  • Last Sacrifice

Leiam e se deliciem com esta história, sexy, divertida, emocionante e empolgante!

Avaliação (de 1 a 5):

Anúncios

Nora Roberts – O Vale do Silêncio

Resenha sem spoilers! Para ler resenha de A Cruz de Morrigan e O Baile dos Deuses, clique sobre os títulos.

Um desfecho muito bom. Assim poderia ser definido o último volume da Trilogia do Círculo, saga que iniciou Nora Roberts no mundo dos vampiros. Estava com altas expectativas em cima deste livro o que sempre atrapalha, até porque o romance que ele abordaria prometia ser o mais espetacular. E foi mesmo um romance lindo, mas ainda senti que poderia ser melhor.

Cian e Moira não poderiam ser mais diferentes e terem abismo maior entre si. Ele é um vampiro antigo, que já viu muita coisa neste mundo e sempre aparenta não ter sentimentos. Já Moira é a rainha de Geall, uma erudita que teve seus pais mortos por outros da espécie de Cian.

O povo de Moira não recebe muito bem o vampiro e encara sua presença como uma ameaça, o que dificulta ainda mais uma aproximação. Mas ele são parte do Círculo de seis, e por este motivo estão destinados a se unirem, mesmo com tanta influência negativa externa.

O livro narra os últimos preparativos para a batalha final contra a poderosa e temida Lilith, acompanhamos mais a vilã neste livro, com passagens dela e seus súditos, o que eu gostei muito. É bacana podermos ver o outro lado da moeda e outros pontos de vista. Adorei especialmente Davey, o “filho” da vampira, que teve um papel importante na trama.

Realmente a única coisa que me desapontou de certa forma foi o romance de Cian e Moira. Por ele ser um vampiro eu estava esperando… não sei, mais alguma coisa, algo que faltou. Bem confuso, eu sei. Mas não consigo precisar o que é, sabem quando sentimos falta de algo e não conseguimos dizer o quê? Foi mais ou menos assim.

Não que não tenham cenas sexy e divinas de amor e paixão, claro que tem é Nora Roberts escrevendo afinal, mas acho que Cian perdeu um pouco a característica da acidez e do sarcasmo, que eu tanto amava, para se tornar um cordeirinho apaixonado muito rápido. O início do caso poderia ser mais lento, trabalhado em fogo brando!

Mesmo assim, como já disse, adorei o livro, achei um final muito bom e entrou para minha galeria de séries da Nora favoritas. O foco diferenciado que ela deu aos vampiros deu um charme especial à Trilogia do Círculo.

Recomendo para os amantes da literatura sobrenatural adulta nada de crianças lendo, ok!

Avaliação (de 1 a 5):

Stephenie Meyer – A Breve Segunda Vida de Bree Tanner

Tia Stephie, como senti saudades da sua escrita! Sério gente, a mulher arrasa, conseguiu me deixar presa até mesmo à um livro pequeno, do qual eu já sabia o final e inclusive tinha ciência de que iria ser triste! Este é um fato que nunca imaginei ser possível, mas como eu disse, a mulher arrasa.

Eclipse não é nem de perto meu livro favorito da saga Crepúsculo, só perdendo para Lua Nova fala sério Meyer, como você pôde tirar o Edward de cena por mais de meio livro? Depois de ler o Guia Oficial da série e descobrir que Lua Nova e Eclipse não estavam nos planos originas da autora, que só tinha Crepúsculo e Amanhecer em mente, cheguei a conclusão que estes dois livros que foram colocados no meio só serviram de anticlímax ao desfecho. Só que agora que li A Breve Segunda Vida de Bree Tanner até gostei de Eclipse existir, senão teria perdido uma ótima história pelo ponto de vista de um vampiro recém-nascido!

Bree é uma personagem que aparece apenas em alguns instantes de Eclipse, e se você já leu a saga de Bella e Edward, sabe o triste desfecho da garota. Achei que isso iria tornar a leitura chata ou sem sentido, por isso relutei em lê-lo e só fui comprar agora, mais de um ano depois do lançamento.

“Para ser bem honesta comigo mesma, eu me transformara numa perfeita vampira nerd. Seguia as regras, não causava problemas, convivia com os garotos menos populares do grupo e sempre voltava cedo para casa.”

Página 35

Ledo engano meu… Fiquei grudada as páginas, exatamente como fiz em Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse e Amanhecer. Meyer é mesmo um gênio da escrita!

Já começamos o livro com uma Bree “madura” em sua vida de vampiro. Depois de ser transformada ela aprendeu que grupos do “exército” de Riley evitar e como sobreviver a esta nova vida sem chamar atenção para si.

“Pensei em como as pessoas eram estúpidas, em como não enxergavam, e me senti feliz por não ser um dos ignorantes.”

Página 23

“Eu havia terminado de ler Hale. Peguei os doze livros seguintes na prateleira; isso me ocuparia por uns dois dias.”

Página 29

Logo no início ela descobre que é possível confiar em um vampiro e faz uma parceria com Diego, o segundo no comando de Riley. Através da visão dos dois sobre os vampiros, ficamos sabendo melhor todas as artimanhas e mentiras que Victoria usou para criar o bando de recém nascidos e as táticas de controle que tinha sobre eles.

“Eu não apoiava Riley porque suas promessas soavam como mentiras.”

Página 117

“A intenção não era destruir o bando dos de olhos amarelos? A palavra chave deveria ser ‘união’, então por que ele agora acenava com um prêmio tão cobiçado, um troféu que só um vampiro poderia ter? O único desfecho garantido daquele plano seria uma humana (Bella) morta. Eu conseguiria pensar em meia dúzia de maneiras mais produtivas para motivar aquele exército. Quem matasse mais dos olhos amarelos ficaria com a garota. Quem mostrasse mais cooperação com a equipe levaria a garota. Quem cumprisse o plano mais à risca. Quem melhor seguisse as ordens. O foco deveria ser o perigo, e ele não estava na humana, definitivamente.”

Página 158

Eu passei voando pelas páginas, e a cada uma delas minha tristeza aumentava pelo desfecho que eu sabia que viria. Como Stephenie diz no seu comentário de abertura, gostaria que a história escrita fosse outra, se ela pudesse voltar, acho que não daria uma segunda vida tão breve a Bree.

“De um jeito estranho, era como se fôssemos duas pessoas casadas há muito tempo. Nunca conversávamos, mas ainda assim fazíamos tudo juntos.”

Página 131

Recomendo totalmente aos fãs da série, esta é uma leitura indispensável! Para que não leu os livros da saga Crepúsculo, eu não recomendo começarem por este, pois não irão entender um bocado de coisas.

Como sempre a Editora Intrínseca está de parabéns pela edição, por manter a capa original, que é linda e como todas as outras representa muito bem o contexto do livro.

Avaliação (de 1 a 5):

Nora Roberts – A Cruz de Morrigan

Nora Roberts é uma das minhas autoras favoritas. Também, escritora de mais de 200 romances e autora da Série Mortal, sob o pseudônimo de J. D. Robb, até hoje não encontrei uma obra sequer que não me agradasse. Já li mais de 45 livros da autora e cada dia sou mais fã.

Apesar de falarem que a autora entrou na onda dos vampiros e embarcou no sucesso de Stephenie Meyer, parece que poucos se lembram o quanto Nora já escreveu romances sobrenaturais, como a Trilogia da Magia e a Trilogia do Coração. Sim, esta autora adora trilogias, como esta que hoje vos apresento: a Trilogia do Círculo, iniciada com A Cruz de Morrigan.

Como já deve ter ficado subentendido no parágrafo acima, esta é uma história de vampiros. Sim, mais um clichê. Mas também é uma trama totalmente nova, em que os vampiros não são os mocinhos controlados e adoradores de seres humanos, mas também não são os demônios horrendos e sem coração que temos visto por aí, pelo menos não todos. Claro que os vilões da história são os vampiros, mas o grande feito da autora foi encontrar um meio termo, ou seja: vampiros que possam ser íntegros, mesmo que a raça seja degradante. Mas eu estou me adiantando, afinal o protagonista da história não é nenhum vampiro e sim um feiticeiro.

Hoyt vive no século XII e está devastado com a morte de seu irmão. Sim, porque ao ser transformado em um vampiro, Cian teve seu destino selado para algo pior que a morte. A maléfica Lilith, criadora da raça vampírica, transformou pessoalmente o irmão de Hoyt, despertando-lhe o desejo de vingança. Como exímio feiticeiro, ele crê que poderá derrotar esta força do mal, mas a deusa Morrigan tem outros planos para seu súdito.

Lilith ameaça destruir todos os mundos em todos os tempos: presente, passado e futuro, com sua sede de sangue e poder. E Hoyt é o escolhido para formar um círculo que combaterá e destruirá o mal.

Assim, ele viaja ao tempo presente para recrutar seu irmão, agora séculos mais velho e a bruxa Glenna. Isso porque assim foi determinado: um feiticeiro, uma bruxa, um vampiro, uma erudita, aquele de múltiplas formas e um guerreiro, que formarão o círculo de seis e lutarão para salvar os mundos viu só, ela inovou, não é só salvar este mundo, mas sim todos os muitos outros que existem.

E é de um destes outros mundos que vem a erudita e o de múltiplas formas, Moira e Larkin, que viajaram de Geall para cá se unindo aos outros e treinando para a batalha que se aproxima.

Mas aí você deve estar se perguntando, onde entra o romance nessa história? É claro que não poderia faltar, afinal é Nora Roberts, a rainha do romance, que está escrevendo! Hoyt e Glenna, a bruxa, logo descobrem que tem bem mais em comum do que apenas a magia, e mesmo vivendo em um campo de guerra eles descobrirão que o amor pode surgir dos lugares e situações mais inexplicáveis.

Eu amei o livro, um dos meus favoritos da Nora com certeza. Ela soube explorar muito bem o lado sobrenatural, sem deixar de lado o sentimentalismo que tanto adoro. Seus livros sempre me encantam de uma forma ou de outra, mesmo sendo mais densos e carregados, como este.

O livro dá bastante medo de vampiros, mas também nos faz rir com Cian, um membro da espécie totalmente diferente, muito sarcástico e sensual. Amei ele! Mas também amei Hoyt e Glenna, com seu amor a toda prova o tempo todo.

Muito recomendado, A Cruz de Morrigan foi um excelente início para mais esta saga. Fiquei super ansiosa para ler O Baile dos Deuses, segundo volume que pretendo adquirir em breve.

Avaliação (de 1 a 5):

Volta ao Mundo em Sete Dias #6

Olá queridos leitores! Prontos para mais uma Volta ao Mundo? Momento animadora de festa infantil!

Primeiro, me desculpem a demora para colocar o post no ar. Eu passei o dia hoje na Expointer e cheguei moída em casa. Para quem não é aqui do RS, Expointer é uma multi-feira enorme que acontece todo ano. Confesso pra vocês que eu nunca tinha visto tantos humanos reunidos em um lugar aberto antes. :O

Enfim, vamos ao que interessa, que é a minha semana literária. Essa semana eu terminei de ler A Guardiã da Minha Irmã, que eu super recomendo e já tem resenha aqui no blog. Depois li Amante Consagrado, sexto volume da série Irmandade da Adaga Negra. Eu amo essa série, uma das melhores com o tema vampiro e aqui no blog eu já coloquei resenha do primeiro e do segundo volume. Espero em breve atualizar as resenhas dos demais 😉

Na sequencia li Personal Demons – Pecado Original, de Lisa Desrochers, que é o segundo volume da série de mesmo nome e traz como tema anjos e demônios, na eterna batalha do bem contra o mal. É uma trama bem legal que está mais que recomendada. Aguardem resenha em breve e leiam aqui o post que eu fiz sobre o primeiro volume, Personal Demons – Amor Infernal.

No momento estou lendo e me debulhando em lágrimas também Pequena Abelha, do autor Chris Cleave. É uma história triste a comovente, muito emocionante e muito bem narrada. Estou mais ou menos na metade do livro, então ainda não posso dar uma definição exata para a obra, que por enquanto está maravilhosa!

Sobre o que chegou essa semana, recebi vários livros lindos, que espero ler em breve!

– A Batalha do Labirinto, Rick Riordan (troca no Skoob)

– Amor em Minúscula, Francesc Miralles (troca no Skoob)

– Longe demais, Jeniffer Echols

– Amante Consagrado, J. R. Ward

Enquanto estamos aqui, alguns como eu matando tempo na Expointer, outros em casa lendo, a Bienal do livro está rolando solta no Rio e tenho uma pontadinha de inveja a cada post que vejo de blogueiros que estão lá super felizes, hehehe! Espero que todo mundo aproveite bastante e compre muitos livros, descole muitos autógrafos, brindes e marcadores!!!

Essa semana vai ao ar a primeira promoção do blog (finalmente, finalmente)!!! Eu espero que vocês gostem dos prêmios e participem 😉 Confesso que ainda não tinha colocado a promo no ar porque ficava esperando para ler e resenhar o livro que irei sortear, mas agora percebi que não vou conseguir lê-lo tão cedo, então vou sortear logo de uma vez, hahaha! Fiquem de olho no post da promo e sigam as regras que não têm erro. Serão três ganhadores e eu acho que ficaram muito lindos os kits que vou mandar para algum sortudo ou sortuda.

Por hoje era isso, espero que tenham gostado e me contem sobre as suas próprias Voltas ao Mundo da Leitura! Beijos.

Deborah Harkness – A Descoberta das Bruxas

Um dos melhores do ano! Uau, estou cansando de falar isso mentiiiira, tragam mais livros maravilhosos, eu faço um top twenty não tem problema!!! Me apaixonei perdidamente pelo enredo deste livro. A capa e a proposta me encantaram desde o início e quanto mais lia, mais empolgada e emocionada ficava. Esta é uma obra em que a autora soube dosar ingredientes maravilhosos, que acabaram por formar um resultado muito rico. Fantasia, magia, suspense, aventura, ação, mistério, tudo isso vem embrulhado em uma capa maravilinda e com uma espessa cobertura de romance. 😀 Preciso dizer que amei?

O livro nos conta a saga de Diana Bishop, uma historiadora órfã que renegou sua magia desde muito pequena. Ela é uma bruxa, nascida da união de duas famílias poderosíssimas e tradicionais. Porém, todo o poder que seus pais tinham não foi o suficiente para livrar-lhes do destino cruel que os esperava. Por causa disso, Diana aprendeu a odiar, ou pelo menos suprimir sua magia. Claro, haviam pequenas exceções: quando sua máquina de lavar ameaça inundar o apartamento, você não tem muito o que fazer não é?!

Como disse, ela é uma historiadora que já publicou diversas pesquisas sobre alquimia. E é pesquisando para mais uma publicação que Diana encontra, por acidente, um antigo manuscrito (o Ashmole 782) cujo teor ela logo identifica como enfeitiçado. Temendo a magia contida nele, a moça o devolve à biblioteca, sem saber que quebrou o feitiço que há muitos anos o mantinha escondido. Por esta razão, Diana logo se vê perseguida por várias criaturas: vampiros, bruxas e demônios estão a sua caça, imaginando que ela pode resgatar novamente aquele precioso manuscrito.

É assim que ela conhece Matthew Clairmont, um poderoso vampiro que também quer o manuscrito, mas logo descobre que deseja bem mais a segurança daquela bela bruxa. Assim, eles viverão muitas aventuras a procura de respostas. Afinal, porque o Ashmole 782 é tão importante? O que realmente aconteceu com os pais de Diana? Porque ela detesta tanto a magia?

Você deve ter pensado que o roteiro parece clichê, mas acreditem no que eu digo, clichê é o que menos há neste livro. Eu amei cada página desta obra, babei na história e me confortei quando soube que era uma trilogia, porque não queria parar de ler sobre esse novo mundo criado por Deborah Harkness tão cedo!

A única crítica que eu faço não tem nada a ver com o enredo nem com a escrita da autora, mas sim com a Editora Rocco. Não é segredo para ninguém que a Rocco vende seus livros como se fossem feitos de ouro. Em minha opinião, eles acham que no Brasil quem tem o hábito de leitura é muito rico e pode pagar R$ 50,00 ou R$ 60,00 por um livro. Alôoooou, não é bem assim!!! Mas eu não sou de ficar chorando pelo preço se o livro é bom (vide série Outlander), só que existem certos cuidados indispensáveis na hora de publicar uma obra pela qual você irá cobrar os olhos da cara. Uma delas é revisar muito bem o livro!

Falta de palavras, palavras com grafia errada ou erros de concordância não são aceitáveis. Apesar de não serem muitos, me incomodaram. Outra coisa que eu achei o fim foi o tamanho da letra. Sério, não tenho problemas de visão meus olhos vão muito bem, obrigada, mas estou com medo de ficar míope após essa leitura. Sinceramente, demorei uns dois dias a mais para ler por causa da letra, que tornou a obra muito cansativa! Uma história desse porte merecia coisa melhor!!! Eu sei que o livro já é grande com essa letra miúda, mas já que iam cobrar caro, que cobrassem R$ 10,00 a mais e colocassem uma fonte mais agradável aos olhos.

É chato ficar se lamuriando, eu sei. E este livro nem merecia ter dois parágrafos negativos tão grandes associado a ele. O porém é que esta editora é uma das poucas que raramente ou nunca leva em consideração a opinião de seus leitores, cobra fortunas pelos títulos publicados, não faz promoções quase nunca e me sinto explorada pelos preços abusivos deles levando para casa uma obra que poderia ser bem melhor. Sim, estou desabafando (isso levando em consideração o nome ridículo que eles colocaram no último livro de Jogos Vorazes e que se recusam a mudar)!

Mas chega de falar de coisas ruins, porque mesmo com tudo isso que escrevi, EU TOTALMENTE RECOMENDO “A DESCOBERTA DAS BRUXAS”! Vale a pena pagar caro, se estressar com o tamanho da letra e etc. só para poder mergulhar neste mundo mágico criado por Deborah Harkness. 😀 Como eu já disse momento redundância este foi um dos melhores livros do ano e deixo o lembrete: corram para as livrarias, não percam tempo: leiam, leiam, leiam!!! Cariocas e demais pessoas que vão na bienal, aproveitem para autografar o livro com a autora seus sortudos!

Avaliação (de 1 a 5):

Guillermo Del Toro e Chuck Hogan – A Queda

A Queda é o segundo volume da Trilogia da Escuridão, lançada aqui no Brasil pela editora Rocco. Essa série aborda o tema vampiros sobre uma ótica totalmente diferente da vista em Young Adults ou romances eróticos, que também falam muito sobre estes seres. Ao contrário da maioria, estes são livros de terror. Para entender melhor a trama, leia a resenha do primeiro volume aqui.

ATENÇÃO, SE VOCÊ NÃO LEU NOTURNO ESTA RESENHA PODE CONTER SPOILERS!!!

Depois de enfrentar Sardu e descobrir que ele é ainda mais poderoso e indestrutível do que imaginavam o Dr. Abraham Setrakian e o Dr. Ephraim Goodweather, junto com Nora, Vasiliy e Zack, estão se protegendo como podem em uma NovaYork sitiada.

A onda de crimes e mortes piora a cada dia, mas com a influência de Palmer a mídia e o governo continuam omitindo os fatos e tentando passar uma segurança inexistente à população.

Para os personagens centrais a situação está indo de mal a pior. Depois que a mãe de Zack, ex-mulher de Eph, virou uma vampira, ela deseja ardentemente transformar o filho para que ele lhe faça companhia em sua nova existência como parasita vampiresca.

Nesse meio tempo, o grupo precisa achar uma fonte de esperança na salvação, que aparece na forma de um livro muito antigo, raro e valioso. Só que consegui-lo não irá ser fácil.

Os pontos positivos da obra foram o desenvolvimento muito bom dado aos personagens já existentes, as maiores explicações sobre o vampirismo ser um vírus parasitário e sobre como este vírus surgiu. Os Antigos, vampiros que não querem se expor ao mundo e estão por aqui desde os primórdios também foram uma parte nova e instigante da trama.

A narrativa continua sendo aterrorizante, de dar medo em cada página! Eu só conseguia ler durante o dia!!!

Achei alguns trechos muito parados ou monótonos, apesar de toda a ação que os autores quiseram passar. Este não é o tipo de livro que eu recomendo a qualquer leitor, tem que ter estômago forte e gostar de filmes do tipo Blade e Hellboy (que foram dirigidos por Del Toro), afinal o livro é exatamente assim.

Avaliação (de 1 a 5):

Previous Older Entries