Siobhan Vivian – Não sou este tipo de garota

Gostei desse livro mais do que esperava!

O bom de iniciarmos uma leitura sem qualquer expectativa (como no meu caso com Não sou este tipo de garota), é que a probabilidade de nos surpreendermos positivamente é enorme! Mesmo que seja uma surpresinha, é sempre melhor do que nada, não é mesmo?!

No meu caso, li tanto resenhas positivas quanto negativas da obra em questão, que me fizeram ter curiosidade o suficiente para pedi-la à editora. Achei, falando francamente, que tenderia para o lado das resenhas negativas, pois o livro parecia ter uma proposta rasa e muito juvenil.

Porém, como já disse, acabei sendo levada pela narrativa e terminei o livro super rápido. Natalie Sterling me conquistou como protagonista e a trama foi bastante envolvente.

Conhecemos a história desta garota, que não é uma típica estudante do ensino médio. Natalie, muito pelo contrário, tem ótimas notas, almeja um futuro de sucesso, estuda bastante e o principal: não está nem aí para garotos.

Como o próprio título já diz, ela não é AQUELE tipo de garota. Entretanto, o principal questionamento do livro é até onde podemos dizer que o comportamento das jovens nessa fase da vida é errado.

Natalie começa seu último ano letivo e se depara com uma caloura de quem foi babá. Spencer tem um comportamento extremamente vulgar, e o justifica dizendo que não é correto que a escola iniba seus instintos sexuais e mais um monte de baboseiras.

Natalie tenta ajudá-la de várias formas, mas acaba se vendo do outro lado da moeda. Se na superfície ela tenta mostrar a todos o quanto é boa moça e agradar aos professores, por trás da aparência ela acaba se apaixonando por um garoto que vai contra tudo que ela acredita.

Connor é um dos populares da escola. Muito cobiçado pelas garotas, ele não tem quase nada a ver com Natalie. Apesar de ser rico, não deseja fazer faculdade e não pode ter com ela os altos papos cabeça tão desejados pela moça. Mesmo assim, a paixão não escolhe hora e nem lugar para aparecer…

Assim o ano vai passando e a protagonista não sabe o que fazer. Ela fica cada vez mais distante da melhor amiga, não consegue se dedicar as atividades extracurriculares e está cada vez mais próxima de Connor.

Acho que o slogan do livro “a linha entre o certo e o errado foi distorcida” se aplica muito bem à obra. Eu, pessoalmente, refleti bastante durante a leitura sobre o que considero certo e errado.

Ficou bem óbvio que a autora quis passar a idéia de que se focar somente nos estudos e julgar mal quem não faz o mesmo é uma coisa errada. Porém, não sei se consigo concordar com essa premissa. Sim, acho que devemos nos divertir durante a juventude e sim, acho que algumas atitudes da Natalie no livro expressam bem isso. Mas, me questiono se não é por incentivar os jovens a pensar dessa forma que as coisas estão como estão. Eu saí do ensino médio não faz muito tempo e só posso dizer que as coisas estão feias por lá.

Quem sabe se o mundo não abrigasse um pouco mais de Natalies não tivéssemos mais jovens empregadas, mais gente buscando se profissionalizar e não se contentando com pouca coisa.

Me lembro bem que, na minha escola, o objetivo de todos era sempre ter a nota da média. Apenas o suficiente para passar de ano. Enquanto isso, meu objetivo sempre foi a nota máxima. Obviamente, nem sempre eu conseguia, mas isso não quer dizer que eu iria almejar menos do que um 10!

Enquanto lia, pensava em tudo isso, e mesmo torcendo por Connor e Natalie, não pude deixar de analisar a mensagem que Siobhan Vivian quis passar com o livro.

Enfim, além da história legal, o livro rendeu uma bela reflexão, o que é sem duvidas estimulante e já faz Não sou este tipo de garota valer a pena. Recomendo!

Avaliação (de 1 a 5):

Anúncios

Michael Grant – Gone: O Mundo Termina Aqui

Wow, livro pesado à vista! Atenção, se você não tem estômago forte e não aguenta cenas tensas, esquece, não precisa nem ler a resenha porque esse livro não é para você!!!

Gone retrata um mundo quase apocalíptico onde todos com mais de quinze anos fazem puf em um belo dia e desaparecem! Do nada você está na sala de aula ouvindo a lenga-lenga do professor, e no outro ele desaparece no ar, faz puf e some!

Essa é a realidade dos habitantes de Praia Perdida, que agora se vêem sozinhos, tendo que cuidar das crianças mais novas e tentar sobreviver ao caos que se instala. Sam, Astrid e Link são colegas que se unem para, num primeiro momento, achar o irmão da garota que é autista e está desaparecido. O Pequeno Pete é uma criança que não pode ficar sozinha por muito tempo e eles resolvem sair à caça do garoto.

Graças a essa busca eles descobrem que existe uma barreia cercando uma extensão de 32km em volta da Usina Nuclear de Praia Perdida e que a cidade está isolada por causa desta barreira. Com isso, os valentões do colégio, além de darem o nome LGAR à esta área onde estão presos, também se sentem no direito de tomar conta do pedaço.

Mas se vocês estão achando que isso significa que o livro é infanto-juvenil, estão muito enganados. O autor trabalha muito as reações psicológicas pelas quais os humanos mesmo que ainda crianças passam ao enfrentar uma situação de extrema dificuldade. Surgem os violentos, a tortura e a morte.

Isso até ficou meio irreal na trama, porque é difícil visualizar crianças de 12 ou 13 anos tão cruéis, assassinando a sangue frio e ainda fazendo coisas bem piores. Michael Grant não poupa descrições sangrentas de acidentes, detalhes que você nem imaginava que poderiam existir e que, definitivamente, não precisa saber.

O livro é muito bom na medida que trás um tema novo, no estilo Lost, onde os personagens devem procurar pistas e sempre vão surgindo mistérios a ser desvendados. Além disso, como citei antes, o trabalho psicológico que podemos ver na trama é surpreendente, eu ficava me perguntando toda hora: como seria se isso acontecesse comigo? Como seriam as reações dos outros, será que ficariam assim?

Algumas respostas são dadas ao longo das mais de 500 páginas e outras só teremos na continuação: Fome. Mas garanto que o final é bastante satisfatório. Digo satisfatório no sentido de respostas, mas não no sentido de concordância com o resto do livro. Achei muito besta da parte de Sam deixar as coisas como ficaram. Realmente é forçar a barra dar o final que o autor deu, e só por isso o livro perdeu uma estrela.

Mesmo assim, recomendo o livro: é uma ótima dica de YA book. Porém, só leia se realmente tiver entendido o que eu disse no primeiro parágrafo: o livro não é pra qualquer um!

Sobre a série: Gone já possui quatro livros lançados no exterior e mais dois a caminho. No Brasil, temos apenas Fome, o segundo volume, lançado. Os próximos serão Lies e Plague. Fear, o quinto livro, tem lançamento previsto para abril deste ano nos EUA e o título provisório do sexto livro é Light.

Avaliação (de 1 a 5):

Diana Peterfreund – Ritos da Primavera

O melhor da série! Ritos da Primavera, terceiro volume da série Sociedade Secreta, foi o mais incrível e bem escrito até o momento. Mesmo que eu tenha dado a nota máxima, merecidamente diga-se de passagem, aos outros dois volumes (Rosa & Túmulo e Sob a Rosa) este se destaca como um favorito com toda certeza!

Agora que Amy já enfrentou tantos preconceitos e desafios para estar na R&T, lutou contra um grupo de seu próprio clube na sociedade que queria sabotar as Coveiras e terminou mais uma vez um relacionamento romântico de forma traumática, entramos no último semestre da garota na Universidade de Eli.

Com um início muito engraçado e divertido, Peterfreund nos situa rapidamente na trama e desenvolve muita ação. Os cavaleiros da C177 foram roubados pela Cabeça de Dragão sociedade rival e estão tentando invadir o mausoléu deles para pegar o artefato de volta. O que era para ser um trote comum entre sociedades acaba dando errado e Amy é identificada pelos membros da Cabeça de Dragão como uma Coveira.

Agora a guerra esta lançada, onde quer que vá Amy sofre as piores humilhações e vexames públicos. Em meio a esta rixa entre sociedades, Brandon ressurge na mente e talvez no coração de nossa querida Bogaboo com força total.

Mas será que ele é realmente uma opção? E porque Brandon não termina de vez com a namorada para ficar com Amy? Muitas perguntas sem resposta até a metade do livro. Entretanto, é quando Amy e outros integrantes do C177, além de Poe, vão para a ilha particular da R&T nas férias, que o livro engrena e pega fogo.

Amy achou que estaria a salvo de mais trotes da Cabeça de Dragão na ilha, mas alguns atentados à sua vida e às Coveiras vão mostrar a moça que a situação sempre pode piorar.

Este livro foi o meu favorito por muitos motivos: tem mais ação, o início não foi tão lento e Amy e seus amigos estão ainda mais engraçados. Mas a principal razão foi que, o romance que eu mais aguardava desde o primeiro livro finalmente aconteceu.

Não se pode dizer que Amy seja uma garota difícil, em cada livro ela está com algum carinha diferente! Mas, depois de tanta enrolação, ela finalmente caiu na real e ficou com o único garoto que era feito pra ela *-* Amei as cenas fofas entre os dois e mal posso esperar pra ler o último volume, Tap & Gown, que promete ser ainda mais divino (a Galera podia se mexer para lançar logo aqui no Brasil hein)!

Avaliação (de 1 a 5):

John Marsden – Amanhã: Vingança em Chamas

Depois de um início primoroso em Amanhã: Quando a Guerra Começou, sequências alucinantes em O Silêncio da Noite e No Terceiro Dia, A Geada e uma pausa para respirar em Escuridão, Seja Minha Amiga, eis que John Marsden retornou com tudo em Vingança em Chamas!

Como já diz o livro, agora é a hora de nosso grupo de jovens soldados mostrar a que veio. Depois de um fracasso em sua tentativa de destruir o aeroporto construído pelo exército inimigo no volume anterior, agora eles estão com sede de destruição. Ainda mais depois de algumas descobertas nada agradáveis sobre suas famílias.

Voltar para a Nova Zelândia parece um sonho distante e, depois de algum tempo confinados no Inferno, Ellie, Homer, Lee, Fi decidem que um ataque ao inimigo é necessário.

Mas como atingir um ponto tão fortemente armado e protegido? Isso vocês só descobrirão lendo! Mas de uma coisa podem ter certeza: John Marsden não brinca em serviço e não poupa o leitor de cenas de ação e violência.

Cada vez mais todo o horror vivido pelos jovens afeta sua sanidade e atitudes. Ellie se culpa pelas mortes que carrega e por seu comportamento louco enquanto esteveem segurança. Leesó deseja vingar as mortes de todos que conhecia e morreram. Homer está cada vez mais mandão (ele e Ellie brigam sem parar), Kevin não suporta mais o medo de perder a vida a cada jornada que seus amigos o forçam a fazer e Fi, a outrora doce e inocente Fi está definhando de tristeza e saudade, nem consegue mais manter a pose de durona.

Cada um deles deve enfrentar seus fantasmas, porque senão o resultado certo é a morte.

Este livro retomou com tudo o ritmo de ação alucinante, descobertas surpreendentes e aventura em todas as páginas. Fiquei com pena e com raiva de quase todos os personagens, mas principalmente do Lee, que faz a maior das burradas no final da obra.

Em Vingança em Chamas são introduzidos novos personagens e cenários. Saímos um pouco do Inferno, acompanhamos os ataques do grupo e suas tentativas de se manterem vivos, fortes e atuantes em uma guerra que parece não ter fim.

Algumas cenas são bastante surpreendentes e chocantes, a brutalidade da morte e da guerra fica mais evidenciada do que nunca.

Sem dúvidas, essa é uma série mais do que recomendada. As edições da Fundamento são lindas, e a trama é rica e envolvente. Leiam!

Avaliação (de 1 a 5):

Federico Devito e Gutti Mendonça – O Preço de Uma Lição

Este livro me ganhou pela capa. O projeto gráfico que a Novo Conceito realizou ficou lindo, eu adorei cada detalhe da edição e acho que ficou super entrosada com a trama sempre bom né.

Confesso, porém, que tinha um certo receio do que encontraria nas 366 páginas que compõe a obra. Escrito por dois jovens, este é o romance de estréia de Federico Devito e Rogério (Gutti) Mendonça, e nele você descobrirá que os meninos podem amar muito sim, mas que, às vezes, só isso não basta.

Achei o início um tanto confuso, as informações estavam meio “jogadas” e demorei um pouco para me situar na trama. Não são dados nomes aos personagens logo de cara, e acreditem se quiser: ficamos o livro todo sem saber qual é o nome do protagonista! Depois de terminar a leitura, dá para imaginar que esta é a história de Gutti, e vejo Federico como um Paulinho, portanto é assim que os chamarei. Mas isso tudo é uma questão de interpretação: cada um visualiza do jeito que quiser.

Depois de umas 50 páginas lidas, comecei a perceber o quanto estava envolvida na história e aí foi só correr pro abraço, li o livro em dois dias e terminei com uma ótima sensação e um gostinho de quero mais!

Essa é a história da vida de “Gutti” da sua infância até os 22 anos. Ele é um garoto simpático, extrovertido, inteligente e muito bonito a semelhança com os autores poderia ser mera coincidência?. O único problema aparente na vida dele é sua inaptidão para relacionamentos. Ele nos conta seus altos e baixos, erros e acertos no amor. Até o ponto em que conhece Juliana, aquela que mudará de vez sua forma de encarar o amor.

Ela é linda e é tudo que o rapaz sempre sonhou. Mas uma grande diferença de idade, somada a distância em que moravam um do outro eram alguns dos empecilhos que ele deveria enfrentar.

Outro problema grave eram os relacionamentos passados de “Gutti” que, apesar de fracassados, sempre voltavam para infernizar a vida dos dois. Assim, entre altos e baixos, vamos conhecendo mais sobre os pensamentos, dúvidas, amores e desamores de um jovem garoto. Sua entrada no mundo adulto: as escolhas, fracassos e vitórias.

O mais interessante nesta leitura, para mim, foi entender melhor o universo masculino que vamos e convenhamos, é totalmente diferente do feminino. Dizem que as mulheres são difíceis de entender, mas depois de ler sobre “Gutti” tenho que discordar. Eita menino que faz burrada! E o mais incrível é que ele sabe que está sendo idiota e continua agindo do mesmo jeito. Homens… Quem poderá compreendê-los?

Achei os personagens secundários bem construídos. A representação da imaturidade no período da adolescência, das descobertas e dificuldades também foi muito boa. Só achei que faltou uma coisa fundamental: sexo.

Não, não me chamem de tarada ainda, por favor! Não estou falando que faltaram cenas de sexo, longe disso! Esse livro foi publicado pelo selo jovem da NC e é quase um infanto-juvenil, então não vamos partir pra este lado… Mas a sexualidade, como uma dúvida natural e muito presente nesta fase da vida que o livro explora, deveria ter sido ao menos citada por alto, de maneira leve. Entretanto o livro não conta com nenhuma passagem sobre isso. Apenas beijinhos pra lá e abracinhos pra cá. Fala sério, um casal de jovens vai namorar por dois anos só se beijando?

A impressão que ficou, depois de ler o livro, é que “Gutti” com quase 23 anos ainda era virgem e todos os outros na trama também. Não que eles não pudessem ser virgens (não me entendam mal), mas é que, repetindo, a adolescência é uma fase da vida onde os hormônios estão em alta, onde surgem dúvidas, curiosidades e muito disso se relaciona com a sexualidade. Praticamente todos os autores, nacionais ou internacionais, que escrevem sobre este público abordam uns da maneira rasa e sutil, outros nem tanto este tema. É necessário para a construção da obra e senti muita falta disso. Foi um dos pontos que mais martelaram na minha cabeça durante o livro.

A obra traz uma mensagem muito bonita, romântica e diferente sobre o amor e os relacionamentos no cotidiano dos jovens. As referências musicais, geográficas e culturais são ótimas, já disse várias vezes o quanto adoro ler livros ambientados no Brasil, pois assim posso me identificar muito mais com toda a trama.

Para finalizar, este foi um livro que gostei muito de ler. Mesmo tendo algumas partes que eu mudaria, a narrativa me agradou demais! Li super rápido e terminei querendo uma continuação :). O desfecho se encaixou super bem com o resto do livro e amei o final. Foi super bacana a ideia proposta pelos autores e espero, sinceramente, que ainda possamos ler muito mais obras destes dois.

Para quem gosta de YA books eu recomendo totalmente, é um livro que vale a pena ser lido e apreciado!

Avaliação (de 1 a 5):

John Marsden – Amanhã, No Terceiro Dia, A Geada

Se eu julgava que O Silêncio da Noite havia sido pura ação, “No Terceiro Dia, A Geada” veio para me provar que a imaginação de John Marsden não conhece barreiras!!! Fico cada vez mais encantada pela série, que passa a ser classificada por mim não mais como infanto-juvenil, mas sim como Yong Adult pela maturidade da trama e pelas fortes cenas que acompanhamos neste terceiro volume da série Amanhã.

Resenha sem spoilers! Para ler as resenhas do primeiro e segundo volumes clique aqui.

Nossos heróis estão chamando cada vez mais atenção do exército inimigo, e depois do final ultra explosivo do livro anterior, até mesmo os outros países começam a perceber a fama dos jovens que acompanhamos.

Ellie está confusa em relação aos seus sentimentos e todos começam a sentir o peso de tantas batalhas, lutas e mortes. Desesperados por alguma ação, eles se laçam em um plano mais arriscado do que tudo que poderiam sonhar, mas pode ser que, desta vez, não tenham tanta sorte assim.

Este livro foi um dos meus favoritos por diversos motivos, e a maioria deles não posso contar para não dar spoiler sem querer. Mas, como sempre, minhas impressões sobre o livro foram as mais positivas.

É encantador e viciante acompanhar as aventuras destes adolescentes em busca de sobrevivência e vingança. Seu país foi tomado e está sendo colonizado por um povo inimigo. E no meio de tanta guerra e ação, o autor encontra tempo para levantar inúmeras questões políticas e críticas sociais. A reflexão sobre o modo como vivemos e lidamos com o próximo é uma das coisas que mais gosto, mesmo que esteja subliminar durante toda a obra.

Se você gosta de ação, pode ler sem problemas, se gosta de romances complicados vai adorar, se gosta de suspense e uma dose de drama, este livro é indicado para você, e se espera tudo isso junto em um livro, não perca tempo e corra para a livraria mais próxima!!!

A série Amanhã me conquistou desde o primeiro livro, e mesmo faltando quatro livros para que eu termine, sinto saudades dos personagens e fico divagando sobre os rumos que o autor vai dar para cada um dos sobreviventes.

Concluindo, os livros de John Mardsen são totalmente recomendados por mim, a narrativa é ágil e empolgante, as edições são belíssimas e a história, fantástica!

Avaliação (de 1 a 5):

John Marsden – Amanhã, O Silêncio da Noite

Ação a cada página, emoções a flor da pele e muita tensão. Estes são os principais ingredientes desta sequência de tirar o fôlego criada por John Marsden. Vocês já sabem, depois da minha resenha, o quanto eu amei Amanhã, Quando a Guerra Começou. E O Silêncio da Noite, segundo volume da série, não fica nem um pouco para trás!!!

Resenha sem spoilers, para entender melhor a trama leia a resenha do primeiro volume.

Depois de um final eletrizante, onde temos a primeira vitória em favor do grupo de adolescentes que acompanhamos, a guerra continua e, mesmo desfalcados, os bravos heróis continuam em busca de ação e formas de ajudar seu país.

Neste livro vemos com mais intimidade os romances que vão surgindo e o lado psicológico dos personagens. Confinados no Inferno, eles precisam aprender a conviver melhor em grupo. Ellie e Homer lideram o grupo e decidem partir em uma missão de reconhecimento ao redor do Inferno, para procurar outros sobreviventes que não tenham sido capturados pelo exército inimigo.

Para surpresa geral, eles encontram um grupo de resistência bastante grande, denominado os Heróis do Harvey. O comando do grupo está nas mãos do General Harvey, sujeitinho que não me agradou nem um pouco.

Com a descoberta deste grupo, eles começam a entender como suas vidas de adolescentes foram retiradas precocemente com a guerra e se questionam se não seria melhor deixar tudo nas mãos dos adultos ao invés de tentar lutar, como vinham fazendo.

Alguns acontecimentos bombásticos e muita ação no desenrolar da trama nos levam a um final ainda mais surpreendente e aterrorizante do que o primeiro. Como eu disse, o livro é recheado de ação, apesar do início um tanto vagaroso.

Essa série prende cada vez mais a minha atenção e se firma no posto de minha trama infanto-juvenil favorita. Impossível não se apaixonar pela história e pelos personagens ricamente descritos pelo autor. John Marsden possui uma forma de escrever que cativa e toma totalmente a atenção do leitor, viciando-o na narrativa de forma incomum. Eu necessito dos próximos volumes urgentemente pelo bem da minha sanidade. Já li o terceiro livro No Terceiro Dia, A Geada que pretendo resenhar em breve sim, esta resenha está bem atrasada e agora me vejo louca pela sequência.

Totalmente recomendada, a série Amanhã é lançada aqui no Brasil pela querida Editora Fundamento, mais um motivo para que vocês leiam. O capricho, cuidado e atenção nas edições são marca registrada da editora, que me conquista com estes livros lindos, cheios de detalhes fantásticos e super bem revisados e não é puxação de saco porque tenho parceria com eles não, os livros são lindos mesmo e os meus foram todos adquiridos por mim, não são cortesia da editora. Vale a pena conferir!

Avaliação (de 1 a 5):

Previous Older Entries